Portugal é um “país importador de lixo”. Só em 2018 recebeu 330 mil toneladas de resíduos perigosos do estrangeiro

Portugal recebeu, em 2018, cerca de 331 mil toneladas de resíduos perigosos provenientes de outros países, como Itália e Malta. Um aumento de 53% relativamente a 2017 e que coloca Portugal como um “país importador de lixo”, segundo classificação da própria Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Os dados constam do relatório mais recente da APA sobre o Movimento Transfronteiriço de Resíduos, de 2018 (os dados de 2019 encontram-se em validação), que refere terem entrado no país, provenientes de outros países, 2,2 milhões de toneladas de resíduos não perigosos naquele ano. Destes, cerca de 331 mil toneladas eram resíduos perigosos, das quais 220 mil foram para valorização e 111 mil para eliminação em aterro. Nesse ano, Portugal exportou apenas 58 mil toneladas de resíduos perigosos.

Trata-se de um aumento na importação de lixo da ordem dos 53% face a 2017, com Itália e Malta a serem os países que enviaram mais resíduos para tratamento.

Os números levam a APA a classificar Portugal como um “país importador de lixo”, já que recebe o dobro dos resíduos que exporta, provenientes de 47 países, designadamente Reino Unido, Espanha, Alemanha, França, Holanda, Irlanda e Suécia.

Os resíduos com maior representatividade são os combustíveis derivados de resíduos (34%), enquanto os resíduos englobados na categoria de hidrocarbonetos representam já 33%, tendo quase duplicado de um ano para o outro, passando de 34 mil toneladas em 2017 para as 72 mil toneladas em 2018.

Os combustíveis derivados de resíduos e material para a produção dos mesmos que entraram em Portugal para valorização tiveram origem, maioritariamente, no Reino Unido, Itália e Países Baixos, enquanto os hidrocarbonetos tiveram origem essencialmente em Gibraltar, Países Baixos e França.

Também as entradas de resíduos para eliminação sofreram um aumento significativo de 58% relativamente ao ano anterior, registando-se 90 processos num total de cerca de 111 mil toneladas.

Segundo o relatório, ao contrário da tendência demonstrada em anos anteriores, em 2018 a maioria das entradas de resíduos perigosos para eliminação (54%) destinaram-se directamente para deposição em aterros, sendo a operação de tratamento físico-químico remetida para segunda posição.

Ministério promete aumentar Taxa de Gestão de Resíduos

Nos últimos dias, moradores da Azambuja têm-se queixado de um aterro mesmo às portas das habitações, falando de uma “montanha gigante de lixo” e queixando-se de que chega de barco do estrangeiro. Mas também em Valongo, na localidade de Sobrado, há queixas da população devido ao “cheiro nauseabundo” devido a um aterro que tem uma área de aproximadamente 12 campos de futebol e que recebe todo o tipo de resíduos, incluindo amianto.

A situação de Valongo é tão complicada que já levou o Ministério do Ambiente e da Acção Climática (MAAT), João Matos Fernandes, a garantir que o Governo vai avaliar as medidas de fiscalização da Recivalongo, a empresa que trata da gestão dos resíduos em Sobrado, e proceder à “avaliação da possibilidade de se prever um regulamento relativo ao odor”, como frisa o MAAT em comunicado. Em Portugal, não há regulamentação quanto aos cheiros dos aterros.

Outra das medidas do MAAT passará também pela revisão em alta dos valores da Taxa de Gestão de Resíduos que, em Portugal, é de apenas 11 euros por tonelada, enquanto a média europeia ronda os 80 euros.

Resíduos chegam principalmente de barco

A entrada dos resíduos em Portugal obriga a uma notificação e aprovação escrita das autoridades nacionais, dado tratar-se de misturas de lixos que têm pelo menos um resíduo perigoso, sejam provenientes da descontaminação de solos, lamas com substâncias perigosas, resíduos com hidrocarbonetos ou outros resíduos de destilação e resíduos de reacção, entre outros.

Em resposta à Lusa, fonte da APA explica que os resíduos perigosos entram no país tanto pelas fronteiras terrestres, por via rodoviária, como pelas fronteiras marítimas, sendo que em 2018 entraram principalmente via navio e, posteriormente, comboio e/ou camião até às instalações de tratamento respectivas.

De acordo com a mesma fonte, o porto oceânico de Sines é a principal porta de entrada, recebendo 64%, seguido do porto de Setúbal (20%) e do porto da Figueira da Foz (15%).

No início do ano, João Matos Fernandes afirmou que Portugal iria aplicar o princípio da objecção sistemática para limitar a importação de resíduos de países europeus para aterro, já a partir de 6 de Janeiro. Um despacho que resultou do “grande” crescimento na importação de resíduos para aterros nos últimos três anos, disse o ministro.

O governante explicou que as regras comunitárias para a circulação de resíduos dentro da União Europeia (UE) indicam que os países membros “devem minimizar as distâncias e devem procurar ser auto-suficientes”.

“Até aqui, aquilo que se fazia era, cumprindo-se as condições técnicas seja para o transporte, seja para a deposição, autorizar-se as operações. A partir de agora vamos começar por objectar essas operações. Nunca haverá licenciamento a partir das condições técnicas, mas apenas após a verificação de um conjunto de condições que garantam, nomeadamente, que não estamos a fazer perigar a capacidade dos aterros em Portugal e que a opção dos outros países, sobretudo Itália, não é uma opção preguiçosa, mas que resulta de uma objectiva necessidade que esse país pode ter”, sustentou Matos Fernandes na altura.

O relatório sobre o Movimento Transfronteiriço de Resíduos da APA indica que se a tendência de crescimento de importação destes resíduos se mantiver “pode ser preocupante face à capacidade de eliminação instalada em Portugal“, considerando a necessidade de “este factor ser objecto de reflexão”.

Em 2018, registaram-se cinco objecções a processos de notificação de saída, entradas e trânsitos de resíduos, na sua maioria por falta de pagamento da taxa devida pela apreciação dos procedimentos relativos à notificação de transferência de resíduos, e também devido a uma desistência por parte do notificador.

Matos Fernandes reafirma agora que os pedidos de outros países para deposição de resíduos em aterros (para eliminação) estão a ser apreciados com “muito mais critério”, precisando que o volume passou das cerca de 60 mil toneladas em 2017 para as 250 mil toneladas em 2019.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Depois venham me falar de taxas para a reciclagem e produtos poluentes ou de taxas pelo lixo que se produz … afinal os países europeus nao fazem reciclagem enviam todo o lixo pra o estrangeiro os outros que se virem …quando ouvir falar em reciclagem duvide sempre os grandes países de reciclagem estao no oriente que recebem todo o plastico usado que o ocidente envia

  2. Mundo louco. Esta raça é a pior evolução/invenção do Universo conhecido.
    Este mundo seria muito melhor sem humanos filhos da revolução industrial.
    Pior de tudo não aprendem com os erros, é sempre a “lixar” o vizinho e esquecem-e que mais cedo ou mais tarde o “lixanço” volta à origem.

RESPONDER

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …

Virgin Galactic quer desenvolver avião comercial supersónico (que promete superar a velocidade do som)

A Virgin Galactic vai aliar-se à Rolls-Royce para criar um avião comercial supersónico, ainda mais rápido do que o mítico Concorde. A empresa de turismo espacial Virgin Galactic anunciou uma parceria com a Rolls-Royce para desenvolver …

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …