/

Cientistas confirmam: A pena mais antiga já conhecida pertence ao Archaeopteryx

(dr) Museum für Naturkunde

Afinal, esta pena pertence, ou não, ao Archaeopteryx lithographica?

O fóssil mais antigo de uma pena já conhecido está preso ao solo há cerca de 150 milhões de anos. Desde que foi descoberto, há mais de um século e meio, quase tudo o que sabe mantém-se envolto em incertezas.

De acordo com o site Science Alert, os cientistas têm tentado perceber a que dinossauro do Jurássico Superior pertence esta pena, e o debate atingiu o seu ponto alto no ano passado, quando uma equipa de investigadores argumentou que o fóssil não pertencia ao Archaeopteryx lithographica – conhecido como “primeiro pássaro” –, mas a uma espécie desconhecida completamente diferente.

Mas outros especialistas não têm tanta certeza disso. Um novo estudo, publicado, a 30 de setembro, na revista científica Scientific Reports, afirma que esta pena tem, realmente, o formato das penas primárias do Archaeopteryx e, além disso, recorda, foi encontrada no mesmo local onde estavam quatro esqueletos desta espécie.

Estudos anteriores também previram que a pena era provavelmente preta. A reanálise do padrão de pigmentos capturados pelo fóssil reforçou essas interpretações, observando ainda que era improvável que fosse uma tonalidade muito iridescente ou brilhante.

Segundo o mesmo site, outra das partes mais controversas deste fóssil é a perda da sua linha central, que se dissolveu desde a sua descoberta. No estudo de 2019, os autores argumentaram que a curvatura da pena era muito dura para um Archaeopteryx.

A nova pesquisa, porém, defende que a curva das penas é altamente variável entre as espécies, especialmente na asa superior. Além disso, defende que a curva em “c” elaborada pelos outros investigadores está incorreta.

É incerto quando é que o debate sobre esta pena vai acabar. Apesar das novas refutações, Michael Pittman, um dos autores do estudo de 2019, mantém a confiança nas suas descobertas, em declarações ao New York Times.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.