Em Paredes, há férias a cada dois meses de aulas

Nem dois semestres, nem dois períodos. No agrupamento de escolas de Cristelo, em Paredes, vai dividir o ano letivo em quatro partes – por isso, há férias (e avaliações) a cada oito semanas.

O agrupamento de escolas de Cristelo, em Paredes, prepara-se para ser pioneiro na avaliação de oito em oito semanas, o que perfaz quatro períodos escolares. A decisão foi tomada depois de o agrupamento ter entrado no Projeto-Piloto de Inovação Pedagógica, há três anos, que deu essa autonomia às escolas.

Segundo o diretor do agrupamento, Mário Rocha, a comunidade educativa não se revê na divisão do ano em dois semestres. O projeto-piloto serviu para implementar outro tipo de inovações. A escola é, aliás, a única, entre as sete selecionadas pela Direção Geral de Educação, que não avançou para a semestralização.

O diretor do agrupamento disse ao Observador que passar de três para dois momentos de avaliação — uma possibilidade alargada a todas as escolas desde 1 de setembro — “não resolve problema absolutamente nenhum e pode inclusivamente acrescentar problemas, como estarmos muito tempo para fazer uma avaliação das aprendizagens”.

Para a comunidade educativa, períodos de avaliação mais curtos e feedback mais frequente aos pais e alunos só trazem vantagens.

Com a entrada no projeto piloto do governo, no início do ano letivo de 2016/2017, foi dada uma maior liberdade a um pequeno grupos de escolas selecionadas para “reorganizarem turmas, horários, matriz curricular, programas e calendário escolar”, lê-se no site da DGE.

Por essa altura, o agrupamento do Cristelo, com turmas desde o ensino pré-escolar até ao 9º ano, testou uma primeira inovação: avançou com referenciais de integração curricular de oito em oito semanas, apesar de continuar a ter apenas os três períodos de avaliação para os alunos.

Os referenciais de integração curricular são “módulos” de disciplinas que trabalham articuladas durante oito semanas. Por exemplo, “Português pode trabalhar em articulação com Geografia, Ciências e Artes. Estas quatro disciplinas, durante oito semanas, trabalham em conjunto”, explicou Mário Rocha. Passado o tempo do módulo, Português poderá juntar-se a Matemática, a Inglês e a Físico-Química.

“Até aqui, os alunos mudavam o currículo de oito em oito semanas, mas não havia paragem porque o calendário escolar tinha os períodos tradicionais”.

Mário Rocha aponta também a criação da semana temática, a última de cada período de oito e, por isso, de cada módulo. Estas semanas dedicam-se “às áreas de competência do perfil dos alunos”, passando a ter as disciplinas mais típicas para cumprirem competências “como linguagem e texto, resolução de problemas, estado de saúde e ambiente”, enumerou o diretor. As aulas passam a ser mais participadas, lúdicas e práticas.

Este ano letivo, ao fim de oito semanas de aulas, os alunos terão uma semana de férias, que serve não só para marcar um momento de avaliação e de alteração no módulo, mas também para os professores poderem preparar o módulo seguinte.

Por terem mais momentos de pausa, os alunos têm menos uma semana de férias no Natal e na Páscoa e menos quinze dias no verão.

As novas regras publicadas pelo ministério da Educação trazem mais autonomia para as escolas. A partir deste ano letivo, os estabelecimentos de ensino podem optar por semestres em vez de períodos e por turmas com menos alunos. A partir do próximo ano letivo as escolas vão poder alargar a flexibilidade curricular a mais de 25% do currículo, se assim o entenderem.

A aprovação dos planos fica condicionada ao cumprimento de requisitos mínimos agora estipulados na lei, desde logo o respeito pela carga horária definida para cada ciclo de ensino.

A redução do abandono escolar e o aumento do sucesso académico são dois dos principais objetivos do projeto de autonomia das escolas iniciado em 2007 para conceder mais autonomia pedagógica, curricular, administrativa e cultural e assim conseguir melhorar os resultados dos seus alunos.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Ensino por módulos ou mais habitualmente designado por projeto que integra varias disciplinas e períodos mais curtos de aulas com interregnos de uma ou duas semanas de avaliação e preparação para o próximo período não é propriamente uma inovação no setor, existindo referencias das vantagens deste sistema que remontam a década de 90. Existem várias escolas (privadas) que utilizam esta metodologia em Portugal, e no estrangeiro. Penso que é um bom sistema, sendo difícil em Portugal para os pais adaptarem-se a essa realidade face a realidade laboral.

  2. A ideia não é má e tem, principalmente, virtualidades no campo da motivação dos alunos, da prevenção da indisciplina e do ritmo mais gradual das aprendizagens.
    Mas parece-me demasiado ambiciosa e largamente inexequível no que respeita a redução das férias, principalmente, as de verão, na coordenação interdisciplinar e no “choque” com os exames e provas nacionais. Além do peso da tradição e do conservadorismo dos professores, claro.

  3. No ensino superior, eu tive a nível de uma única unidade curricular (UC) avaliações, então designadas mini-testes, mas não foi uma metodologia aplicada a todas as UCs, ou seja, essa metodologia foi estipulada pelo professor dessa UC e isso conduziu a que os alunos, incluindo eu próprio, tivéssemos que estudar mais frequentemente e, no final do semestre dessa UC os resultados foram muito positivos. Confesso que este sistema de avaliação é muito mais trabalhoso para os professores porque estão constantemente a fazer e posteriormente corrigir provas de avaliação. Contudo, esse contratempo é minorado pois as provas de avaliação são muito diminutas (poucas perguntas e realizadas com o intuito de as respostas serem sintéticas e, por isso designavam-se de mini-testes.

Afinal, alguns pterossauros sabiam andar bem em quatro patas

Pegadas de pterossauros descobertas em Crayssac, no sul de França, mostram que, afinal, estes dinossauros voadores eram bons caminhantes. Embora os primeiros fósseis de pterossauro tenham sido descobertos há mais de dois séculos, os cientistas não …

Primeiro debate quinzenal arranca esta terça-feira com perguntas de Rio a Costa

Esta terça-feira acontece a o primeira discussão parlamentar entre o líder do PSD, Rui Rio, e o primeiro-ministro, António Costa, depois do Orçamento do Estado. O primeiro debate quinzenal do ano arranca esta terça-feira com as …

Coimas a banqueiros arrastam-se em tribunal. Maioria acaba prescrita

Dez gestores bancários acumulam multas de 16,8 milhões de euros, um montante que iguala todas as coimas decididas pela CMVM a bancos em 15 anos. Dez antigos gestores bancários acumulam coimas de quase 17 milhões de …

O nojo pode levar a pensamentos e sentimentos religiosos

Um novo estudo revela que o sentimento de nojo pode estar na base de pensamentos religiosos. O medo de Deus e do pecado mostrou ser maior em pessoas que se enojavam mais facilmente. Mesmo as pessoas …

"Os pássaros não são estúpidos". Secretário de Estado desvaloriza críticas a aeroporto do Montijo

Os ambientalistas têm alertado que dezenas de milhares de aves de médio e grande porte cruzam-se na zona de proteção especial do estuário do Tejo, junto ao local onde será construído o novo aeroporto do …

Acusado de racismo e sexismo, conselheiro político de Boris demite-se

Andrew Sabisky, conselheiro direto do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, demitiu-se esta segunda-feira, depois de ser acusado de racismo e sexismo pelo próprio Partido Conservador por causa de declarações suas no passado. Em causa estão declarações feitas …

"Impressora de pele" promete ajudar na cicatrização de queimaduras

Uma nova impressora 3D portátil é capaz de depositar "folhas de pele", umas sobre as outras, e criar um curativo biológico para cobrir grandes queimaduras. A nova impressora 3D foi desenvolvida por uma equipa de investigadores …

"Made in Space". A primeira fábrica espacial vai começar a ganhar forma

Com o objetivo de construir coisas cada vez maiores no Espaço, uma empresa do Colorado, nos Estados Unidos, está a preparar-se para uma missão de demonstração de construção. A Blue Canyon Technologies vai fornecer a infraestrutura …

Asteróide que passou recentemente pela Terra não estava sozinho

Astrónomos descobriram que o asteróide 2020 BX12, que passou pela Terra na semana passada, era afinal um sistema binário de asteróides. Estamos a falar do asteróide 2020 BX12, que passou a 4,3 milhões de quilómetros de distância da …

"Parasitas" vai ter uma série na HBO. E já são conhecidos dois nomes do elenco

A produção sul-coreana de Bong Joon Ho, especialmente condecorada pela Academia, merece agora uma adaptação para a televisão pelas mãos da HBO. A série televisiva de "Parasitas" foi anunciada em janeiro e a produção está encarregue …