Placas tectónicas recém-descobertas podem explicar terremotos misteriosos no Pacífico

CNES

A nova camada de placas tectónicas foi descoberta abaixo de Tonga, no Pacífico

A nova camada de placas tectónicas foi descoberta abaixo de Tonga, no Pacífico

Dentro do manto terrestre, uma imensa camada rochosa que fica entre a crosta e o núcleo da Terra, há uma nova camada de placas tectónicas, diz um novo estudo da Universidade de Houston, no Texas.

E essa descoberta, dizem os autores da investigação apresentada nesta semana numa conferência no Japão, pode explicar uma série de terramotos misteriosos ocorridos no Pacífico entre 1946 e 1996.

Graças a uma técnica de mapeamento 3D, o geólogo Jonny Wu e sua equipa descobriram essa camada de placas submetidas a um processo de subduccção, através do qual a borda de uma placa desliza sob a borda da outra, há milhões de anos.

“Basicamente, 90% da atividade sísmica superprofunda, a mais de 500 km de profundidade, ocorre na área de Tonga, que é onde nós encontramos este novo bloco”, disse Jonny Wu.

Comportamento parecido

Sabe-se, há mais de meio século, que os continentes deslizam sobre a superfície do planeta e, como parte desse processo, o fundo do oceano abre-se e deixa escapar magma do manto. Mas também pode ocorrer o oposto: as placas colidem e causam tremores de terra, cadeias montanhosas e vulcões.

Quando convergem, as placas afundam-se no manto, dando lugar ao que é chamado de subduccção – quando a borda de uma fica abaixo da borda outra. Isso faz com que uma das duas placas seja empurrada em direção ao manto, onde continua a afundar até o núcleo da terra.

domdomegg / Wikimedia

Durante um processo de subducção, a borda de uma placa é inserida sob a borda da outra

Durante um processo de subducção, a borda de uma placa é inserida sob a borda da outra

As placas descobertas por Wu foram submetidas a um processo de subducção há 50 ou 60 milhões de anos, e agora são mantidas a uma profundidade de entre 440 e 660 quilómetros, na chamada zona de transição.

No entanto, em vez de afundarem até o núcleo, comportam-se de forma muito semelhante à das placas tectónicas da superfície: movem-se milhares de quilómetros horizontalmente, a uma velocidade semelhante. E a energia libertada pela colisão também pode gerar terramotos.

Mistério resolvido

De acordo com os cientistas, o movimento dessas placas pode explicar os misteriosos tremores de terra conhecidos como os terramotos de Vityaz, que se originaram no manto entre as ilhas Fiji e a Austrália.

Esses sismos, diz Wu, podem ser o resultado do deslizamento de uma placa que sofreu uma subducção dentro da zona de transição. No entanto, o cientista explica que os resultados da investigação são preliminares e ainda têm de ser submetidos a uma análise crítica de outros cientistas.

ZAP // BBC

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …

Uma casa esteve a afundar-se no Tamisa para alertar para a subida do nível dos oceanos

No passado domingo, quem passou junto ao rio Tamisa, em Londres, não deverá ter ficado indiferente à típica casa dos subúrbios ingleses que se afundava perto da Tower Bridge. Felizmente, de acordo com a agência Reuters, …

A defesa de Lage é a melhor do Benfica em quase 30 anos

A defesa de Bruno Lage leva apenas quatro golos sofridos em 11 jornadas, o que faz dela a melhor defesa do campeonato e a melhor do Benfica desde a temporada de 1990/1991, escreve o jornal …

OE2020. “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O PCP vai reunir esta quarta-feira com o Governo com vista ao Orçamento de Estado para 2020. Jerónimo de Sousa esclareceu esta terça-feira que os comunistas não vão para negociar, sendo "manifestamente exagerado dizer que …

Benjamin "morreu" enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes. Em 1996, …

“Máfia do Sangue”. Ministério Público deixa Octapharma fora da acusação

O Ministério Público (MP) deixou a farmacêutica Octapharma fora da acusação da operação "O Negativo" por considerar que o ex-administrador Lalanda e Castro montou um esquema de corrupção para a venda de plasma ao Serviço …

Rio Nilo tem 30 milhões de anos. É seis vezes mais antigo do que se pensava

Um grupo de cientistas estudou diferentes sedimentos do rio, incluindo as rochas vulcânicas da região planáltica da Etiópia, e fez simulações computacionais para traçar a vida do rio até ao passado mais longínquo, contabilizou agora …