Partidos concordam com apoios do Estado aos media, mas não subsidiação direta

António Cotrim / Lusa

Os cinco partidos com maior representação parlamentar concordam com a necessidade de o Estado apoiar os media, não através de subsidiação direta, mas sim de incentivos e outras medidas para salvaguardar o pluralismo e a independência do jornalismo.

O último painel do primeiro dia da conferência “Financiamento dos Media”, organizada pelo Sindicato dos Jornalistas (SJ), que decorre até terça-feira na Cidadela de Cascais, teve como participantes deputados do PS, PSD, BE, PCP e CDS-PP.

“O Estado pode e deve apoiar media? Resposta: Pode e deve. Quem é que o diz? Sou eu? Não, é o decreto lei 23/2015 de 6 de fevereiro que substituiu o velho regime de porte pago por um regime de incentivos alargados com cinco pilares”, defendeu, na primeira intervenção, o deputado do PS José Magalhães.

Na perspetiva do socialista “não há razão para sugerir que há uns que querem apoiar e outros não”, lembrando que o diploma foi preparado pelo antigo ministro do Governo PSD/CDS-PP Miguel Poiares Maduro.

“Se o critério para a felicidade financeira fossem as economias de escala, Portugal só teria um grupo mediático e não estou seguro de que fosse português. Seria erguido sobre o cadáver do pluralismo e sobre o despedimento de jornalistas ditos excedentários. É contra isto que continuaremos a combater”, prometeu.

Seguiu-se a deputada do PSD Margarida Balseiro Lopes, para quem “o papel do Estado, relativamente a esta matéria, deve ser, antes de mais, o de proteger e promover a independência e o pluralismo dos media, o de promover a sustentabilidade do financiamento”.

“O que é substancialmente diferente de deixar a imprensa dependente ou procurar condicioná-la por transferências ou cativações orçamentais ou colocá-la à mercê da vontade política”, avisou, considerando que o “limite da intervenção do Estado é e deve sempre ser o da liberdade”.

A social-democrata lembrou duas propostas que o partido apresentou no último Orçamento do Estado e que foram ambas rejeitadas: a dedução em sede de IRS com a aquisição de publicações periódicas e majoração em IRC das despesas com publicidade em comunicação social.

Por seu turno, o deputado do BE Jorge Costa começou por referir que “Portugal é um caso especial no plano europeu”, destacando-se entre aqueles países que “menos recursos públicos mobiliza no apoio à viabilização e desenvolvimento da comunicação social”.

“A primeira questão que se coloca para nós é a redução da dependência dos meios de comunicação em relação às grandes empresas anunciantes enquanto fonte de receita e portanto a capacidade de criar hábitos de leitura e vínculos permanentes”, destacou, elencando depois algumas medidas do programa eleitoral com o qual os bloquistas se apresentaram às últimas eleições legislativas.

Para António Filipe, do PCP, “os apoios que o Estado deve dar à comunicação social não devem passar pela subsidiação dos grupos media”, o que não foi proposto naquele fórum, mas sim “por incentivos particularmente aos elos mais fracos desta cadeia”.

“Ou seja, importaria que a nível local e regional o Estado encontrasse formas, não de subsídio direto, mas como a reabilitação do porte pago, que se foi degradando, e outros incentivos, como a relação com as escolas, com as autoridades, através de publicidade institucional, que a legislação tem sido esquecida e não se tem olhado para isso”, elencou.

Para o comunista, a estratégia passa por “garantir que os mecanismos legais, que apesar de tudo ainda protegem estes órgãos de comunicação social, possam ter uma efetividade”, havendo por isso “uma necessidade de intervenção do poder político nesta matéria”.

Por último, a deputada do CDS-PP Cecília Meireles assinalou que os partidos não convergem todos nas mesmas soluções, mas afirmou que “a divisão não está entre aqueles que defendem apoios e aqueles que não defendem apoios”.

“Não me parece que a solução sejam apoios públicos e financiamento direto até porque isto não é propriamente a causa do problema, é o sintoma do problema. A solução para este problema está também no Estado, mas não está só no Estado nem está sobretudo no Estado”, advertiu.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Finalmente os partidos políticos parecem chegar a um acordo que é imprescindível, ou seja dar incentivos aos órgãos de comunicação social que relatem a verdade e sejam imparciais; eu acrescentaria algo mais para se ser merecedor desses incentivos, ou seja, nunca surgirem títulos sensacionalistas de notícias e isto porque bem sei que esta prática é utilizada pois atrai mais clientes; com estes incentivos iria compensar o proveito que deixariam de ter ao cativar menos clientes. Se um órgão de comunicação social for imparcial e relate quer, os acontecimentos reais que nos mostrem haver boas pessoas e obras bem feitas, quer os acontecimentos reais que mostrem a existência de “más” pessoas e obras indesejáveis julgo que iriam cativar alguns novos clientes e eu serei uma dessas pessoas (clientes) que já não quero pagar nada para órgãos de comunicação social sensacionalistas e muitas vezes não são imparciais.

RESPONDER

Governo suspende pagamento do IVA nas moratórias bancárias

As famílias e empresas com empréstimos abrangidos pelas moratórias bancárias vão ficar desobrigadas do pagamento do IVA que incidiria sobre as prestações mensais. Nos contratos continuados, em que há uma prestação de bens ou serviços que …

Superliga dos ricos quer evitar ruína dos clubes. FC Porto rejeitou convite, mas Benfica tenta entrar

"Fazemos a Superliga para salvar o futebol, a situação é dramática". As palavras são de Florentino Pérez, presidente do Real Madrid, um dos 12 clubes que anunciaram a criação de uma Superliga Europeia com os …

”As pessoas estão cansadas desta governação”. Moedas desvaloriza sondagem que o coloca atrás de Medina

Carlos Moedas, que se encontra na corrida autárquica em Lisboa, acusa Medina - seu principal adversário - de não ter uma estratégia clara para o Parque Mayer e defende projeto que una a educação a …

FC Porto precisa de fazer 38 milhões de euros em vendas

A SAD do FC Porto precisa de fazer, pelo menos, 38 milhões de euros em mais-valias com a venda de passes de jogadores. As contas foram feitas por Fernando Gomes, tendo em conta o segundo semestre do …

West Ham, Leeds e Bétis. Assim pode ficar a Champions sem os clubes da Superliga

Desde o Leeds na Champions ao Hellas Verona na Liga Europa, sem os clubes da Superliga Europeia, as competições europeias ganhariam um aspeto diferente. Doze clubes anunciaram, este domingo, a criação da Superliga Europeia. A UEFA …

Marco Almeida descarta candidatura a Sintra e pede "seriedade" a Rui Rio

Deixado de fora por Rui Rio na lista de candidatos às autárquicas, Marco Almeida vai ficar como "espectador atento" nestas eleições. O vereador pediu "seriedade" ao líder do PSD. No mês passado, Rui Rio escolheu Ricardo …

Ministro da Educação promete mais testes no regresso às aulas. Professores alertam para incumprimento das regras de segurança

O regresso dos alunos do secundário é marcado pela testagem de 300 mil estudantes, professores e funcionários, depois da vacinação de quase 200 mil trabalhadores escolares num "fim de semana para ganhar coragem", anunciou esta …

Propostas anticorrupção serão aprovadas “muito em breve”

O Governo garante que já não falta muito para entregar suas propostas no parlamento, depois de Marcelo Rebelo de Sousa vincar que espera que seja em breve que os partidos cumpram as promessas de fazer …

Estalou o verniz no PS/Porto. Autarca de Paços de Ferreira recusa recandidatar-se com "este PS concelhio"

Estalou o verniz no PS/Porto. O presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, Humberto Brito, declarou que não aceitará recandidatar-se ao cargo pela terceira vez “com este PS” concelhio. De acordo com o jornal Público, …

Pode ter sido descoberto um "elo perdido" na história do alfabeto

Uma inscrição alfabética num fragmento de um jarro encontrado em Laquis (Tel Lachish), em Israel, com cerca de 3450 anos, poderá ser um "elo perdido" na história do alfabeto. "Datada do século XV A.C., esta inscrição …