Patrões puxam PS para acordos com centro-direita

Mário Cruz / Lusa

Os parceiros sociais estão a ser recebidos esta manhã pelo secretário-geral do Partido Socialista (PS). Os primeiros foram os representantes dos patrões, os quais sublinharam que os socialistas não podem “ignorar que há partidos de centro-direita, nomeadamente o PSD, que não estão ausentes no Parlamento”.

De acordo com o Observador, os patrões frisaram igualmente que os partidos que defenderam novas alterações à legislação laboral “tiveram perdas significativas nas eleições”, referindo-se ao Partido Comunista Português (PCP) e ao Bloco de Esquerda (BE).

Na sede do PS, António Costa recebeu a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), a Confederação dos Agricultores, a do Turismo e a do Comércio e Serviços. No fim, foi António Saraiva (CIP) quem desvalorizou o peso dos acordos à esquerda, que considera não serem muito diferentes dos que existiram há quatro anos, ou seja, “frágeis”.

“Não antevemos maior estabilidade. Os acordos que existiram na anterior legislatura eram frágeis (…) e o que esta legislatura vai ter foi o que a anterior teve, acordos a cada orçamento do Estado”, referiu.

O patrões sublinham a importância do “centro-direita”, com António Saraiva a apontar especialmente o PSD, que considera que “como partido responsável que é, terá de apoiar medidas legislativas de que o país necessite”.

“Este Governo saberá encontrar equilíbrios também à sua direita e as maiorias parlamentares têm geometria variável à esquerda e à direita”, acrescentou.

António Saraiva garantiu que não foram abordadas questões concretas, como o salário mínimo ou valores previstos para uma evolução. Ainda assim, admitiu que essa progressão possa continuar na próxima legislatura “mas não por decreto ou em condições que a economia não suporta”.

O salário mínimo “será seguramente aumentado em bases razoáveis como foi na anterior legislatura”, em que subiu até aos 600 euros na anterior legislatura. Começou por subir de 505 euros para 530 euros em janeiro, em 2016, para 557 euros em 2017, para 580 euros em janeiro de 2018 e, finalmente, para os 600 euros no início deste ano.

Quanto a novas alterações nas leis laborais, os patrões fecham a porta e atiram aos partidos que continuam a defender estas mexidas, lê-se no Observador. António Saraiva lembrou que “o PCP teve menos 115 mil votos” nestas eleições legislativas e que o “BE teve menos 57 mil”, para concluir que “o país demonstrou que partidos são os que melhor respondem à necessidade da população portuguesa”.

Para os patrões, o Código do Trabalho está bem como está: “Mantemos que a legislação laboral que temos é mais do que suficiente para que o país desenvolva as suas atividades económicas com tranquilidade”.

Na sede do PS seguem-se ainda reuniões de António Costa com a CGTP e com a UGT. Ao final do dia, o líder socialista reúne a Comissão Política Nacional do partido para que lhe confira mandato para fechar um acordo político para a próxima legislatura.

ZAP // //

PARTILHAR

RESPONDER

As Forças Armadas sul-africanas não estavam preparadas para um inimigo invisível

A Força de Defesa Nacional da África do Sul não está preparada para combater uma pandemia silenciosa como a da covid-19. Este "inimigo invisível" veio trazer à tona as fragilidades do país. As Forças Armadas da …

Putin convoca referendo sobre alterações constitucionais para 1 de julho

A aprovação da reforma constitucional permitirá ao atual Presidente da Rússia, Vladimir Putin, cumprir mais dois mandatos suplementares a partir de 2024. Vladimir Putin anunciou a data de 1 de julho para o referendo nacional de …

Depois das máscaras e do gel, procura por acrílico dispara

À semelhança do que aconteceu com as máscaras de proteção e com o álcool-gel, a procura mundial por acrílico está a aumentar. Primeiro foram as máscaras e o desinfetante em gel, mas agora há um novo …

Real Madrid não volta ao Santiago Bernabéu até final da temporada

O Real Madrid vai disputar os restantes jogos da Liga espanhola de futebol na condição de visitado no estádio Alfredo di Stéfano, no centro de treinos merengue. Segundo a agência EFE, Florentino Pérez enviou uma carta …

Metade das empresas que aderiram ao teletrabalho tenciona mantê-lo

A pandemia veio mudar a forma como trabalhamos. Quase metade das empresas que aderiram ao teletrabalho tenciona manter a atividade, ou parte dela, em regime de trabalho remoto.  De acordo com um inquérito da CIP - …

"Muitos de vocês são fracos". Trump critica ação dos governadores durante protestos

O Presidente dos Estados Unidos ridicularizou alguns governadores estaduais por serem "fracos" e exigiu-lhes que tomem medidas duras contra os manifestantes, após mais uma noite de violência em diversas cidades. Donald Trump conversou com os governadores, …

O vírus "não desapareceu". DGS apela para responsabilidade dos adeptos de futebol

Graça Freitas apelou aos adeptos de futebol para que respeitem as regras da Direção-Geral da Saúde, sublinhando que não podem existir ajuntamentos junto aos estádios e concentrações de pessoas em cafés ou em outros locais. Durante …

PSD junta-se ao Bloco e PCP e pede apreciação parlamentar do decreto das PPP na Saúde

O PSD pediu a apreciação parlamentar do decreto-lei que regulamenta a criação de parcerias público-privadas (PPP) na Saúde. O maior partido da oposição junta-se assim ao Bloco de Esquerda e PCP, embora com motivos diferentes. Os sociais-democratas …

Reembolsos de IRS estão a ser "indevidamente retidos", denuncia Provedora de Justiça

Maria Lúcia Amaral escreveu ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais para pedir a correção de erros, lembrando que o reembolso é uma ajuda preciosa para muitas famílias, nomeadamente nesta altura. A Provedora de Justiça, Maria …

Rússia quer exportar antiviral que diz ser eficaz em 90% dos casos

O antiviral Afivavir mostrou ser eficaz no combate ao novo coronavírus em 90% dos casos, mas não estará à venda em farmácias. A Rússia planeia exportar para vários países do mundo um medicamento para a …