Portugal não aderiu a programa da UE criado de propósito após os incêndios de 2017

Estela Silva / Lusa

No ano passado, a União Europeia criou um programa de proteção civil devido aos incêndios de 2017 em Portugal. Contudo, o país não aderiu ao mecanismo.

Em 2017, Portugal viveu momentos difíceis devido aos incêndios que assolaram o país. Como tal, a União Europeia decidiu criar um mecanismo de proteção civil, chamado rescEU. O programa dispõe de 15 aviões e helicópteros prontos a intervir em qualquer país, mas Portugal decidiu não aderir à iniciativa.

“Os incêndios em Portugal foram chocantes para todos nós. Falhámos. Sentimos uma necessidade de melhorar o mecanismo” europeu de proteção civil, assume Christos Stylianides, comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, em declarações ao Público.

Os incêndios de 2017 estiveram na base para esta ideia, já que, na altura, depois de Portugal ter pedido ajuda externa, a União Europeia não conseguiu dar resposta. “Não pudemos responder, porque tínhamos os mesmo problemas“, explicou o secretário-geral da proteção civil grega, Spyros Georgiou.

O programa criado permite agora que os Estados-membros disponibilizem aos outros países meios aéreos de combate aos incêndios. A única contrapartida é o pagamento das despesas. O Expresso explica que os países podem alocar meios para a rede, com as despesas cobertas pelo programa a 75%.

“Não importa quão grande é um país, ninguém consegue lidar com estas catástrofes sozinho. As catástrofes não têm fronteiras”, disse Stylianides. “Com os fogos de Portugal, percebeu-se que a rede que existia não era suficiente“, reconheceu o cipriota.

O programa, criado em 2018, ainda está numa fase embrionária, mas planeia fazer progressos para conseguir uma resposta adequada aos Estados-membros em situações de extrema necessidade. O atual orçamento é de 340 milhões, mas, já no próximo ano, chegará aos 1,75 mil milhões de euros.

Até ao momento, apenas seis países aderiram: Suécia, França, Grécia, Espanha, Itália e Croácia. Apesar da rede ser inspirada num problema nosso, Portugal decidiu ficar de fora — pelo menos nesta primeira fase.

Stylianides explicou que Portugal deverá entrar apenas na fase permanente do programa, “mas não se comprometeu na fase de transição por causa de alguns procedimentos nacionais”.

Em 2017, Eduardo Cabrita parecia decidido em fazer todos os esforços necessários para que Portugal aderisse ao programa “com a máxima celeridade”. O ministro da Administração Interna dizia que o objetivo era que, em 2018, o país participasse ativamente e beneficiasse no plano nacional “desta nova visão integrada, quer de resposta a riscos graves, quer de apoio à capacitação nacional”.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. E aderir para quê?
    Teriam de prestar contas e era uma chatice… Melhor os fundos dos donativos que assim poderam deitar a mão à vontade…

RESPONDER

As ilhas havaianas atingem o jackpot da longevidade (e já se sabe porquê)

As ilhas vulcânicas não duram para sempre, mas há algumas que atingem o jackpot da longevidade. De acordo com uma nova investigação, a explicação prende-se com dois fatores: a velocidade da placa tectónica e o …

Uma inexplicável explosão de ondas gravitacionais atingiu a Terra (e atordoou os astrónomos)

Uma equipa de investigadores detetou uma misteriosa explosão de ondas gravitacionais, cuja natureza deixou os astrónomos totalmente perplexos. O fenómeno foi registado a 14 de janeiro deste ano pelo Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferómetro Laser …

O mar interno da misteriosa Encélado "grita" habitabilidade

Uma equipa de especialistas desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono do interior de Encélado, lua de Saturno que abriga um oceano, pode ser controlado através de reações químicas no …

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …

Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer. James Mitchell foi o psicólogo responsável …