Parkinson afinal não é uma doença… são duas

Um estudo dinamarquês veio mostrar que a doença de Parkinson se divide em dois tipos diferentes – um começa no cérebro e outro nos intestinos – que são os responsáveis pelos diferentes sintomas reportados pelos pacientes.

A doença de Parkinson é caracterizada pela deterioração lenta do cérebro devido à acumulação de alpha-synuclein, proteína que danifica as células nervosas. Isto causa os movimentos lentos e rígidos, normalmente associados à doença, para os quais existe já dispositivo que os pode ajudar a lidar com a condição.

O estudo publicado na Brain revela que a doença se divide em dois tipos diferentes, o que poderá justificar os sintomas bastante diferentes sentidos pelos pacientes, e aponta para tratamentos personalizados como sendo caminho a seguir para estes doentes.

“Com a ajuda de técnicas de scanning avançadas, mostramos que a doença de Parkinson pode estar dividida em duas variantes, que começam em diferentes sítios do corpo“, revelou Borghammer, um dos responsáveis pelo estudo realizado na Universidade de Aarhus, na Dinamarca.

“Para alguns pacientes, a doença começa nos intestinos e espalha-se até ao cérebro através de ligações neurais”, explicou.

Os investigadores usaram técnicas de imagem – Tomografia Nuclear de Positrões e Ressonância Magnética – para examinar pacientes com Parkinson e pessoas não diagnosticadas, mas com alto risco de a desenvolver, como é o caso de quem sofre de Transtorno Comportamental do Sono REM, que tem risco acrescido de a desenvolver.

O estudo mostrou que alguns pacientes apresentavam danos no sistema de dopamina do cérebro antes dos intestinos ou coração ficarem afetados. Noutros pacientes, os exames revelaram estragos no sistema nervoso dos intestinos e do coração, antes do sistema de dopamina do cérebro ser afetado.

Segundo a Science Daily, para Borghammer esta descoberta é muito importante e desafia a compreensão da doença de Parkinson. Além disso, poderá ser muito importante para o tratamento de Parkinson no futuro, visto que deveria ser baseado no padrão da doença em cada indivíduo.

“Até agora, muitas pessoas viam a doença como relativamente homogénea e classificaram-na com base nos distúrbios de movimento típicos. Mas, ao mesmo tempo, ficamos intrigados sobre o porquê de existir uma grande diferença entre os sintomas dos pacientes”, disse Borghammer.

Os investigadores referem-se aos dois tipos de Parkinson como body-first (primeiro o corpo) e brain-first (primeiro o cérebro). No primeiro caso, poderá ser interessante e pertinente investigar a composição da microbiota intestinal.

“Já foi demonstrado há muito tempo que os pacientes de Parkinson têm um microbioma nos intestinos diferente das pessoas saudáveis, sem se entender verdadeiramente o significado disto”, disse o investigador, que considera pertinente examinar a possibilidade de o tipo body-first ser curado através do tratamento dos intestinos.

“A descoberta do tipo brain-first é um desafio maior. Esta variante da doença é provavelmente assintomática até aparecerem sintomas relacionados com o movimento. Nessa altura, o paciente já perdeu mais de metade do sistema de dopamina e, consequentemente, será mais difícil encontrá-los a tempo de atrasar a doença”, afirmou.

Segundo uma investigação realizada há cerca de três anos, existe uma análise sanguínea que poderá revelar sinais de Parkinson 10 anos antes do diagnóstico.

O estudo da Universidade de Aarhus é longitudinal, o que significa que os pacientes são chamados de novo após três e seis meses para que possam ser reexaminados. De acordo com Borghammer, isto faz com que o estudo faculte aos investigadores informação válida e clara sobre o Parkinson.

“Agora temos informação que nos dá esperança para tratamentos mais direcionados e melhor adaptados às pessoas afetadas pela doença de Parkinson no futuro”, disse Borghammer.

De acordo com a Associação Dinamarquesa da Doença de Parkinson, há em todo o mundo mais de oito milhões de pessoas diagnosticadas com esta doença. Em 2050, espera-se que aumente para 15 milhões, devido à população mais envelhecida, sendo que o risco de ter a doença aumenta drasticamente quanto mais velha for a população.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Máscara nos espaços fechados e eventual terceira dose em massa - as conclusões da reunião no Infarmed

Terminou há momentos a reunião do governo com especialistas no Infarmed sobre o balanço da evolução da pandemia e as recomendações das medidas que devem ser adoptadas nesta nova fase. A reunião começou com as …

"Cruzeiro espacial" da SpaceX com quatro civis já está em órbita

Voo espacial terá a duração de três dias e cada um do seus tripulantes (quatro civis) terá uma tarefa na missão. Ainda assim, viagem tem um objetivo nobre e social. Passo a passo, Elon Musk parece …

Líder do PAN faz queixa no Ministério Público depois de ser ameaçada de morte

A deputada mostrou no Twitter o tipo de insultos e ameaças que tem recebido e avisa que não se vai calar ou permitir que o desrespeito continue. Inês Sousa Real foi insultada e ameaçada nas redes …

Árbitro foi muito "benévolo" com o FC Porto

O golo de Taremi e a expulsão de Mbemba originaram protestos portugueses. Os espanhóis têm uma visão diferente. O Atlético de Madrid-FC Porto contou com duas boas equipas em campo e uma "que esteve menos bem", …

Buraco na camada de ozono ultrapassa o tamanho da Antártida

A dimensão do buraco na camada de ozono no hemisfério sul ultrapassou o tamanho da Antártida, continente com cerca de 14 milhões de quilómetros quadrados, anunciou hoje o serviço europeu Copernicus, de monitorização da atmosfera. “O …

Políticos e especialistas querem legalizar canábis (com impostos para prevenir o consumo)

Um grupo de 65 personalidades, entre especialistas médicos e ex-ministros, apela à legalização da canábis, considerando que é a melhor forma de prevenir o consumo desta droga, nomeadamente através dos impostos aplicados ao sector. Esta carta …

Mais 1062 casos e seis mortes por covid-19. Internamentos continuam em queda

Há actualmente 497 doentes internados, menos 30 pessoas do que no último balanço. Mais seis pessoas morreram de covid-19 nas últimas 24 horas. Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais seis mortes e mais 1062 casos …

Crescimento sustentado da economia dá margem ao Governo nas negociações para OE

Governo tem a seu favor uma evolução positiva das receitas fiscais, o que lhe deverá permitir metas mais ambiciosas de redução do défice ou, em alternativa, assumir mais medidas com impacto negativo no orçamento. O crescimento …

Portugal contratou mais professores, mas salários baixaram

Em ano de pandemia, um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) mostra as diferenças que existem nas carreiras dos professores na Europa e em Portugal. O reforço do número de professores no …

Afinal, a crise no transporte marítimo mundial não vai estragar o Natal - pelo menos em Portugal

O transporte de mercadorias está a desacelerar na Ásia e o aumento dos custos está a causar uma onda preocupação na distribuição. Porém, o problema não se deverá fazer sentir na época de Natal. A falta …