Um jogo tem hora e meia, mas em Portugal só se jogam, em média, 49 minutos

José Coelho / Lusa

Esta época, em média, o tempo útil de jogo na primeira divisão portuguesa é de apenas 49,26 minutos. Os árbitros são bodes expiatórios deste registo.

Dizem as regras do futebol que um jogo tem 90 minutos, mais uns pozinhos de descontos. Ironicamente, em Portugal, isto não é bem verdade. A média de tempo em que a bola esteve a rolar nas 21 jornadas da Liga NOS já realizadas esta época é de 49,26 minutos, de acordo com dados da InStat recolhidos pelo Expresso.

Sendo que cada parte tem 45 minutos, pode-se quase dizer que, no futebol português, não se joga uma delas. Ainda no mais recente FC Porto-Sporting CP, Sérgio Conceição lamentou: “A cada 15 segundos o jogo parava”. Ainda assim, este foi o único jogo entre dois dos ‘três grandes’ que superou a média de minutos de tempo útil de jogo desta temporada.

Se olharmos para o FC Porto-SL Benfica da 14.ª jornada, apenas se jogaram 44,64 minutos: nem um parte inteira. “É algo cultural e há um conjunto de situações em que o futebol português tem de melhorar”, disse ainda o treinador portista antes do mais recente Clássico.

Dados do Observatório do Futebol Europeu (CIES), divulgados em novembro de 2019, mostram que a Liga NOS tinha uma média de 51,9% de tempo útil de jogo. Entre 35 campeonatos analisados, a Liga portuguesa ficava à frente de apenas três: a Super Liga grega (50,9%), a Segunda Divisão espanhola (50,4%) e a Liga checa (50,2%).

A culpa por este registo é normalmente atribuída aos árbitros. Esta temporada, o número médio de faltas por partida na Liga NOS é de 32,34 – um valor bastante superior às 22,13 faltas da Premier League, por exemplo.

No entanto, em declarações ao Expresso, o ex-árbitro Duarte Gomes, considera que “é demasiado redutor e até leviano colocar a responsabilidade apenas nos suspeitos do costume”. Aliás, Duarte Gomes salienta que existem “arbitragens mais defensivas”, devido ao receio de errar e pela consequente escrutinação nos programas desportivos.

Olhe-se para o exemplo de Artur Soares Dias, um dos que menos faltas apita em Portugal — embora roce as 30 por jogo —, que apenas assinalou 11 no recente Manchester City-Borussia Mönchengladbach para a Liga dos Campeões. Depende do jogo e não do árbitro.

Fábio Martins, jogador do Al-Shabab da Arábia Saudita, que se destacou em Portugal ao serviço do Sporting de Braga e do Famalicão, distribui a responsabilidade aos “jogadores que caem” ao mínimo toque e “tentam sacar as faltas com alguma facilidade”.

Por sua vez, Duarte Gomes considera que “a postura de alguns é péssima, com simulações constantes, mãos na cara por toques na barriga e uma propensão enorme para o protesto, para o conflito, para o drama”.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O problema está na mentalidade de jogadores, treinadores e próprios clubes! Culpar os árbitros é sempre o mais fácil. Em Inglaterra há reuniões entre capitães e árbitros antes de iniciar a época em que se coloca tudo em pratos limpos, havendo um compromisso assinado por todos no sentido de não haver “simulações”, mergulhoes, anti-jogo,etc. Claro que acontecem, mas em número bastante reduzido. Enquanto estivermos agarrados às prestações dos árbitros e não focarmos a atenção nos jogadores e nas equipas não mudará rigorosamente nada!

  2. A culpa é dos árbitros porque não punem os comportamentos vergonhosos. Porque não mostram amarelos nas simulações como é suposto?

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …