França em choque com ação da polícia em acampamento de migrantes

A atuação da polícia durante o desmantelamento de um acampamento improvisado de migrantes no centro de Paris, na noite de segunda-feira, está a gerar críticas e indignação.

Na noite desta segunda-feira, a polícia francesa dispersou algumas centenas de migrantes e ativistas que tinham montado um acampamento improvisado, com dezenas de pequenas tendas, numa praça no centro de Paris, numa ação que pretendia reivindicar, nomeadamente, alojamentos de emergência.

Após terem derrubado as tendas, as forças policiais recorreram a gás lacrimogéneo e a granadas atordoantes para dispersar as pessoas, tendo perseguido algumas delas pelas ruas. Existem relatos de que algumas foram até agredidas com bastões.

Ainda na mesma noite, e através do Twitter, o ministro do Interior, Gérald Darmanin, classificou as imagens do desmantelamento do acampamento como “chocantes” e pediu “um relatório detalhado” sobre os incidentes ao prefeito da polícia da capital francesa, Didier Lallement.

Segundo as agências internacionais, a polícia de Paris esclareceu que o acampamento foi desmantelado porque era ilegal e que “convidou” os migrantes a procurarem alojamento em locais disponibilizados pelo Estado ou por organizações de ajuda.

Esta manhã, as ministras da Cidadania e da Habitação francesas, Marlène Schiappa e Emmanuelle Wargon, respetivamente, defenderam um apoio “sem demora” para estes migrantes que estão novamente a vaguear nas ruas parisienses após o desmantelamento do acampamento improvisado.

“As duas ministras mobilizaram as administrações estaduais para que soluções de atendimento sejam encontradas sem demora para estas pessoas em situação de angústia”, indicou um comunicado assinado pelas duas representantes.

A atuação das forças policiais está a gerar críticas e a indignação de vários setores da sociedade, nomeadamente de partidos ecologistas e de esquerda, sindicatos e de associações que fornecem ajuda a migrantes, que denunciaram “imagens chocantes” e uma “deriva liberticida”.

“Repressão completamente desproporcionada”

“O que vimos foi repressão que infelizmente não é pouco comum mas foi completamente desproporcionada. Havia algum risco para os agentes da polícia? Não. Havia risco de danos à propriedade? Não”, afirmou Éric Coquerel, deputado do partido de esquerda França Insubmissa, em declarações ao canal FranceInfo, citado pelo jornal Público.

“O que houve foi repressão contra pessoas que só estão a pedir que os seus direitos humanos sejam respeitados, contra ativistas pacíficos, jornalistas e representantes eleitos sem discriminação”, disse ainda.

“O Estado oferece um espetáculo lamentável ao dar uma resposta policial a uma situação social. Pensar que resolvemos problemas sociais com cassetetes é de loucos. Pensar que isto se resolve com o assédio policial que vimos está noite é patético”, comentou, por sua vez, à agência France-Presse, Ian Brossat, do Partido Comunista.

Várias organizações estão hoje a trabalhar para tentar encontrar uma solução de alojamento temporário para estes migrantes, entre 200 e 300 pessoas. A maioria é oriunda do Afeganistão, da Somália e da Eritreia.

Segundo Corinne Torre, chefe da organização Médicos Sem Fronteiras em França, alguns destes migrantes tiveram o seu pedido de asilo rejeitado, enquanto outros estão num limbo burocrático enquanto tentam requerer o pedido de asilo.

Este acampamento improvisado foi montado no centro da capital francesa uma semana depois de a polícia ter desmantelado um grande acampamento de imigrantes em situação irregular erguido junto do Estádio de França, na zona norte de Paris, onde mais de duas mil pessoas se fixaram gradualmente desde agosto.

Os incidentes envolvendo a polícia parisiense surgem numa altura em que o Parlamento francês vai votar, previsivelmente esta terça-feira, um projeto-lei que visa expandir alguns poderes e fornecer uma maior proteção às forças policiais.

Por exemplo, prevê que a publicação de imagens de agentes policiais com a intenção de prejudicá-los passe a ser crime, uma medida que gerou fortes protestos por parte das organizações de defesa das liberdades civis e da liberdade de imprensa.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Quase 70% dos internados em UCI têm menos de 59 anos

Quase 70% dos doentes com covid-19 em unidades de cuidados intensivos (UCI) têm menos de 59 anos, revelou a Ordem dos Médicos, indicando que em enfermaria os doentes abaixo dessa faixa etária são cerca de …

Reunião no Infarmed. Especialistas propõem plano de quatro níveis (e a máscara cai no nível 2)

A sede da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), em Lisboa, voltou a acolher mais uma reunião de peritos esta terça-feira. Foi apresentada uma proposta de alteração da matriz de risco, assente em quatro níveis. Portugal não …

Mais de 11.300 suspeitas de reações adversas às vacinas registadas em Portugal

Mais de 11.300 suspeitas de reações adversas às vacinas contra a covid-19 foram registadas em Portugal e houve 68 casos de morte comunicados em idosos, mas não está demonstrada a relação causa-efeito, segundo o Infarmed. De …

Incêndios "sem precedentes" devastam Sardenha

Condições climatéricas adversas e severas, como altas temperaturas e ventos fortes, estiveram na origem dos incêndios florestais que se registaram em vários países do sul do continente europeu, como Itália, Espanha, França ou Grécia. A ilha …

Gabriel foi afastado do plantel e pode ser reforço de Rui Vitória

Jorge Jesus não conta com Gabriel para a próxima temporada e já colocou o médio a treinar à parte do plantel, acompanhado por um preparador físico. O Benfica está a trabalhar com o representante do jogador …

Governo quer reduzir para três o número de testemunhas em processos civis

O Governo quer reduzir para três o número máximo de testemunhas por cada facto que se queira ver provado em tribunal no âmbito de um processo, visando aumentar a celeridade e estabelecer um critério de …

Myanmar. Junta militar anula resultados das eleições de 2020

Militares entendem que a votação não foi "livre e justa". Anúncio da anulação das eleições de 2020 não foi acompanhado de uma data para a realização de um novo ato eleitoral — tal como seria …

Contas públicas agravam-se face a 2020. Receita fiscal volta a crescer

Ministério de João Leão atribui incumprimento à terceira vaga da economia, que significou novas restrições à circulação e nos horários dos estabelecimentos. A receita fiscal e contributiva cresceu, um sinal animador para uma recuperação económica …

Ugarte está a caminho de Alvalade, mas Amorim quer mais três reforços

O Sporting já terá garantido a contratação de Manuel Ugarte, mas Rúben Amorim ainda quer trazer mais um avançado, um extremo e um defesa-central. Depois de várias rondas de negociações, o Sporting finalmente chegou a acordo …

Marcelo começou a receber partidos. "Recuperação socioeconómica" é preocupação comum

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, começou a receber os partidos políticos com assento parlamentar esta segunda-feira. À saída do encontro com Marcelo Rebelo de Sousa, João Cotrim de Figueiredo disse que levou até …