Plantas extremamente resistentes sobreviveram 450 dias no vácuo do espaço

ESA

Plantas primitivas sobreviveram quase 2 anos no espaço

Plantas primitivas sobreviveram quase 2 anos no espaço

Numa experiência realizada na Estação Espacial Internacional, dois tipos diferentes de algas foram expostos às condições extremas do espaço – e sobreviveram por nada menos do que 450 dias.

A descoberta pode aprofundar a nossa compreensão da origem da vida Terra, e de como podemos ser capazes de nos sustentar durante uma possível colonização de Marte.

As algas foram submetidas a enormes flutuações de temperatura, um vácuo quase total e explosões de radiação cósmica durante 18 meses. Em todas as amostras, menos numa, cresceram novas populações quando voltaram à Terra.

As duas estirpes de algas usadas, uma da Noruega e outra da Antártida, juntam-se agora a uma lista muito restrita de organismos capazes de sobreviver às condições duras da órbita terrestre. Isso inclui algumas bactérias, fungos e tardígrados, ou ursos-de-água.

Plantas resistentes

Investigadores do Instituto Fraunhofer em Potsdam, na Alemanha, recolheram duas estirpes de algas conhecidas pelas suas tendências extremófilas, como a capacidade de suportar o frio e a desidratação.

Especificamente, os cientistas usaram as algas verdes Sphaerocystis, encontradas no arquipélago norueguês de Svalbard, e as algas azuis-esverdeadas Nostoc, nativas da Antártida.

Antes desta experiência, diversos investigadores tinham passado anos a estudar as estratégias de sobrevivência das algas criófilas, cianobactérias, musgos, fungos e bactérias encontrados nas regiões polares.

Já estava bem estabelecido que esses organismos podiam suportar condições extremas em laboratório, mas os investigadores não foram capazes de replicar as condições exactas encontradas no espaço. Era então chegada a hora de enviar estas plantas resistentes para a Estação Espacial Internacional.

As plantas foram ligeiramente desidratadas, como preparação para a sua viagem espacial. Em 23 de julho de 2014, foram transportadas para a EEI.

Durante os seus 450 dias em órbita, as plantas foram expostas a temperaturas entre os menos 20 graus Celsius durante a noite e os 47 graus Celsius durante o dia.

Além de não terem atmosfera de onde recolher dióxido de carbono e outros gases, as algas foram submetidas a explosões de radiação ultravioleta a níveis que matariam praticamente qualquer outra criatura na Terra.

Foram usados sensores para registar as mudanças de temperatura e as quantidades de radiação cósmica recebida.

Sucesso

Uma vez de volta à Terra, quase todas as amostras desenvolveram novas populações. Notavelmente, apenas um espécime não sobreviveu ao calvário.

O próximo passo dos cientistas é agora obter uma melhor compreensão das estratégias usadas pelas algas para sobreviver. Em particular, pretendem saber o grau em que estas plantas foram danificadas pela radiação do sol.

Essas informações poderiam ajudar nos esforços para proteger os astronautas de condições igualmente duras durante uma missão prolongada no espaço.

Para esse objectivo, os investigadores estão a planear fazer uma análise de DNA das plantas e usar técnicas espectroscópicas para identificar biomoléculas e outras substâncias responsáveis por estes efeitos de blindagem.

As descobertas também poderiam fornecer aos cientistas um vislumbre de como a vida primordial era quando as condições na Terra eram muito mais hostis do que são hoje.

Essas plantas e suas estratégias de sobrevivência notáveis também poderiam explicar por que alguns organismos são capazes de escapar a eventos de extinção em massa, como um impacto de asteróide ou mudanças climáticas.

Hipótese de Panspermia

Os achados também dão mais credibilidade à Hipótese de Panspermia – a ideia de que meteoros e cometas podem ter trazido organismos simples à Terra, dando assim início à evolução darwiniana.

A pesquisa mostra que certas plantas podem sobreviver à exposição prolongada ao espaço. Quanto a saber se esses seres vivos poderiam suportar ou não os extremos da reentrada atmosférica, é outra história.

Finalmente, o estudo tem implicações para aspirantes a viajantes espaciais que desejem, por exemplo, colonizar Marte – ou qualquer outro planeta longínquo.

A produção de alimentos no planeta seria essencial para a sobrevivência a longo prazo. As algas produzem oxigénio e proteínas, tornando-as uma boa fonte de alimento. Talvez algumas dessas variedades resistentes possam ser cultivadas em estufas especiais em solo marciano.

PARTILHAR

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …