Porque é que a Disney tramou as madrastas?

disneyscreencaps.com

Madame Tremaine, a madrasta da Cinderela

Madame Tremaine, a madrasta da Cinderela

Desconstruir a ideia de que as madrastas são sempre as más da fita é um dos objetivos do I Congresso de Madrastas, Padrastos e Enteados, que se realiza este sábado, no Torreão Poente do Terreiro do Paço, em Lisboa, e terá Catarina Furtado e Joana Amaral Dias entre os oradores.

“Trata-se de um tema muito informal, mas espero que com muito conteúdo”, declarou à agência Lusa Fernando Alvim, promotor da iniciativa, explicando que a ideia surgiu depois de várias conversas que foi tendo com amigos e convidados dos seus programas de rádio.

Apesar de não ser padrasto ou enteado e de não ter familiares na mesma situação, Fernando Alvim explicou que o facto de ter vários amigos que falam “desta problemática” fez-lhe sentido e despertou-lhe o interesse para aprofundar o assunto, já que é “um tema do qual não se fala muito”

O radialista adiantou à Lusa que chegou à conclusão, juntamente com outras pessoas, de que “a Disney tem uma cota de responsabilidade na forma e no tom depreciativo com que as madrastas ficaram para o mundo”.

Esse é precisamente um dos temas do painel de abertura do Congresso: “Porque é que a Disney tramou as madrastas?”, e para responder a essa questão foram convidados, entre outros, os psicólogos António Alvim e Joana Amaral Dias.

Fernando Alvim distinguiu que, tanto as princesas Cinderela, como a Branca de Neve, tiveram “duas madrastas malévolas” e que nos filmes de animação de Walt Disney foram sempre representadas “como pessoas más”, imagem que terá passado para a sociedade.

Meio a brincar, meio a sério, Fernando Alvim disse que pretende trazer a questão para a ordem do dia, destacando que, “as próprias madrastas – mais que os padrastos – tentam disfarçar a conotação negativa do termo, encontrando subterfúgios vários, entre os quais, assinando como boadrasta, por exemplo.

“Por isso, gostava também de tentar arranjar alternativas para mudar os nomes. A minha proposta é bastante fraturante: resolvia um problema e criava outro”, realçou, explicando a ideia: “em vez de usar as palavras ‘madrasta’, ‘padrasto’ ou ‘enteado’ — de conotações mais negativas — passaria a usar-se outras mais frendly, como ‘madrinha’, ‘padrinho’ ou ‘afilhado’. “Mas isso ia criar um outro problema, porque ‘madrinha’ e ‘padrinho’ significam outra coisa, embora já sem o sentido de antigamente. ‘Afilhado’ tem a ver com filho: Sounds good [soa bem]. ‘Padrinho’ faz lembrar pai, assim como ‘madrinha’ mãe”, considerou, lembrando que era entendido que os padrinhos de uma criança ficavam encarreguados da educação desta, caso acontecesse alguma coisa a seus pais.

Ana Soares, autora do blog “A vida madrasta“, e que vai ser uma das oradoras do Congresso, explicou à Lusa que a sua experiência enquanto madrasta “é um grande tratado, cheio de coisas boas e outras más”. A autora também partilha a opinião de que as madrastas são o chamado bode expiatório, já que desde sempre, “muito à conta da Disney”, são a “figura má, aquela que ficou com o pai quando a mãe morreu (antes não havia divórcios) e que, à partida, odeiam as crianças que já existem” na nova família.

Numa altura em que, segundo os oradores no congresso, se estão a alterar os modelos familiares, Ana Soares, madrasta há quatro anos de uma criança com oito, considerou à Lusa que cabe aos membros das novas famílias, padrastos e madrastas, mudar a sua imagem, lembrando que ainda existem “más madrastas e maus padrastos, mas também existem más mães e maus pais”.

