/

Placa tectónica gigante debaixo do Oceano Índico está a partir-se em duas

A gigantesca placa tectónica sob o Oceano Índico, chamada Índia-Austrália-Capricórnio, está a partir-se e ficará dividida em duas partes, segundo um novo estudo.

A placa está a partir-se cerca de 1,7 milímetros por ano – ou seja, num milhão de anos, as duas peças da placa ficarão cerca de 1,7 quilómetros mais distantes do que estão agora.

“Não é uma estrutura que se está a mover rapidamente, mas ainda é significativa em comparação com outras fronteiras do planeta”, disse Aurélie Coudurier-Curveur, investigadora sénior de geociências marinhas no Institute of Earth Physics of Paris, em declarações ao LiveScience.

A falha do Mar Morto no Médio Oriente está a mover-se aproximadamente o dobro dessa taxa – 0,4 centímetros por ano -, enquanto a falha de San Andreas, na Califórnia, se move 10 vezes mais rápido (1,8 centímetros por ano).

A placa está a partir-se tão lentamente e está tão submersa que os investigadores quase perderam o que chamam de “limite de placa nascente”. Porém, duas pistas enormes – dois terramotos fortes com origem num local estranho no Oceano Índico – sugeriram que as forças de mudança da Terra estavam em andamento.

Em 11 de abril de 2012, um terramoto de magnitude 8,6 e magnitude 8,2 ocorreu no Oceano Índico, perto da Indonésia. Os sismos não ocorreram ao longo de uma zona de subducção, onde uma placa tectónica desliza sob a outra. Em vez disso, os terramotos originaram-se num lugar estranho: no meio da placa.

Esses terramotos, assim como outras pistas geológicas, indicaram que algum tipo de deformação estava a ocorrer no subsolo, numa área conhecida como Bacia de Wharton.

Essa deformação não é totalmente inesperada. A placa Índia-Austrália-Capricórnio não é uma unidade coesa. “Não é uma placa uniforme. Existem três placas que estão mais ou menos amarradas e estão a mover-se juntas na mesma direção”, explicou Coudurier-Curveur.

A equipa analisou uma zona de fratura específica na Bacia de Wharton, onde os terramotos surgiram. Dois conjuntos de dados nessa área, colhidos por outros cientistas em 2015 e 2016, revelaram a topografia da zona de fratura. Ao registar quanto tempo as ondas sonoras demoravam a voltar do fundo do mar e da rocha, os cientistas da embarcação conseguiram mapear a geografia da bacia.

Quando Coudurier-Curveur e os colegas examinaram os dois conjuntos de dados, encontraram evidências de aparatos de tração, que são depressões que se formam devido a falhas de deslizamento.

A falha mais famosa é, provavelmente, a falha de San Andreas. Esse tipo de falhas causam sismos quando dois blocos da Terra deslizam um após o outro horizontalmente.

A equipa encontrou 62 dessas bacias separáveis ​​ao longo da zona de fratura mapeada, que media quase 350 quilómetros de comprimento, embora provavelmente seja mais longa. Algumas dessas bacias eram enormes – com até três quilómetros de largura e oito quilómetros de comprimento. As depressões eram mais profundas no sul – 120 metros – e mais rasas no norte – cinco metros.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Isto pode significar que a falha está mais localizada na sua fronteira sul“, pelo menos por enquanto, disse Coudurier-Curveur. O termo “localizado” significa que o tremor está a ocorrer numa falha principal.

Estas bacias, que começaram a formar-se há cerca de 2,3 milhões de anos, seguiram uma linha que passou perto dos epicentros dos terramotos de 2012.

A zona de fratura, uma fraqueza na crosta oceânica, não se formou por causa dos terramotos. As chamadas fendas passivas formaram-se, em parte, quando uma nova crosta oceânica emergiu da cordilheira do meio do oceano (a fronteira entre as placas onde o magma sai) e rachou devido à curvatura da Terra.

Como diferentes partes da Índia-Austrália-Capricórnio estão a mover-se a velocidades diferentes, a zona de fratura, que era uma fenda passiva, está a tornar-se o novo limite para a placa dividida em duas partes.

No entanto, como a divisão Índia-Austrália-Capricórnio está a ocorrer tão lentamente, outro forte terramoto ao longo dessa falha provavelmente não ocorrerá nos próximos 20 mil anos. Além disso, demorará dezenas de milhões de anos até a divisão ficar completamente concluída.

Este estudo foi publicado em março na revista científica Geophysical Research Letters.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.