Pedregulhos (e misteriosas riscas gigantes) na Etiópia desvendam mistério sobre a Idade do Gelo

Alexander R. Groos

Uma equipa de investigadores da Universidade de Berna, na Suíça, conseguiram demonstrar um forte arrefecimento local nos trópicos durante o último período glacial, com base nas flutuações dos glaciares e grandes riscas em pedras nas terras altas da Etiópia.

Como impulsionadores da circulação atmosférica e oceânica global, os trópicos desempenham um papel central na compreensão das mudanças climáticas passadas e futuras.

As simulações do clima global e as reconstruções da temperatura do oceano em todo o mundo indicam que o arrefecimento nos trópicos durante o último período glacial, que começou há cerca de 115 mil anos, foi muito mais fraco do que na zona temperada e nas regiões polares.

Contudo, a hipótese de isto se aplicar também às altas montanhas tropicais da África Oriental e noutros lugares é questionada com base em estudos paleoclimáticos, geológicos e ecológicos em altitudes elevadas.

Uma equipa de investigadores, liderada por Alexander Groos, Heinz Veit – ambos do Instituto de Geografia – e Naki Akçar – do Instituto de Ciências Geológicas – da Universidade de Berna, em colaboração com colegas da ETH Zurique, da Universidade de Marburg e da Universidade de Ankara, usou as Terras Altas da Etiópia como local de teste para investigar a extensão e o impacto do arrefecimento regional nas montanhas tropicais durante o último período glacial.

“As montanhas da Etiópia atualmente não estão cobertas por gelo, apesar da sua elevação de mais de quatro mil metros”, explicou Groos, em comunicado. “As morenas e outras formas de terra, no entanto, atestam o facto de que estas montanhas tinham gelo durante o último período glaciar”.

Pedregulhos de morena nas montanhas Bale e Arsi foram mapeados, amostrados no campo e posteriormente datados usando o isótopo de cloro 36Cl para determinar com precisão a extensão e o tempo das glaciações anteriores.

Os cientistas tiveram uma surpresa. “Os nossos resultados mostram que os glaciares nas montanhas do sul da Etiópia atingiram a sua extensão máxima há entre 40 mil e 30 mil anos, vários milhares de anos antes do que noutras regiões montanhosas na África Oriental e em todo o mundo”, explicou o Groos.

No total, os glaciares nas terras altas do sul cobriam uma área de mais de 350 quilómetros durante o seu máximo. Além do arrefecimento de pelo menos 4ºC a 6°C, os extensos planaltos vulcânicos acima de quatro mil metros favoreceram o desenvolvimento de glaciação nesta magnitude.

Os cientistas obtiveram perceções importantes comparando as flutuações dos glaciares nas Terras Altas da Etiópia com os das montanhas mais altas do Leste Africano e arquivos climáticos do Grande Vale do Rift Africano.

“As comparações cruzadas mostram que as montanhas tropicais na África Oriental sofreram um arrefecimento mais pronunciado do que as planícies circundantes”, concluiu Groos.

“Além disso, os resultados sugerem uma resposta não uniforme dos glaciares e calotas polares da África Oriental às mudanças climáticas durante o último período glacial, o que pode ser atribuído a diferenças regionais na distribuição da precipitação e relevo das montanhas, entre outros fatores”.

As estranhas “riscas” gigantes

Durante o trabalho de campo no planalto central de Sanetti, nas montanhas Bale, os cientistas também encontraram faixas de pedra gigantescas de até mil metros de comprimento, 15 de largura e dois de profundidade fora da área da antiga calota polar.

“A existência destas riscas de pedra num planalto tropical surpreendeu-nos, já que os chamados acidentes geográficos periglaciais dessa magnitude eram anteriormente conhecidos apenas na zona temperada e regiões polares e estão associados a temperaturas do solo em torno do ponto de congelamento“, disse Groos.

Alexander R. Groos / Digital Globe Foundation

No entanto, a temperatura média do solo no Planalto Sanetti é de cerca de 11ºC.

As grandes rochas e colunas de basalto que compõem as faixas de pedra originalmente vieram de formações rochosas fortemente erodidas e tampões vulcânicos.

Os investigadores presumem que as faixas de pedra formaram-se durante o último período glacial atraves da classificação natural das rochas previamente distribuídas de forma caótica durante o congelamento e descongelamento periódico do solo próximo à antiga calota de gelo.

No entanto, isso teria exigido uma queda na temperatura média do solo de pelo menos 11°C e na temperatura média do ar de pelo menos 7°C.

Os investigadores alertam que esse eventual arrefecimento sem precedentes deve ser demonstrado por estudos futuros noutras regiões montanhosas tropicais.

O estudo foi publicado este mês nas revistas Science Advances e Earth Surface Dynamics.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …

Ventura: "Não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada"

O Chega vai questionar formalmente o Governo pelo “facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado” para ir a uma ação de campanha no Porto na sexta-feira, anunciou este sábado André …

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …

Astrónomos resolvem mistério cósmico com 900 anos

Um mistério cósmico com 900 anos, em torno das origens de uma famosa supernova observada pela primeira vez na China no ano 1181, foi finalmente resolvido. Uma nova investigação, publicada dia 15 de setembro no The …

Bons hábitos alimentares podem reduzir a probabilidade de contrair covid-19

Um novo estudo indica que as pessoas que comem muitas frutas e vegetais podem ter menos probabilidades de contrair covid-19. Num pesquisa que envolveu 590 mil adultos, os investigadores descobriram que as pessoas que eram adeptas …

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …