Placas tectónicas recém-descobertas podem explicar terremotos misteriosos no Pacífico

CNES

A nova camada de placas tectónicas foi descoberta abaixo de Tonga, no Pacífico

A nova camada de placas tectónicas foi descoberta abaixo de Tonga, no Pacífico

Dentro do manto terrestre, uma imensa camada rochosa que fica entre a crosta e o núcleo da Terra, há uma nova camada de placas tectónicas, diz um novo estudo da Universidade de Houston, no Texas.

E essa descoberta, dizem os autores da investigação apresentada nesta semana numa conferência no Japão, pode explicar uma série de terramotos misteriosos ocorridos no Pacífico entre 1946 e 1996.

Graças a uma técnica de mapeamento 3D, o geólogo Jonny Wu e sua equipa descobriram essa camada de placas submetidas a um processo de subduccção, através do qual a borda de uma placa desliza sob a borda da outra, há milhões de anos.

“Basicamente, 90% da atividade sísmica superprofunda, a mais de 500 km de profundidade, ocorre na área de Tonga, que é onde nós encontramos este novo bloco”, disse Jonny Wu.

Comportamento parecido

Sabe-se, há mais de meio século, que os continentes deslizam sobre a superfície do planeta e, como parte desse processo, o fundo do oceano abre-se e deixa escapar magma do manto. Mas também pode ocorrer o oposto: as placas colidem e causam tremores de terra, cadeias montanhosas e vulcões.

Quando convergem, as placas afundam-se no manto, dando lugar ao que é chamado de subduccção – quando a borda de uma fica abaixo da borda outra. Isso faz com que uma das duas placas seja empurrada em direção ao manto, onde continua a afundar até o núcleo da terra.

domdomegg / Wikimedia

Durante um processo de subducção, a borda de uma placa é inserida sob a borda da outra

Durante um processo de subducção, a borda de uma placa é inserida sob a borda da outra

As placas descobertas por Wu foram submetidas a um processo de subducção há 50 ou 60 milhões de anos, e agora são mantidas a uma profundidade de entre 440 e 660 quilómetros, na chamada zona de transição.

No entanto, em vez de afundarem até o núcleo, comportam-se de forma muito semelhante à das placas tectónicas da superfície: movem-se milhares de quilómetros horizontalmente, a uma velocidade semelhante. E a energia libertada pela colisão também pode gerar terramotos.

Mistério resolvido

De acordo com os cientistas, o movimento dessas placas pode explicar os misteriosos tremores de terra conhecidos como os terramotos de Vityaz, que se originaram no manto entre as ilhas Fiji e a Austrália.

Esses sismos, diz Wu, podem ser o resultado do deslizamento de uma placa que sofreu uma subducção dentro da zona de transição. No entanto, o cientista explica que os resultados da investigação são preliminares e ainda têm de ser submetidos a uma análise crítica de outros cientistas.

ZAP // BBC

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Físicos produziram o campo magnético mais forte e controlável de sempre

Um grupo de cientistas do Instituto de Física do Estado Sólido da Universidade de Tóquio, no Japão, produziu o campo magnético mais forte e controlável já criado em ambientes fechados - é um macro para …

"Impossível" puzzle químico do ouro foi finalmente resolvido

Uma equipa de cientistas russos e alemães conseguiu decifrar o segredo da estabilidade da estrutura cristalina do calaverita (AuTe2) - um raro mineral metálico também conhecido como telúrio de ouro. A descoberta, publicada nesta terça-feira na …

Há caranguejos mutantes e zangados a invadir a costa dos EUA (e são verdes)

Uma espécie agressiva de caranguejo verde está a invadir as águas do estado norte-americano de Maine, deixando um rasto de destruição nos habitats e ecossistemas aquáticos. Os caranguejos (Carcinus maenas) ameaçam várias espécies, como mexilhões azuis, …

Porsche quer ser a primeira fabricante alemã a deixar o diesel

A Porsche quer tornar-se a primeira fabricante automobilística alemã a deixar o diesel, apostando em motores a gasolina, híbridos e, a partir de 2019, em veículos elétricos, anunciou este domingo o presidente executivo da empresa. "Agora …

Viver nas cidades aumenta risco de demência (e a culpa é da poluição)

Viver na cidade influencia a nossa saúde. Segundo um estudo recente, a poluição do ar pode aumentar em 40% o risco de desenvolver demência. O impacto da poluição do ar na nossa saúde já era conhecido, …

Finalmente resolvido o mistério do assassino de gatos em Londres

Um dos mistérios criminais que intrigava a Inglaterra está finalmente resolvido. A conclusão é que, afinal, o famoso assassino de gatos de Croydon não existe. O mistério à volta da morte de mais de 400 gatos …

Benfica - Aves | Triunfo de águia exuberante e perdulária

O Benfica respondeu ao triunfo do FC Porto no sábado com uma vitória caseira sobre o Desportivo das Aves, por 2-0. O resultado pode indicar algumas dificuldades por parte da formação “encarnada”, mas pode-se dizer, sem …

Aquecimento global no Pleistoceno elevou nível do mar até 13 metros

O aquecimento global no final do período do Pleistoceno, com temperaturas similares às previstas para este século, reduziu a camada de gelo da Antártida oriental e elevou o nível do mar até 13 metros acima …

Autor dos mais famosos estudos sobre comida viu 13 artigos retirados

O famoso investigador norte-americano está envolvido numa polémica, depois de 13 dos seus estudos científicos terem sido retirados de algumas publicações. É provável que nunca tenha ouvido falar de Brian Wansink mas, tal como recorda o …

NASA observa movimentos tectónicos recentes em Marte

A sonda Mars Express da NASA observou fissuras proeminentes em Marte causadas devido à ação de falhas tectónicas que atingiram a superfície do planeta há menos de dez milhões de anos. As imagens foram capturadas …