Astrofísicos têm um plano para caçar a antiga estrela morta que originou o Sistema Solar

National Institutes of Natural Sciences

Imagem ilustrativa do novo método proposto pelos cientistas

Investigadores propuseram um novo método para investigar o funcionamento interno das explosões das supernovas. O novo método recorre à análise de meteoritos e é o único que pode determinar o contributo dos anti-neutrinos de eletrões – partículas enigmáticas que não podem ser rastreadas de outra forma.

Há 4,5 mil milhões de anos, uma enorme estrela expeliu as suas entranhas para o espaço. Naquele enorme momento energético, a chamada supernova de colapso do núcleo estelar formou uma nuvem de detritos de novos átomos, criados no calor da explosão.

Passado muito tempo, a nuvem acabou por se contrair atraída pela sua própria gravidade, dando origem a uma estrela – o nosso sol – cercada por pedaços de rocha e gás que deram origem aos planetas e a outros corpos em órbita. Muito depois, chegamos nós.

Basicamente, esta é a história da génese do nosso Sistema Solar. Há décadas que os cientistas analisam supernovas no entanto, ainda restam muitas dúvidas relativamente ao que realmente acontece numa explosão estelar. As supernovas são fenómenos que, para além de intensamente brilhantes, são fundamentais na evolução das estrelas e galáxias, mas os detalhes em que estas explosões ocorrem não são totalmente conhecidos.

Num novo artigo, publicado nesta terça-feira na Physical Review Letters, um grupo de cientistas propõe um novo método para responder a estas dúvidas.

Quando a estrela “velha” explodiu, uma partícula rara, a versão “fantasma” da antimatéria do neutrino – apelidada de “anti-neutrino do eletrão” – explodiu e bateu na matéria circundante da supernova. Estas colisões produziram um isótopo do tecnécio (elemento químico com número atómico 43) chamado de 98Tc. 

E, se os investigadores forem capazes de determinar qual a quantidade de 98Tc que foi produzida e o que lhe aconteceu, seriam também capazes de descrever a explosão da morte da estrela de forma muito mais detalhada.

A grande dificuldade relativamente ao isótopo é que, logo depois de ser criado, decai num isótopo de rutênio (elemento químico com número atómico 44), chamado de 98Ru.

No entanto, os investigadores acreditam e propõem no seu artigo que os vestígio do 98Tc podem ser relativamente fáceis de identificar e medir a partir de meteoros que, por vezes, caem na Terra – já que essas rochas estão praticamente intocadas desde o nascimento do Sistema Solar.

Os cientistas calcularam ainda que os anti-neutrinos dos eletrões da supernova que originou o Sistema Solar podem apenas ter produzido o suficiente do isótopo 98Tc, de forma a que os produtos do seu decaimento pudessem ser detetados em meteoros mesmo depois de milhões e milhões de anos.

Sinteticamente, a pesquisa, liderada por Takehito Hayakawa, encontrou um método para investigar o papel dos neutrinos de eletrões em supernovas. Desta forma, medindo a quantidade de 98Ru presente em meteoritos, pode ser possível estimar que quantidade do seu “progenitor”, o 98Tc, estava presente no material que deu origem ao Sistema Solar.

Na última fase da sua vida, uma estrela massiva morre numa explosão conhecida como supernova. Esta explosão explode a maior parte da massa da estrela para o espaço exterior. Massa este que é depois reciclada em novas estrelas e planetas, deixando assinaturas químicas distintas que dão evidências aos cientistas sobre a supernova.

Os meteoritos – por vezes apelidados de estrelas cadentes – são formados a partir de material que sobrou do nascimento do Sistema Solar, preservando assim as assinaturas químicas originais.

Com paciência e uma medição cuidadosa, escreveram os investigadores, é possível medir com precisão estes traços. E com uma medição precisa, sublinham, pode ser possível desvendar os segredos da enorme explosão que deu origem ao nosso Sistema sola e a (quase) todos os átomos que compõem o nosso corpo.

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. No inicio do artigo: “Há mil milhões de anos, uma enorme estrela … dando origem a uma estrela – o nosso sol …”
    No entanto, a idade estimada para o nosso sistema solar é de 4.5 mil milhões de anos.
    O artigo original diz “Billions of years ago, …”
    ZAP, vejam lá isso.

  2. Bastante fácil de explicar a origem do nosso sistema solar, surgiu “assim” sem mais nem menos, as pedras lembraram-se e foram-se juntando umas ás outras, muito engraçado e aquilo que gera o campo magnético do planeta, também foi obra do acaso, a atmosfera é tudo obra do acaso, é preciso ter mesmo muita sorte, em quantos euro-milhões teria sido preciso este planeta acertar para tudo ter esta perfeição, uns milhões deles, suponho eu.

  3. A massa remanescente da supernova que deu origem ao nosso sistema solar, deve existir sob a forma de uma estrela de neutrões ou buraco negro algures no espaço.

Telmo Correia critica abstenção do CDS na votação do estado de emergência

O líder parlamentar do CDS-PP criticou a direção do partido por ter optado, na última sexta-feira, pela abstenção na votação do quinto estado de emergência. Mais um sinal de divergência entre a direção e o grupo …

Governo brasileiro deixou de aplicar grande parte das verbas públicas para combater covid-19

O Governo brasileiro deixou de executar grande parte das verbas públicas disponibilizadas para programas destinados a conter os efeitos da pandemia da covid-19, estando em causa vários milhões de reais. Segundo revelou o Folha de São …

Meghan Markle revela que passou por aborto espontâneo. "Perder um filho é uma dor quase insuportável"

Meghan Markle revelou que teve um aborto espontâneo em julho, contando a sua experiência traumática na esperança de ajudar outras pessoas. A Duquesa de Sussex descreveu o aborto num artigo de opinião publicado hoje no jornal …

FC Porto e Sporting com duelos de "primeira" na Taça, Benfica à espera

O sorteio realizado, esta quarta-feira, deu a conhecer os adversários do FC Porto e do Sporting na quarta eliminatória da Taça de Portugal. Benfica ainda aguarda o resultado da partida entre Vilafranquense e Sanjoanense. O FC …

Von der Leyen lembra Hungria e Polónia que milhões de europeus estão à espera

A presidente da Comissão Europeia deplorou, esta quarta-feira, o impasse na aprovação do Orçamento Plurianual e do Fundo de Recuperação, apontando que os líderes devem uma resposta urgente a milhões de cidadãos europeus angustiados, incluindo …

Lista da Bloomberg ordena os 50 países que respondem melhor à pandemia. Portugal fora dos 30 primeiros

O Ranking da Bloomberg avalia dez critérios que dizem respeito à forma como os países dominaram a pandemia. Portugal aparece sensivelmente a meio, melhor no acesso à saúde, pior no fator económico. A Bloomberg, grupo de …

Altice Portugal corta relações institucionais com a Anacom

A Altice Portugal anunciou, esta quarta-feira, que decidiu suspender "qualquer relacionamento institucional" com a Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom). "No atual contexto, em que toda a economia nacional e seus agentes se sentem já esclarecidos e …

Ana Gomes espera que Marcelo pare de alimentar "tabu" sobre uma recandidatura

A candidata presidencial Ana Gomes disse nesta quarta-feira esperar que o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, não continue a alimentar o "tabu" sobre uma recandidatura, "até para não se valer do cargo" …

Bloco de Esquerda vai votar contra o Orçamento do Estado

O Bloco de Esquerda vai votar contra a proposta do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), que vai ser votada, na Assembleia da República, esta quinta-feira. De acordo com o jornal Público, a decisão ainda vai …

Agência europeia de aviação prepara-se para autorizar regresso do Boeing 737 MAX

A Agência Europeia para Segurança da Aviação (EASA) manifestou hoje intenção de aprovar o regresso da aeronave Boeing 737 MAX aos céus da União Europeia (UE), mas apenas se forem cumpridos requisitos técnicos e de …