Polícias exigem que clubes paguem policiamento de claques

Manuel de Almeida / Lusa

Adeptos do Benfica à chegada ao Estádio da Luz pouco antes do jogo da Primeira Liga de Futebol com o FC Porto

Adeptos do Benfica no Estádio da Luz antes do jogo da Primeira Liga com o FC Porto

O maior sindicato representativo dos polícias quer que sejam os clubes a pagar o policiamento à volta dos estádios em dias de jogos e que os próprios clubes sejam responsabilizados pela violência das claques e dos adeptos.

No comunicado enviado na quarta-feira ao Ministério da Administração Interna (MAI) e aos grupos parlamentares, depois de várias agressões registadas junto ao Estádio da Luz, a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP) exige medidas urgentes para “travar a violência no futebol”.

“A ASPP/PSP considera inconcebível que um desporto se tenha transformado numa espécie de cenário de guerra semanal, muitas vezes promovido e apoiado por dirigentes e representantes dos próprios clubes”, indica a associação.

De acordo com a TSF, os polícias dão um prazo até ao início do novo campeonato, sob pena de avançarem com protestos, afirmando que estão fartos de trabalhar de graça para os clubes e sociedades anónimas desportivas.

O presidente da ASPP, Paulo Rodrigues, explicou à TSF que só os agentes que estão dentro dos estádios é que recebem um extra dos clubes. Os restantes são tirados de outras funções e não recebem nada pelo trabalho.

Estamos a fazer um favor a sociedades anónimas desportivas, estamos a falar de negócios que envolvem milhões de euros, e os polícias de alguma forma estão a fazer um favor, que não querem fazer, e não têm qualquer comparticipação pela complexidade e exigência que o seu trabalho envolve”, adiantou o sindicalista.

Para Paulo Rodrigues, “não têm que ser nem o Estado, nem o erário público a pagar o policiamento que envolve estes jogos de futebol e não têm que ser os polícias a trabalhar de graça”.

O representante dos polícias afirma que os agentes são muitas vezes alvo de ameaças, insultos e agressões e garante que a ASPP continuar a insistir para acabar com aquilo que diz ser a “vergonha do futebol”.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. acho bem esta medida
    pode ser que assim os clubes tenham mais cuidado ou deixem de apoiar as claques.
    para uns irem ao futebol, outros (policias) nao podem ir passear com a familias e chegam ao fim do dia com umas mossas por causa de um arruaceiro que lhe mandou com uma pedra.
    se podem dar uns milhoes por um jogador, então também podem pagar umas centenas de euros aos policias.
    ficam as ruas sem policiamento para que sejam destinados ao futebol.
    também devem alterar as leis sobre as penas dos clubes e claques.
    as multas pagas pelos dirigentes, ate fazem rir um cidadao normal
    quando um adepto vai a tribunal, este fica a rir-se pois nao lhe acontece nada,
    os politicos devem alterar ou fazer leis mais rigorosas com penas bem pesadas para estes adeptos arruaceiros.

  2. Não vejo outra maneira, quem tem vicios tem que os pagar senão qualquer dia depois de ser-mos acusados de viver-mos acima das nossas possibilidades ainda temos que pagar os tatus do orelhas e os charutos do dono dele.

RESPONDER

A maior cascata do Equador desapareceu repentinamente

A maior cascata do Equador, com cerca de 150 metros, desapareceu repentinamente por causa de uma dolina. Investigadores ainda não sabem se esta apareceu por causas naturais ou humanas. Em fevereiro, a cascata de San Rafael, …

Aprovada descida de 3% na eletricidade no mercado regulado

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) aprovou uma descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh). Contas feitas, trata-se de uma redução de aproximadamente 3% no total …

Turquemenistão proibiu o uso da palavra "coronavírus"

Enquanto o mundo luta para conter a propagação da pandemia de covid-19, no Turquemenistão os cidadãos podem ser presos só por dizerem a palavra "coronavírus". De acordo com a rádio NPR, que cita a organização não …

EDP oferece desconto de 20% a profissionais e organizações de saúde

Face à pandemia de covid-19, a EDP vai oferecer um desconto de 20% na fatura da eletricidade a profissionais e organizações de saúde, anunciou esta quarta-feira a empresa liderada por António Mexia em comunicado. “A …

Bill Gates deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia

Num artigo publicado no jornal norte-americano Washington Post, o fundador da Microsoft, Bill Gates, deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia de covid-19, que já fez 43 mil mortes em todo o …

Comissão de Trabalhadores da TAP pede nacionalização da companhia

A Comissão de Trabalhadores (CT) da TAP reforçou esta quarta-feira o apelo para que a transportadora “se torne 100% pública”, depois de a empresa ter anunciado o lay-off da maioria dos trabalhadores, segundo um comunicado. No …

"Posso ir?" Há uma app que lhe diz como estão as filas nos supermercados

A comunidade tecnológica tech4COVID19 criou uma aplicação móvel que permite aos seus utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados. A app, sob o nome "Posso ir?", pretende orientar os utilizadores nas idas aos …

Conte pede à Alemanha mais solidariedade europeia. “Se somos uma União, está na hora de o provarmos”

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, fez esta quarta-feira um apelo solene à Alemanha para que haja mais solidariedade europeia no combate à pandemia da covid-19, que está a afetar severamente o seu país. “Se somos uma …

Em França, Portugal é destacado como bom exemplo (mas também pela sorte da sua geografia)

Portugal tem "11 vezes menos mortes" do que Espanha, em proporção das respectivas populações, e parece estar a lidar melhor com a pandemia de Covid-19 do que o país vizinho. Esta é a conclusão de …

Do confinamento alargado aos limites nos despedimentos. O que pode mudar com o "novo" estado de emergência

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, propôs esta quarta-feira ao Parlamento a renovação do estado de emergência em Portugal por novo período de 15 de quinze dias para permitir medidas de contenção da …