Plantas extremamente resistentes sobreviveram 450 dias no vácuo do espaço

ESA

Plantas primitivas sobreviveram quase 2 anos no espaço

Plantas primitivas sobreviveram quase 2 anos no espaço

Numa experiência realizada na Estação Espacial Internacional, dois tipos diferentes de algas foram expostos às condições extremas do espaço – e sobreviveram por nada menos do que 450 dias.

A descoberta pode aprofundar a nossa compreensão da origem da vida Terra, e de como podemos ser capazes de nos sustentar durante uma possível colonização de Marte.

As algas foram submetidas a enormes flutuações de temperatura, um vácuo quase total e explosões de radiação cósmica durante 18 meses. Em todas as amostras, menos numa, cresceram novas populações quando voltaram à Terra.

As duas estirpes de algas usadas, uma da Noruega e outra da Antártida, juntam-se agora a uma lista muito restrita de organismos capazes de sobreviver às condições duras da órbita terrestre. Isso inclui algumas bactérias, fungos e tardígrados, ou ursos-de-água.

Plantas resistentes

Investigadores do Instituto Fraunhofer em Potsdam, na Alemanha, recolheram duas estirpes de algas conhecidas pelas suas tendências extremófilas, como a capacidade de suportar o frio e a desidratação.

Especificamente, os cientistas usaram as algas verdes Sphaerocystis, encontradas no arquipélago norueguês de Svalbard, e as algas azuis-esverdeadas Nostoc, nativas da Antártida.

Antes desta experiência, diversos investigadores tinham passado anos a estudar as estratégias de sobrevivência das algas criófilas, cianobactérias, musgos, fungos e bactérias encontrados nas regiões polares.

Já estava bem estabelecido que esses organismos podiam suportar condições extremas em laboratório, mas os investigadores não foram capazes de replicar as condições exactas encontradas no espaço. Era então chegada a hora de enviar estas plantas resistentes para a Estação Espacial Internacional.

As plantas foram ligeiramente desidratadas, como preparação para a sua viagem espacial. Em 23 de julho de 2014, foram transportadas para a EEI.

Durante os seus 450 dias em órbita, as plantas foram expostas a temperaturas entre os menos 20 graus Celsius durante a noite e os 47 graus Celsius durante o dia.

Além de não terem atmosfera de onde recolher dióxido de carbono e outros gases, as algas foram submetidas a explosões de radiação ultravioleta a níveis que matariam praticamente qualquer outra criatura na Terra.

Foram usados sensores para registar as mudanças de temperatura e as quantidades de radiação cósmica recebida.

Sucesso

Uma vez de volta à Terra, quase todas as amostras desenvolveram novas populações. Notavelmente, apenas um espécime não sobreviveu ao calvário.

O próximo passo dos cientistas é agora obter uma melhor compreensão das estratégias usadas pelas algas para sobreviver. Em particular, pretendem saber o grau em que estas plantas foram danificadas pela radiação do sol.

Essas informações poderiam ajudar nos esforços para proteger os astronautas de condições igualmente duras durante uma missão prolongada no espaço.

Para esse objectivo, os investigadores estão a planear fazer uma análise de DNA das plantas e usar técnicas espectroscópicas para identificar biomoléculas e outras substâncias responsáveis por estes efeitos de blindagem.

As descobertas também poderiam fornecer aos cientistas um vislumbre de como a vida primordial era quando as condições na Terra eram muito mais hostis do que são hoje.

Essas plantas e suas estratégias de sobrevivência notáveis também poderiam explicar por que alguns organismos são capazes de escapar a eventos de extinção em massa, como um impacto de asteróide ou mudanças climáticas.

Hipótese de Panspermia

Os achados também dão mais credibilidade à Hipótese de Panspermia – a ideia de que meteoros e cometas podem ter trazido organismos simples à Terra, dando assim início à evolução darwiniana.

A pesquisa mostra que certas plantas podem sobreviver à exposição prolongada ao espaço. Quanto a saber se esses seres vivos poderiam suportar ou não os extremos da reentrada atmosférica, é outra história.

Finalmente, o estudo tem implicações para aspirantes a viajantes espaciais que desejem, por exemplo, colonizar Marte – ou qualquer outro planeta longínquo.

A produção de alimentos no planeta seria essencial para a sobrevivência a longo prazo. As algas produzem oxigénio e proteínas, tornando-as uma boa fonte de alimento. Talvez algumas dessas variedades resistentes possam ser cultivadas em estufas especiais em solo marciano.

PARTILHAR

RESPONDER

Febre do lítio pede licença para chegar a Portugal

Com o potencial de ter as maiores reservas da Europa, a febre do lítio chegou a Portugal, onde se registaram duas dezenas de solicitações de prospecção este ano, embora as empresas mineiras continuem à espera …

Virgin Galactic abre as portas do primeiro aeroporto espacial do mundo

A empresa norte-americana Virgin Galactic, do bilionário Richard Branson, está a preparar o primeiro aeroporto espacial comercial do mundo, tendo revelado esta semana algumas das imagens daquelas que vão ser as instalações. O aeroporto, localizado …

A Internet está a regar esta planta há três anos

A comunidade online do Reddit tem tratado de uma planta durante três anos. Os utilizadores escolhem diariamente se a planta de ou não ser regada. Tudo começou com uma pequena brincadeira no Reddit, um dos maiores …

O pulmão de um chinês colapsou (e a culpa foi do karaoke)

O pulmão de um homem de 65 anos, na China, colapsou após ter tentado atingir uma nota alta durante uma intensa sessão de karaoke. O homem, residente em Nanchang, na província de Jiangxi, teria estado a …

"Emergência nacional". Deputados pedem a Boris que convoque imediatamente o Parlamento

Mais de 100 deputados britânicos pediram, numa carta divulgada este domingo, ao primeiro-ministro Boris Johnson para convocar imediatamente o Parlamento e voltar a debater o Brexit. As férias de verão do Parlamento terminam normalmente a 03 …

Rambo Luso. Há um português a viver na selva venezuelana há 25 anos

Há 25 anos que o português António Pestana Drumond realiza expedições às regiões de selva do Delta Amacuro e do Parque Nacional Canaima, leste da Venezuela, onde é conhecido pelos indígenas locais como o Rambo …

Já é possível saber se alguém está a mentir. Basta olhar nos olhos

Os olhos não mentem. Pelo menos é o que acham os investigadores da Universidade de Stirling, na Escócia, que criaram uma prova que diz se a pessoa está a mentir ou não com a monitorização …

A NASA detetou (e mediu) o primeiro choque interplanetário

A Multiscale Magnetospheric Mission (MMS) da agência espacial norte-americana conseguir fazer as primeiras medições de um choque interplanetário. Em comunicado, a NASA explica que os choques interplanetários são um tipo de choque sem colisão, no …

Quem ganhou a Segunda Guerra Mundial? Aliados e Eixo dizem que foram eles próprios

Em média, tanto os cidadãos de países dos Aliados como cidadãos de países do Eixo dizem que foram eles mesmos os vencedores da Segunda Guerra Mundial. Se perguntarmos a qualquer um dos poucos veteranos remanescentes da …

Norte-americano passou 30 anos na prisão por erro. Vai ser indemnizado em 10 milhões

Um norte-americano que há 30 anos foi erradamente condenado a 57 anos de prisão por violação e roubo vai agora receber uma indemnização de quase 10 milhões de dólares, avança o jornal New York Post. …