Pele derivada de cogumelos pode ser a solução sustentável que a indústria da moda procura

Bolt Threads Inc. (Emeryville, United States) (b,d)

Já conta com sete milénios de existência, mas a pele continua a ser um dos materiais naturais mais duráveis ​​e versáteis para produzir artigos de moda. No entanto, alguns consumidores questionam a sua utilização devido aos problemas que traz a nível a ambiental e por ser proveniente de animais. Mas uma solução mais sustentável pode estar a chegar.

industr

  • 10 Setembro, 2020 Pele derivada de cogumelos pode ser a solução sustentável que a indústria da moda procura

As alternativas à pele verdadeira, proveniente de animais, são produzidas a partir de polímeros sintéticos e têm um impacto menor em termos de sustentabilidade ambiental, por isso têm feito bastante sucesso no mercado – avança o The Conversation.

Contudo, esses materiais também enfrentam alguns problemas que podem trazer consequências ambientais. Por isso, o mercado de produção de bens de moda começou a procurar outras soluções. Pode parecer estranho mas umas das ideias é utilizar fungos para substituir a pele.

Uma pesquisa feita por uma equipa de investigadores –  publicada na segunda feira – na Nature Sustainability, investigou esta ideia, tendo em conta os processos de fabricação, os custos associados, a sustentabilidade, e as propriedades dos materiais substitutos da pele.

 

MycoTech (Bandung, Indonesia) (a,c) and Bolt Threads Inc. (Emeryville, United States) (b,d).

E se a solução passar por um cogumelo?

Os produtos de pele derivados de fungos foram patenteados pela primeira vez, pelas empresas americanas MycoWorks e Ecovative Design, há cerca de cinco anos. Esses produtos aproveitam a estrutura semelhante a uma raiz de cogumelo, chamada micélio, que contém o mesmo polímero encontrado nas cascas de caranguejos.

Quando as raízes dos cogumelos são cultivadas podem formar um tapete espesso que pode ser tratado e ficar muito parecido com a pele animal. Como são as raízes, e não os cogumelos que são usados, este processo biológico pode ser realizado em qualquer lugar. Não requer luz, converte os resíduos em materiais úteis e armazena carbono ao acumulá-lo no fungo em crescimento – explicam os investigadores.

Passar de uma raiz de cogumelo para um produto transformado em “pele de fungo” pode demorar algumas semanas, mas ainda assim é muito menos tempo do que os anos que são necessários para criar uma vaca. Ácidos leves, álcool, e corantes são normalmente usados para modificar o material fúngico, que é então comprimido, seco e gofrado.

O estudo explica que o processo é simples e pode ser feito por artesãos. Também pode ser desenvolvido industrialmente para uma produção em massa. O produto final é idêntico à pele animal e tem uma durabilidade semelhante.

Apesar desta tecnologia já estar a ser desenvolvida há alguns de anos, ainda há pouca informação sobre como tudo funciona. Mesmo sendo um material biodegradável e de fabricação de baixo consumo de energia, de acordo com os cientistas, este produto não será suficiente para resolver a crise de sustentabilidade que a Terra enfrenta.

Espera-se que produtos comerciais feitos em pele derivada de fungos estejam à venda em breve. O ano passado nos EUA, já foram lançados protótipos de produtos como relógios, malas e sapatos.

Embora esses produtos fossem um pouco caros – uma mala de marca estava a ser avaliada em 500 dólares (cerca de 422 euros) – as estimativas de custos de fabricação indicam que o material poderia tornar-se economicamente competitivo com a pele tradicional, caso fosse produzido em grande escala.

Portanto, da próxima vez que passar pelos cogumelos no supermercado, lembre-se que em breve pode passar a vê-los no seu guarda-roupa.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Prosecco ou prošek? A batalha da UE entre Itália e Croácia por causa de vinho

Prosecco é provavelmente o vinho italiano mais famoso, mas por trás da efervescência deste néctar, a Itália está numa grande disputa sobre se a Croácia pode vender um vinho de sobremesa com o nome de …

China vai limitar abortos. E nada tem a ver com saúde

A China vai reduzir o número de abortos realizados por motivos que não estejam relacionados com a saúde, anunciou o governo esta segunda-feira, avançando que serão também criadas medidas para evitar a gravidez indesejada. As autoridades …

Crónica ZAP - Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: SL7, arte e paciência

Líder soma e segue. Leões e dragões vencem à justa. As frases e os números da semana. Visto da Linha de Fundo. Líder reina no castelo Vitória SC 1 (Bruno Duarte 78', g.p.) – SL Benfica …

"Atropelamento e fuga." Terra e Vénus cresceram como planetas rebeldes

Planetas como a Terra e Vénus, que residem dentro de Sistemas Solares, são fruto de repetidas colisões. Esta conclusão desafia os modelos convencionais sobre a formação de planetas. Investigadores do Laboratório Lunar e Planetário (LPL) da …

A origem do "Gigante de Segorbe" pode finalmente ter sido esclarecida

Um novo estudo revela que a origem do "Gigante de Segorbe" pode ser bastante mais complexa daquilo que se pensava. O "Gigante de Segorbe", como é conhecido, foi um indivíduo encontrado por arqueólogos numa necrópole islâmica …

Instagram suspende planos de uma versão da aplicação para crianças

Para já, a empresa ainda não fez se se trata de um abandono temporário ou definitivo. Tempestade mediática em torno da influência das redes sociais na saúde mental dos jovens, sobretudo raparigas, pode ter influenciado …

Com todos os votos contados, PS vence com pior resultado que em 2013 e PSD conquista 113 câmaras

PS continua a ser o partido com mais representação autárquica em Portugal, apesar de cair para números anteriores à liderança de António Costa. PSD recupera das hecatombes de 2013 e 2017. Quase 24 horas depois após …

Presidente sul-coreano admite proibir consumo de carne de cão

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, admitiu, esta segunda-feira, a possibilidade de proibir o consumo de carne de cão, costume que se tornou "uma vergonha internacional", segundo fonte do seu gabinete. "Não terá chegado …

Pelo menos 24 países criaram novas leis para controlar o conteúdo na Internet, revela relatório

Autoridades de pelo menos 24 países, incluindo os Estados Unidos (EUA), estabeleceram novas regras que determinam o tratamento dos conteúdos por parte das plataformas 'online', concluiu um relatório da Freedom House. No seu relatório anual, intitulado …

Exames nacionais e provas de aferição deverão “retomar a normalidade” este ano

Depois de dois anos letivos condicionados pela pandemia da covid-19, o Governo está apostado em retomar, entre outras formas de avaliação, a obrigatoriedade de exames nacionais nas disciplinas de conclusão do ensino secundário. Os exames nacionais …