Peixe que se reproduz sem sexo há 500 mil anos desafia teoria da sua extinção

(dr) Manfred Schartl

A molinésia da Amazónia sobrevive há pelo menos 500 mil gerações, muito mais do que a média observada em espécies com reprodução assexuada

A molinésia da Amazónia sobrevive há pelo menos 500 mil gerações, muito mais do que a média observada em espécies com reprodução assexuada

A teoria da evolução sugere que as espécies que se reproduzem de forma assexuada tendem a desaparecer rapidamente. No entanto, um estudo sobre as molinésias da Amazónia lançou sérias dúvidas sobre a velocidade deste declínio.

A reprodução sexuada depende de células especiais reprodutivas masculinas e femininas que se juntam durante o processo de fertilização. Cada célula sexual contém metade do número de cromossomas das células parentais normais.

No caso da reprodução assexuada, o macho é dispensado e são criados novos descendentes que contêm uma cópia exata do genoma da mãe – uma autêntica clonagem materna natural. Ao não desperdiçar material genético na criação de machos, todos os descendentes nascidos a partir da reprodução assexuada podem continuar a reproduzir-se.

Contudo, como os descendentes são cópias genéticas da mãe, apresentam uma variabilidade – a característica que dá aos sexuados a capacidade de diluir mutações nocivas ao longo do tempo, por exemplo – limitada.

O professor Manfred Schartl, da Universidade de Würzburg, e um dos principais autores do estudo explica que “se previa que uma espécie assexuada acumulasse mutações, dado que não depende da diversidade genética para reagir a novos parasitas ou fazer face a mudanças no meio ambiente”.

Por essa razão, “havia previsões teóricas de que um organismo assexuado iria desaparecer depois de 20 mil gerações“, afirma. No entanto, o último estudo sobre a estabilidade a longo prazo do genoma das molinésias da Amazónia, publicado recentemente na Nature Ecology & Evolution, lançou novas descobertas surpreendentes acerca da reprodução assexuada.

Os cientistas acreditam que o peixe molinésia da Amazónia (Poecilia formosa) seja um híbrido que surgiu após a reprodução entre duas espécies de peixes aparentados – a molinésia do Atlântico e a molinésia de Sailfin.

Comparando as sequências do genoma dos peixes molinésia da Amazónia com os recolhidos de diferentes locais (como o México ou o Estado do Texas, nos EUA) a equipa de investigadores conseguiu construir uma árvore genealógica.

A árvore mostrou que todos os peixes compartilharam o mesmo antepassado e que o peixe progenitor nadou em águas americanas, há cerca de 100 mil anos. Isto significa que a molinésia da Amazónia sobrevive há cerca de meio milhão de gerações – muito além do que a teoria sugeria.

Além disso, quando os cientistas procuraram indícios de decadência genómica a longo prazo, chegaram à conclusão de que havia muito poucos.

“Normalmente, as espécies sem recombinação regular não são muito duradouras. No entanto, a molinésia amazónica parece ter encontrado uma maneira de sobreviver por um tempo surpreendentemente longo, sem acumular sinais de decomposição genómica”, explicou Laurence Loewe, à BBC.

“Para descobrir como é possível, teremos provavelmente de combinar muitos dos grandes avanços na genética evolutiva dos últimos 100 anos”, concluiu o professor assistente no Instituto para a Descoberta de Wisconsin, da Universidade de Wisconsin-Madison.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Os cavalos perdem quatro dedos no útero

Os cavalos têm apenas um dedo em cada pata, sendo os cascos o equivalente à falange dos nossos dedos médios. No entanto, os seus ancestrais tinham mais dedos em cada pata, variando entre três e …

"Década perdida". Novo Banco com prejuízos de 1.058,8 milhões em 2019

O presidente executivo do Novo Banco disse esta sexta-feira que os últimos dez anos foram uma "década perdida" para a empresa que começou por ser BES e passou em 2014 a Novo Banco, mas …

Estados Unidos assinam acordo de paz com os talibãs no Afeganistão

O presidente norte-americano, Donald Trump, pediu esta sexta-feira aos afegãos para "aproveitar a oportunidade de paz", ao abrigo do acordo de paz que os Estados Unidos vão assinar no sábado com os rebeldes talibãs. A …

Portugal poderá ter um milhão de infetados (e ser decretada quarentena obrigatória)

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admite que poderá haver um milhão de portugueses infetados pelo Covid-19, 21.000 na semana mais crítica, assegurando que as autoridades de saúde estão a preparar-se para esta possibilidade. “Estamos a …

Descobertos na Sibéria vestígios do Evento de Tunguska, um dos maiores impactos na Terra

Um grupo de investigadores russos que investigam o fenómeno de Tunguska de 1908, o maior impacto terrestre registado na história moderna, descobriu camadas em sedimentos locais que podem conter substâncias de origem extraterrestre. A 30 de …

Exoplaneta gigante pode ter as condições ideais para abrigar vida

Uma equipa de cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, descobriu que o enorme exoplaneta K2-18b - tem duas vezes o tamanho da Terra - pode reunir as condições ideais para abrigar vida. Depois de …

A Terra pode ter uma nova (e temporária) mini-lua

A Terra pode ter um novo vizinho, ainda que temporário. Astrónomos do Catalina Sky Survey, programa financiado pela NASA, acreditam ter identificado um asteróide que ficou preso na gravidade da Terra - pode ser a …

Príncipe italiano vende massa fresca numa roulote nos Estados Unidos

O príncipe italiano Emanuele Filiberto é dono da "Princípe de Veneza", a única roulote que vende massa fresca em Los Angeles, nos Estados Unidos. Harry e Meghan Markle podem bem pôr os olhos neste exemplo de …

Há 140 anos, "choveu" carne nos Estados Unidos (e ainda não se sabe porquê)

Há 140 anos, em 1876, uma quinta no estado norte-americano de Kentucky testemunhou uma "chuva" de carne cuja origem permanece um mistério. Tudo começou quando, em 3 de março de 1876, a mulher do agricultor Allen …

"Posso sempre confiar" nos americanos. Coleção de cartas manuscritas da princesa Diana vai a leilão

Em 25 de junho de 1997, alguns meses antes da morte da princesa Diana em agosto, dezenas dos seus vestidos foram leiloados na Christie's, em Nova Iorque. Agora, algumas das suas cartas manuscritas sobre esse …