Porque é que a Disney tramou as madrastas?

disneyscreencaps.com

Madame Tremaine, a madrasta da Cinderela

Madame Tremaine, a madrasta da Cinderela

Desconstruir a ideia de que as madrastas são sempre as más da fita é um dos objetivos do I Congresso de Madrastas, Padrastos e Enteados, que se realiza este sábado, no Torreão Poente do Terreiro do Paço, em Lisboa, e terá Catarina Furtado e Joana Amaral Dias entre os oradores.

“Trata-se de um tema muito informal, mas espero que com muito conteúdo”, declarou à agência Lusa Fernando Alvim, promotor da iniciativa, explicando que a ideia surgiu depois de várias conversas que foi tendo com amigos e convidados dos seus programas de rádio.

Apesar de não ser padrasto ou enteado e de não ter familiares na mesma situação, Fernando Alvim explicou que o facto de ter vários amigos que falam “desta problemática” fez-lhe sentido e despertou-lhe o interesse para aprofundar o assunto, já que é “um tema do qual não se fala muito”

O radialista adiantou à Lusa que chegou à conclusão, juntamente com outras pessoas, de que “a Disney tem uma cota de responsabilidade na forma e no tom depreciativo com que as madrastas ficaram para o mundo”.

Esse é precisamente um dos temas do painel de abertura do Congresso: “Porque é que a Disney tramou as madrastas?”, e para responder a essa questão foram convidados, entre outros, os psicólogos António Alvim e Joana Amaral Dias.

Fernando Alvim distinguiu que, tanto as princesas Cinderela, como a Branca de Neve, tiveram “duas madrastas malévolas” e que nos filmes de animação de Walt Disney foram sempre representadas “como pessoas más”, imagem que terá passado para a sociedade.

Meio a brincar, meio a sério, Fernando Alvim disse que pretende trazer a questão para a ordem do dia, destacando que, “as próprias madrastas – mais que os padrastos – tentam disfarçar a conotação negativa do termo, encontrando subterfúgios vários, entre os quais, assinando como boadrasta, por exemplo.

“Por isso, gostava também de tentar arranjar alternativas para mudar os nomes. A minha proposta é bastante fraturante: resolvia um problema e criava outro”, realçou, explicando a ideia: “em vez de usar as palavras ‘madrasta’, ‘padrasto’ ou ‘enteado’ — de conotações mais negativas — passaria a usar-se outras mais frendly, como ‘madrinha’, ‘padrinho’ ou ‘afilhado’. “Mas isso ia criar um outro problema, porque ‘madrinha’ e ‘padrinho’ significam outra coisa, embora já sem o sentido de antigamente. ‘Afilhado’ tem a ver com filho: Sounds good [soa bem]. ‘Padrinho’ faz lembrar pai, assim como ‘madrinha’ mãe”, considerou, lembrando que era entendido que os padrinhos de uma criança ficavam encarreguados da educação desta, caso acontecesse alguma coisa a seus pais.

Ana Soares, autora do blog “A vida madrasta“, e que vai ser uma das oradoras do Congresso, explicou à Lusa que a sua experiência enquanto madrasta “é um grande tratado, cheio de coisas boas e outras más”. A autora também partilha a opinião de que as madrastas são o chamado bode expiatório, já que desde sempre, “muito à conta da Disney”, são a “figura má, aquela que ficou com o pai quando a mãe morreu (antes não havia divórcios) e que, à partida, odeiam as crianças que já existem” na nova família.

Numa altura em que, segundo os oradores no congresso, se estão a alterar os modelos familiares, Ana Soares, madrasta há quatro anos de uma criança com oito, considerou à Lusa que cabe aos membros das novas famílias, padrastos e madrastas, mudar a sua imagem, lembrando que ainda existem “más madrastas e maus padrastos, mas também existem más mães e maus pais”.

Ana Soares sente-se, por vezes, injustiçada quando ouve algumas das frases ‘cliché’, como “tu não és minha mãe”, ou “gostava de viver só com o pai”, e desabafou à Lusa que isso “doí” e que fica “verdadeiramente triste”, pois sente ser “ingrato cuidar de uma criança” como filho e essa mesma criança não a ver como mãe, mas admitiu que “faz parte do jogo”. No blog que gere, Ana Soares vai dando conta do seu dia-a-dia familiar e das peripécias como madrasta, apesar de reconhecer que não tem ideias pré-definidas do “quanto é ser madrasta”.

Ana Soares reconheceu à Lusa que falar desta questão pode ser “construtivo e positivo”, sublinhando que, apesar de tudo, a própria sociedade parece estar mudada relativamente a esta questão, “mais adaptada a estes novos conceitos de família”.

“Ainda existem traços de outros tempos, mas aos poucos mudam-se mentalidades. E até mesmo mães que “entregam” os filhos às madrastas têm agora uma postura diferente. Confiam, gostam delas. Dão a oportunidade de haver uma relação”, concluiu.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Estivadores do Porto de Lisboa iniciam greve de três semanas

Os estivadores do Porto de Lisboa iniciam, esta quarta-feira, uma greve de três semanas em protesto contra os salários em atraso e incumprimento dos acordos celebrados por parte da Associação de Empresas de Trabalho Portuário …

Michael Vang. Passou despercebido por Portugal, mas carrega os sonhos de toda uma etnia

Michael Vang é dos pouquíssimos jogadores de origem Hmong a jogar futebol profissionalmente. Agora nos Estados Unidos, o jovem teve uma passagem apagada por Portugal. Os Hmong são um grupo étnico asiático originário das regiões montanhosas …

Há pessoas sem a parte olfativa do cérebro que conseguem cheirar (e cientistas não sabem porquê)

Cientistas encontraram casos em que as pessoas não tinham bulbo olfativo, a parte do cérebro responsável pelo olfato, mas mesmo assim conseguiam cheirar. Anosmia consiste na perda total ou parcial do olfato e esta é uma …

Cientistas detetam estranhos movimentos de gás na Via Láctea (em redor de algo "invisível")

Os astrónomos detetaram movimentos de nuvens de gás incomuns perto do centro da Via Láctea, que podem sugerir a presença de um desconhecido buraco negro de classe intermediária. Os investigadores que rastrearam os gases no centro …

Hackers podem facilmente piratear satélites (e transformá-los em armas)

Piratear satélites pode não ser assim tão complicado quanto pensamos. Os hackers podem simplesmente desligá-los ou até mesmo usá-los como armas. No mês passado, a SpaceX tornou-se a operadora da maior constelação de satélites ativos do …

Gelo a cair num buraco faz barulhos estranhos (e parece uma batalha de lasers)

Alguma vez pensou o que se ouve quando deixamos cair gelo num buraco gelado profundo? Já não precisamos de pensar mais - e já podemos ouvir. O vídeo do pedaço de gelo a cair num buraco …

Tribunal recusa exumar corpo. Rosa Grilo conhece sentença a 3 de março

A leitura do acórdão no processo do homicídio do triatleta ficou agendada, esta terça-feira, para o dia 3 de março. De acordo com o Diário de Notícias, a defesa de Rosa Grilo pediu a exumação do …

Revelados documentos que provam a investigação de OVNIs por parte do Pentágono

Documentos recentemente divulgados mostram que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos (EUA) financiou estudos sobre Objetos Voadores Não Identificados (OVNI's), contradizendo declarações recentes do Pentágono. Em 2017, o New York Times revelou a existência de …

"Nem sei onde é Alcochete". Pinto da Costa ouvido como testemunha de Bruno de Carvalho

O presidente do FC Porto foi ouvido, esta terça-feira, como uma das testemunhas do ex-dirigente leonino no julgamento da invasão à academia do Sporting, em Alcochete, que está a decorrer no tribunal de Monsanto, em …

A nova obra de Banksy só durou dois dias

A nova obra do artista britânico Banksy, que apareceu na véspera do Dia dos Namorados em Bristol, foi coberta por um grafite cor-de-rosa dois dias depois. A imagem de uma menina a atirar flores vermelhas com uma …