Ana Soares sente-se, por vezes, injustiçada quando ouve algumas das frases ‘cliché’, como “tu não és minha mãe”, ou “gostava de viver só com o pai”, e desabafou à Lusa que isso “doí” e que fica “verdadeiramente triste”, pois sente ser “ingrato cuidar de uma criança” como filho e essa mesma criança não a ver como mãe, mas admitiu que “faz parte do jogo”. No blog que gere, Ana Soares vai dando conta do seu dia-a-dia familiar e das peripécias como madrasta, apesar de reconhecer que não tem ideias pré-definidas do “quanto é ser madrasta”.

Ana Soares reconheceu à Lusa que falar desta questão pode ser “construtivo e positivo”, sublinhando que, apesar de tudo, a própria sociedade parece estar mudada relativamente a esta questão, “mais adaptada a estes novos conceitos de família”.

“Ainda existem traços de outros tempos, mas aos poucos mudam-se mentalidades. E até mesmo mães que “entregam” os filhos às madrastas têm agora uma postura diferente. Confiam, gostam delas. Dão a oportunidade de haver uma relação”, concluiu.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Talibãs mandam funcionárias do governo de Cabul ficar em casa

As funcionárias do governo de Cabul devem ficar em casa. A única exceção aplica-se às trabalhadoras cujos cargos não podem ser desempenhados por homens. Só as mulheres "que não podem ser substituídas por homens" podem regressar …

"Tatatatatatata." A bazuca de Costa é, afinal, uma "metralhadora" que dispara de rajada

Rui Rio considera que António Costa devia chamar a bazuca de metralhadora, porque o primeiro-ministro "dispara de rajada" promessas. "HK21 tem fita, carrega-se, e aquilo dispara tatatatatatata." O presidente do PSD, Rui Rio, ironizou esta segunda-feira …

Campanha alerta população sobre cancros de sangue e apela para informação

Uma campanha para quebrar o silêncio sobre os cancros do sangue e alertar para a importância do diagnóstico precoce está nas ruas até final de setembro, lembrando que é essencial estar atento a sintomas e …

Pfizer diz que vacina é "segura" para crianças dos cinco aos 11 anos

A Pfizer/BioNTech anunciaram, esta segunda-feira, que a vacina é segura e parece gerar uma resposta imunitária robusta nas crianças dos cinco aos 11 anos. Depois de um estudo com 2.268 participantes, a Pfizer/BioNTech anunciaram que a …

PS e CDS na Madeira desencontrados, PSD e Bloco continuam no Norte

No arranque da segunda semana de campanha para as autárquicas, os líderes do PS e do CDS-PP apostam na Madeira mas com horários desencontrados, enquanto BE e PSD continuam a norte, e PAN e PCP …

Confronto entre EUA e China é "perigoso para o mundo", alerta Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou no domingo que um confronto entre os Estados Unidos (EUA) e a China é "perigoso para o mundo" e que, apesar das diferenças, há áreas onde …

Portugal recebeu no domingo grupo de 80 afegãos

Portugal recebeu no domingo 80 afegãos, na maioria atletas da equipa de futebol feminino e seus agregados familiares, elevando para 178 o total de cidadãos acolhidos após a emergência humanitária no Afeganistão, anunciou esta segunda-feira …

Inspeção obrigatória das motas começa em janeiro de 2022

Quase dez anos depois de a medida ter sido aprovada pelo Governo, a inspeção obrigatória de motas com mais de 125 cc vai arrancar em janeiro de 2022. Jorge Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas, referiu …

André Ventura - Chega

Ventura diz que PSD está "igual" ao PS - e desafia Rio a justificar atraso no interior

O líder do Chega, André Ventura, manifestou-se hoje preocupado com o panorama político à direita, observando que o PSD está “igual” ao PS e acusando ambos os partidos de terem abandonado o interior do país. “Estou …

Sem Cristiano, o que se passa com a Juventus?

Nenhum triunfo em quatro jornadas do campeonato. Não acontecia há 60 anos. E o problema maior não estará no ataque, apesar da saída de Cristiano Ronaldo. Estreia na temporada: 2-2 no terreno da Udinese. Receber o …