Patrões puxam PS para acordos com centro-direita

Mário Cruz / Lusa

Os parceiros sociais estão a ser recebidos esta manhã pelo secretário-geral do Partido Socialista (PS). Os primeiros foram os representantes dos patrões, os quais sublinharam que os socialistas não podem “ignorar que há partidos de centro-direita, nomeadamente o PSD, que não estão ausentes no Parlamento”.

De acordo com o Observador, os patrões frisaram igualmente que os partidos que defenderam novas alterações à legislação laboral “tiveram perdas significativas nas eleições”, referindo-se ao Partido Comunista Português (PCP) e ao Bloco de Esquerda (BE).

Na sede do PS, António Costa recebeu a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a Confederação dos Agricultores, a do Turismo e a do Comércio e Serviços. No fim, foi António Saraiva (CIP) quem desvalorizou o peso dos acordos à esquerda, que considera não serem muito diferentes dos que existiram há quatro anos, ou seja, “frágeis”.

“Não antevemos maior estabilidade. Os acordos que existiram na anterior legislatura eram frágeis (…) e o que esta legislatura vai ter foi o que a anterior teve, acordos a cada orçamento do Estado”, referiu.

O patrões sublinham a importância do “centro-direita”, com António Saraiva a apontar especialmente o PSD, que considera que “como partido responsável que é, terá de apoiar medidas legislativas de que o país necessite”.

“Este Governo saberá encontrar equilíbrios também à sua direita e as maiorias parlamentares têm geometria variável à esquerda e à direita”, acrescentou.

António Saraiva garantiu que não foram abordadas questões concretas, como o salário mínimo ou valores previstos para uma evolução. Ainda assim, admitiu que essa progressão possa continuar na próxima legislatura “mas não por decreto ou em condições que a economia não suporta”.

O salário mínimo “será seguramente aumentado em bases razoáveis como foi na anterior legislatura”, em que subiu até aos 600 euros na anterior legislatura. Começou por subir de 505 euros para 530 euros em janeiro, em 2016, para 557 euros em 2017, para 580 euros em janeiro de 2018 e, finalmente, para os 600 euros no início deste ano.

Quanto a novas alterações nas leis laborais, os patrões fecham a porta e atiram aos partidos que continuam a defender estas mexidas, lê-se no Observador. António Saraiva lembrou que “o PCP teve menos 115 mil votos” nestas eleições legislativas e que o “BE teve menos 57 mil”, para concluir que “o país demonstrou que partidos são os que melhor respondem à necessidade da população portuguesa”.

Para os patrões, o Código do Trabalho está bem como está: “Mantemos que a legislação laboral que temos é mais do que suficiente para que o país desenvolva as suas atividades económicas com tranquilidade”.

Na sede do PS seguem-se ainda reuniões de António Costa com a CGTP e com a UGT. Ao final do dia, o líder socialista reúne a Comissão Política Nacional do partido para que lhe confira mandato para fechar um acordo político para a próxima legislatura.

ZAP // //

PARTILHAR

RESPONDER

Ministra da Saúde quer enfermeiro de família para todos os portugueses

A ministra da Saúde, Marta Temido, quer que todos os portugueses tenham um enfermeiro de família atribuído até ao final da próxima legislatura, à semelhança da meta traçada para os médicos de família. Na abertura do …

Rei de Marrocos indulta jornalista marroquina condenada por aborto

O rei de Marrocos, Mohamed VI, indultou a jornalista Hajar Raissouni, recentemente condenada a um ano de prisão por "aborto ilegal" e "relações sexuais fora do casamento", segundo um comunicado oficial. A mulher, de 28 anos, …

Morreu Elijah Cummings, um dos democratas que investigava Trump

O congressista norte-americano Elijah Cummings, uma das figuras do Partido Democrata mais respeitadas na oposição pela sua frontalidade e por acalmar protestos violentos e desentendimentos entre adversários, morreu esta quinta-feira, aos 68 anos. A notícia da …

Risco de pobreza em Portugal é o mais baixo de sempre. Mas há 330 mil menores em risco

O ano de 2017 trouxe melhorias às condições de vida da população, com o risco da pobreza a atingir 17,3% dos residentes em Portugal. É a taxa mais baixa desde que este indicador é tratado, …

Maria Martins conquista bronze nos Europeus de ciclismo de pista

Maria Martins venceu nesta quarta-feira a medalha de bronze no “scratch” feminino dos Europeus de ciclismo de pista, que nesta quarta-feira arrancaram em Apeldoorn, na Holanda. Depois de várias medalhas em Europeus sub-23, a ciclista de …

Carlos César: Firmar um acordo com o Bloco descriminaria os restantes partidos de esquerda

O dirigente socialista Carlos César mostrou-se esta quarta-feira confiante que o novo Governo será para quatro anos, considerando ainda que firmar um acordo com o Bloco de Esquerda seria discriminar os restantes partidos de esquerda. …

Médico que deixou bebé nascer sem rosto tem quatro processos na Ordem

O obstetra que não detetou malformações graves num bebé que acabou por nascer sem rosto no início deste mês, em Setúbal, tem quatro processos em curso no conselho disciplinar da Ordem dos Médicos. A informação foi …

Tensão na Catalunha afeta realização do Barcelona-Real Madrid

A violência dos protestos na Catalunha está a fazer com que a Liga e a Federação de futebol espanholas repensem a ideia de o clássico entre Barcelona e Real Madrid se realizar em Camp Nou. O …

Assis critica novo Governo do PS. É "muito António Costa" e feito só para dois anos

O ex-eurodeputado do Partido Socialista (PS) Francisco Assis não poupou nas críticas ao novo Governo, que António Costa apresentou ao Presidente da República na terça-feira ao final do dia, considerando que este é um executivo …

PSD considera que não há novo Governo, mas "remodelação" com alargamento

O PSD defendeu na quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …