Polícias exigem que clubes paguem policiamento de claques

Manuel de Almeida / Lusa

Adeptos do Benfica à chegada ao Estádio da Luz pouco antes do jogo da Primeira Liga de Futebol com o FC Porto

Adeptos do Benfica no Estádio da Luz antes do jogo da Primeira Liga com o FC Porto

O maior sindicato representativo dos polícias quer que sejam os clubes a pagar o policiamento à volta dos estádios em dias de jogos e que os próprios clubes sejam responsabilizados pela violência das claques e dos adeptos.

No comunicado enviado na quarta-feira ao Ministério da Administração Interna (MAI) e aos grupos parlamentares, depois de várias agressões registadas junto ao Estádio da Luz, a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP) exige medidas urgentes para “travar a violência no futebol”.

“A ASPP/PSP considera inconcebível que um desporto se tenha transformado numa espécie de cenário de guerra semanal, muitas vezes promovido e apoiado por dirigentes e representantes dos próprios clubes”, indica a associação.

De acordo com a TSF, os polícias dão um prazo até ao início do novo campeonato, sob pena de avançarem com protestos, afirmando que estão fartos de trabalhar de graça para os clubes e sociedades anónimas desportivas.

O presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, explicou à TSF que só os agentes que estão dentro dos estádios é que recebem um extra dos clubes. Os restantes são tirados de outras funções e não recebem nada pelo trabalho.

Estamos a fazer um favor a sociedades anónimas desportivas, estamos a falar de negócios que envolvem milhões de euros, e os polícias de alguma forma estão a fazer um favor, que não querem fazer, e não têm qualquer comparticipação pela complexidade e exigência que o seu trabalho envolve”, adiantou o sindicalista.

Para Paulo Rodrigues, “não têm que ser nem o Estado, nem o erário público a pagar o policiamento que envolve estes jogos de futebol e não têm que ser os polícias a trabalhar de graça”.

O representante dos polícias afirma que os agentes são muitas vezes alvo de ameaças, insultos e agressões e garante que a ASPP continuar a insistir para acabar com aquilo que diz ser a “vergonha do futebol”.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. acho bem esta medida
    pode ser que assim os clubes tenham mais cuidado ou deixem de apoiar as claques.
    para uns irem ao futebol, outros (policias) nao podem ir passear com a familias e chegam ao fim do dia com umas mossas por causa de um arruaceiro que lhe mandou com uma pedra.
    se podem dar uns milhoes por um jogador, então também podem pagar umas centenas de euros aos policias.
    ficam as ruas sem policiamento para que sejam destinados ao futebol.
    também devem alterar as leis sobre as penas dos clubes e claques.
    as multas pagas pelos dirigentes, ate fazem rir um cidadao normal
    quando um adepto vai a tribunal, este fica a rir-se pois nao lhe acontece nada,
    os politicos devem alterar ou fazer leis mais rigorosas com penas bem pesadas para estes adeptos arruaceiros.

  2. Não vejo outra maneira, quem tem vicios tem que os pagar senão qualquer dia depois de ser-mos acusados de viver-mos acima das nossas possibilidades ainda temos que pagar os tatus do orelhas e os charutos do dono dele.

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …