Pela segunda vez, cientistas emitem poderoso aviso à humanidade

Há 25 anos, 1.700 cientistas de todo o mundo colocaram os seus nomes num documento que alertava para o “curso de colisão” entre a humanidade e o resto do mundo natural.

No ano passado, um segundo relatório de acompanhamento foi assinado por mais de 15 mil investigadores de 184 países.

Embora a reação tenha aumentado consideravelmente em tamanho – o artigo atualmente ocupa o 6º lugar entre 9 milhões de artigos na Altmetric Attention Score, e até inspirou discursos de alto nível na assembleia nacional de Israel e na assembleia legislativa de British Columbia, no Canadá -, praticamente nada foi feito desde o primeiro alerta.

Em 1992, um grupo de vencedores do Prémio Nobel juntou-se com outros cientistas para formar a “União dos Cientistas Preocupados”, uma instituição cujo lema era “ciência para um planeta saudável e um mundo mais seguro”.

Esta união delineou as maiores ameaças ambientais enfrentadas pela nossa população num relatório intitulado “World Scientists’ Warning to Humanity” (“Alerta de Cientistas Mundiais para a Humanidade”), que terminava com um apelo de ação.

O que aconteceu no quarto de século desde então? Não muito. O relatório de 1992 foi seguido em novembro do ano passado por um segundo artigo publicado na revista Bioscience intitulado “World scientists’ warning to humanity: A second notice”, o “segundo aviso”.

Ao que parece, ganhamos uma estrelinha dourada por ter cuidado da fina camada de ozono sobre a Antártica, e só. Logo, é hora de um novo alerta.

Meses após a sua divulgação, o artigo continua a ser altamente comentado e já foi co-assinado por um recorde de 15.364 nomes advindos de 184 países.

“O alerta dos nossos cientistas para a humanidade atingiu claramente a comunidade científica global e o público”, disse o principal autor do artigo, William Ripple, da Universidade Estadual do Oregon, nos EUA.

Os investigadores propõem duas ações-chave necessárias para que possamos mudar as coisas. Em primeiro lugar, devemos reconhecer os limites da biosfera e outros fatores ambientais premiando trabalhos económicos relevantes. Em segundo lugar, devemos expandir a aplicação de leis para controlar o carbono para um sistema globalizado.

A economia é claramente um fator crítico no nosso impacto no meio ambiente, e qualquer ação que tomamos deve ter em consideração as motivações por trás do tal “curso de colisão”.

O segundo aviso termina com uma chamada igualmente poderosa por ação: “Devemos reconhecer, no nosso dia a dia e nas nossas instituições governantes, que a Terra com toda a sua vida é a nossa única casa“, escreveram os autores.

Uma coisa é certa: se continuarmos de braços cruzados, pode não haver tempo para um terceiro aviso em 2042.

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Tanta histeria e tanta mobilização com preciosismos insignificantes de meetoos e times up, quando em relação a coisas realmente imprtantes ninguém se mexe.

  2. Tudo muito giro, muito engraçado, mas, o ser humano só aprende à paulada. Dito isto, esperem pela pancada que vai ser forte e doer por muito tempo… sempre foi assim… infelizmente!

    • concordo, só aprendemos a paulada, mas também para que acreditar nesta paranoia toda!!!
      Dizem que ganhamos uma estrelinha com o ozono, se fossem espertos nem tocavam nesse tema. O ozono é um exemplo de que eles não sabem do que falam, apenas teorizam. Quase nada foi feito em relação ao ozono, nao reduzimos propriamente a emissão de gazes, pelo contrario, aumentamos. Ainda assim a camada de ozono esta a recuperar e o chamado buraco a reduzir, entretanto se tivéssemos feito o que eles pediam a sociedade não tinha avançado como avançou e provavelmente não estaríamos aqui a escrever porque a internet não estaria implementada.

      Acredito que temos de fazer algo, mas tem de ser ponderado e nao apenas acreditar que o fim do mundo vai chegar amanhã se não fazemos o que eles pedem !!!
      Faz lembrar o feminismo, em teoria e conceito o que defendem é correcto e necessário, mas quando olhamos ao que fazem, é extremismo.

      • Caro Paulo,
        Claramente o Paulo está equivocado: muito foi feito relativamente ao ozono apenas não é/foi noticiado. Apesar das emissões de COx/NOx terem aumentado, as emissões de ODSs (do inglês “zone-depleting substances”) foram, ou reduzidas ou abrandadas, e essas sim, contribuem mais (de forma relativa às restantes emissões) para o estado de conservação/destruição da camada de ozono.
        No entanto, a informação está disponível para qualquer pessoa que deseje saber mais: a cada 4 anos um consórcio internacional (do qual a CE faz parte) publica um relatório sobre o “status quo” relativamente ao ozono. Recomendo a leitura do relatório número 55 de 2014 no URL [https://www.esrl.noaa.gov/csd/assessments/ozone/].

        Cumprimentos,
        Filipe Silva

        • Assumo ignorancia neste assunto, mas o facto é de a maioria das medidas não foram aplicadas e os níveis de emissão não estão a baixar, e se me lembro dizia-se que medidas seriam para abrandar o crescimento, que levaria décadas a reduzir o impacto, na realidade isso não aconteceu.
          O meu comentario, baseado na minha ignorância, esta relacionado com o facto de que cientistas apresentam estes documentos com teorias (talvez não seja a melhor palavra, mas claramente não são certezas) e com ela vem sempre o exagero de que se não se fizer nada o fim do mundo é a próxima parada.

          Talvez seja a unica forma de fazer a sociedade para e reflectir, mas não deixa de alarmista e muitas vezes como se viu com o ozono e outros temas, de forma errada.

  3. Estes esquemas, onde a sociedade científica, é pouco científica, esquece-se, por conveniência de alguém, ou alguns, que o carbono na atmosfera, já foi 400 vezes superior ou que existe atualmente, e não impediu a vinda de uma das grandes idades do gelo na terra.
    Esquece também, que os seres humanos atiram para a atmosfera somente 3% de carbono. Que actualmente a terra, atravessa uma idade interglaciar, e que igualmente outra idade do gelo é bem possível. E aí sim, a produção de alimentos e agricultura serão afectados profundamente, sendo um real problema para a sobrevivência da humanidade. Quanto aos factores de poluição, feitos pela humanidade, isso sim, e é assunto completamente diferente!

  4. A verdade é que a generalidade das pessoas – criaturas que se julgam acima das outras ditas não humanas ou irracionais – anda por aí sem a menor consciência da sua postura, do seu comportamento perante o Planeta. Não observa, não pensa, não percebeu que faz parte da Vida tal como supomos conhece-la.
    Prefere distrair-se…, entreter-se com religiões, mitos, superstições, modas, invejas, ganâncias injustificadas, corrupção, guerra, destruição…
    Trocou a inocência da sua verdade pela iniquidade das aparências com que procura impor-se a si mesma.
    A verdade é que a generalidade das pessoas esqueceu-se de que é parte integrante da Mãe-Terra, que foi por ela parida para a amar, para a respeitar. Esqueceu-se e não mais deixou de a maltratar.
    Que espere pela volta, que acontecerá bem mais cedo do que o que pensa!

RESPONDER

Tony transformou autocarro em Arca de Noé para salvar animais do Florence

Enquanto muitos americanos fugiam do furacão Florence, um camionista de 51 anos fazia o percurso inverso com uma missão em mente. Dentro de um autocarro, Alsup transportou mais de 60 animais da costa da Carolina …

Mais de 500 rinocerontes mortos na África do Sul este ano

A caça furtiva na África do Sul causou a morte a 508 rinocerontes, entre janeiro e agosto deste ano, o que significa um decréscimo no número de espécimes caçados, em relação a 2017, anunciou o …

Número de mortos em naufrágio na Tanzânia sobe para 170

O número de pessoas que morreram no naufrágio de um navio de passageiros no lago Vitória, na Tanzânia, subiu para 170, de acordo com os meios de comunicação locais. As operações de resgate recomeçaram na manhã …

Há um satélite-pescador no espaço

O Satélite britânico RemoveDebris está a navegar no espaço desde junho e lançou com sucesso uma rede em órbita com o objetivo de capturar material que anda à deriva em redor da Terra. O satélite-pescador britânico …

Governo cumpriu “rigorosamente” acordo com setor do táxi

O Ministro Ambiente, João Matos Fernandes, disse este sábado que o governo cumpriu “rigorosamente” o acordo que assinou com a duas associações que representam os taxistas para a modernização do setor. "Não é verdade que se …

Juízes defendem acórdão que desvaloriza violação de mulher inconsciente

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses sai em defesa dos dois magistrados, um dos quais o presidente da entidade, que assinaram o acórdão que desvaloriza a gravidade da violação de uma mulher inconsciente, numa discoteca, …

Salas para maiores de 18 anos levam à demissão do director de Serralves

O director artístico do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, João Ribas, demitiu-se do cargo depois de a administração ter limitado a maiores de 18 anos uma parte da exposição dedicada ao fotógrafo norte-americano Robert …

Isabel do Santos desmente ação contra João Lourenço mas processo deu entrada no Supremo

Isabel do Santos, filha do antigo Presidente da Angola, desmente ter entrado com uma ação contra o atual Presidente João Lourenço. No entanto, o processo cível contra o Estado deu entrada no Supremo. De acordo …

Arqueólogos fazem "descoberta do Século" no Tejo (e tem pimenta)

Uma equipa de arqueólogos da Câmara Municipal de Cascais, do Projeto Municipal da Carta Arqueológica Subaquática do Litoral, descobriu uma nau que terá naufragado entre 1575 e 1625, e que é considerada a “descoberta do …

ADSE adia implementação de novas regras para tentar acordo com privados

Os hospitais privados e ADSE continuam com o braço de ferro, mas, por agora, os privados não vão deixar de operar beneficiários da ADSE. O boicote anunciado esta manhã foi adiado. Esta manhã, o o semanário …