/

Pegadas provam que as Américas foram povoadas milhares de anos antes do que pensávamos

(dr) Matthew Robert Bennett

Investigadores descobriram evidências da presença de humanos nas Américas: pegadas com, pelo menos, cerca de 23.000 anos.

A nossa espécie começou a migrar para fora de África há cerca de 100.000 anos. Além da Antártida, as Américas foram os últimos continentes alcançados pelos humanos, com os primeiros pioneiros a atravessar a agora submersa ponte terrestre de Bering que ligava o leste da Sibéria à América do Norte.

Às vezes, durante a era glacial do Plistoceno, que terminou há 10.000 anos, grandes mantos de gelo cobriam grande parte da Europa e da América do Norte. A água presa nesses mantos de gelo baixou o nível do mar, permitindo que as pessoas percorressem a ponte da Ásia através do Ártico até ao Alasca.

Mas durante o pico do último ciclo glacial, o seu caminho para as Américas foi bloqueado por uma camada de gelo continental.

Até agora, os cientistas acreditavam que os humanos só viajaram para as Américas quando esta barreira de gelo começou a derreter — no mínimo, há 16.500 anos. Mas uma equipa de investigadores descobriu um conjunto de pegadas fósseis que sugerem que os humanos pisaram pela primeira vez o continente milhares de anos antes.

Essas pegadas, descobertas no Parque Nacional White Sands, no Novo México, foram feitas por um grupo de adolescentes, crianças e um adulto, e foram datadas da altura do último máximo glacial, há cerca de 23.000 anos. Isto torna-os potencialmente a evidência mais antiga da nossa espécie nas Américas.

As descobertas sustentam a ideia de que os humanos estavam presentes na parte sul da América do Norte antes do último pico glacial — uma teoria que até agora foi baseada em evidências controversas e potencialmente duvidáveis.

Temos a tendência de imaginar os nossos antepassados envolvidos em lutas de vida ou morte — forçados a lutar simplesmente para sobreviver. No entanto, as evidências de White Sands sugerem um ambiente lúdico e relativamente descontraído, com adolescentes e crianças a passarem tempo juntos num grupo.

Isto talvez não seja tão surpreendente. Crianças e adolescentes são mais enérgicos e brincalhões do que os adultos e, portanto, deixam mais rastos. Os adultos tendem a ser mais ponderados nos seus movimentos, deixando menos rastos.

Mas outra interpretação destas novas evidências é que os adolescentes faziam parte da força de trabalho destes primeiros bandos de caçadores-coletores. É possível que as pegadas tenham sido deixadas por jovens à procura e a carregar recursos para os seus pais.

Em qualquer caso, as pessoas que deixaram os seus rastos em White Sands foram alguns dos primeiros adolescentes americanos conhecidos. Gravadas na pedra, as suas pegadas prestam homenagem aos seus antepassados, que agora sabemos que caminharam pela longa ponte de terra nas Américas milénios antes do que se acreditava.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.