Porque morrem tantos americanos?

Nos últimos 30 anos a esperança média de vida nos Estados Unidos da América não acompanhou as melhorias verificadas na Europa.

“A América tem um problema relacionado com a morte“. Assim começa uma análise, em espécie de alerta, de Derek Thompson, na revista The Atlantic.

O artigo centra-se nos números dos últimos 30 anos nos Estados Unidos da América – e não nos novos registos que o coronavírus trouxe.

A esperança média de vida nos EUA, que até 1990 era muito semelhante a outros países mais desenvolvidos como Alemanha, Reino Unido e França, desceu muito nas últimas três décadas.

Um estudo publicado já em setembro, do National Bureau of Economic Research que contou com colaboração de duas investigadoras da Universidade de Coimbra, centrou-se na desigualdade entre brancos e negros, na mortalidade de cidadãos que habitam nos Estados Unidos da América; mas mostra também que, no geral, estão a morrer mais americanos do que europeus (dos países desenvolvidos).

Bebés, adolescentes, adultos… Em qualquer idade, a percentagem de óbitos é maior nos EUA. E assim a esperança média de vida foi descendo.

Nesta comparação com a Europa Ocidental surge Portugal, ao lado de Espanha, França, Itália, Alemanha, Reino Unido e Dinamarca e Suíça: em todos estes países a esperança média de vida ultrapassa os 80 anos. Nos EUA nunca passou dos 79 anos e agora desceu para aproximadamente 77 anos, não tendo acompanhado a subida da média dos países europeus.

Hannes Schwandt, professor da Northwestern University, sublinha que estes números podem fazer que as pessoas façam as perguntas certas mas não apontam a causa para esta diferença entre americanos e europeus.

O autor do artigo deixa hipóteses: nos EUA há mais homicídios causados por armas de fogo (porque os americanos têm mais armas do que os cidadãos de outros países), porque há mais acidentes de viação, mais falecimentos relacionados com doenças infecciosas e há mais complicações em mulheres grávidas.

Mas, como já foi mencionado, o estudo centra-se nas desigualdades. E aí há três aspectos evidentes.

Nos EUA quem vive num local pobre “arrisca-se” a morrer mais cedo, ao contrário do que acontece na Europa, onde há uma grande equidade entre as zonas mais ricas e mais pobres, no que diz respeito à mortalidade. Nos EUA a pobreza é maior e as consequências provenientes da pobreza também.

No outro extremo, entre as pessoas mais ricas, também morrem mais norte-americanos. “Mostra que algo está mal no sistema de saúde dos Estados Unidos”, avisa Hannes Schwandt.

A terceira conclusão: ainda há muito para aprender, entre os próprios norte-americanos. E também ainda há muito para compreender, na totalidade, a origem desta descida.

  Nuno Teixeira, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Uma das explicações é o sistema de saúde público em vigor maioritariamente na Europa VS sistema de saúde privado em vigor nos EUA. Um internamento nos EUA pode custar o preço de um carro novo ou até de uma casa… Dá que pensar

  2. Vendo o que os americanos comem, até admira que não morram mais cedo. Além disso os americanos são um povo particularmente violento que procura resolver os problemas pelo uso da força. O que conduz a uma maior mortalidade.

RESPONDER

Uma impressão artística de um impacto gigantesco no sistema estelar HD 17255

Dois planetas envolveram-se num choque tão violento que um deles perdeu a atmosfera

Uma equipa de astrónomos encontrou provas de uma gigantesca colisão entre dois planetas num sistema planetário jovem, localizado a 95 anos-luz da Terra. A poeira à volta da jovem estrela HD 172555, de 23 milhões de …

Rorhwerk, o maior instrumento musical do mundo

Rohrwerk, uma obra de arte efémera, é a maior "fábrica do som" do mundo

Uma espécie de "pavilhão do som". Alunos da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, criaram um novo instrumento musical, o maior alguma vez construído. Com 45 metros de altura, a obra de arte imponente …

Costa já pediu desculpas às confederações patronais. "Houve um lapso"

O primeiro-ministro afirmou, esta sexta-feira, que já apresentou um pedido de desculpas às confederações patronais por o Governo ter aprovado duas medidas na área do trabalho sem antes as ter apresentado em Concertação Social. À chegada …

Luxemburgo torna-se o primeiro país da Europa a legalizar o cultivo e consumo de canábis

O Governo luxemburguês anunciou, esta sexta-feira, que o país será a primeira nação do Velho Continente a legalizar o cultivo e o consumo de canábis. De acordo com a nova legislação, explica o jornal The …

Prisão preventiva para suspeitos da morte de jovem no metro das Laranjeiras

Os quatro suspeitos da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa, ficaram em prisão preventiva, depois de presentes a primeiro interrogatório judicial. Os quatro arguidos, com idades entre os …

Cristiano vs. Salah: Klopp não queria comparar mas comparou

Treinador do Liverpool não acredita que vai encontrar um adversário debilitado: "Eles são capazes de fazer coisas incríveis". É o grande jogo de futebol no Reino Unido e um dos mais aguardados em todos os países: …

Bastonário dos Médicos considera direção executiva do SNS "um disparate"

O bastonário da Ordem dos Médicos considera que a criação da direção executiva do Serviço Nacional de Saúde, proposta no Estatuto do SNS aprovado esta quinta-feira, é "um disparate" e que há estruturas que podem …

João Leão no Parlamento: "A alternativa é um Orçamento apresentado pelo PSD"

O ministro das Finanças afirmou, esta sexta-feira, na Assembleia da República, que a alternativa à viabilização à esquerda da proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) é um Orçamento feito pelo PSD. "A alternativa que …

Mais de 30 mil mulheres polacas recorreram a métodos de aborto ilegais ou no estrangeiro desde a alteração na lei

Proibição à interrupção voluntária da gravidez entrou em vigor no início deste ano e as  exceções só se aplicam a casos de violações, incestos ou quando a saúde da mãe está em risco. Pelo menos 34 …

Fenprof anuncia nova greve no dia 12 e concentração em frente ao Parlamento

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou, esta sexta-feira, a realização de uma concentração em frente à Assembleia da República no dia 5 de novembro e a adesão à greve nacional da Administração Pública marcada …