Para salvar empregos no Vaticano, Papa Francisco corta salários dos cardeais

O Papa Francisco ordenou que os cardeais recebam um corte de 10% na sua remuneração e reduziu os salários da maioria dos outros clérigos que trabalham no Vaticano para salvar os empregos dos funcionários.

A pandemia de covid-19 atingiu a receita do Vaticano. Assim, esta quarta-feira, o Papa Francisco emitiu um decreto a introduzir cortes proporcionais a partir de 1 de abril. Segundo um porta-voz, citado pela agência Reuters, a maioria dos funcionários leigos não será afetada pelos cortes.

O papa de 84 anos, que vem de uma família da classe operária, sempre insistiu não querer despedir pessoas em tempos económicos difíceis, mesmo quando o Vaticano continua a apresentar défices.



Acredita-se que os cardeais que trabalham no Vaticano e que vivem lá ou em Roma recebem salários de cerca de 4.000 a 5.000 euros por mês – e muitos moram em apartamentos grandes com alugueres bem abaixo do valor de mercado.

A maioria dos padres e freiras que trabalham nos departamentos do Vaticano vivem em comunidades religiosas em Roma, como seminários, conventos, paróquias, universidades e escolas, dando-lhes maior proteção contra crises económicas.

Estes religiosos têm despesas de subsistência muito mais baixas do que funcionários leigos – como polícias, porteiros, bombeiros, funcionários de limpeza, restauradores de arte e pessoal de manutenção – que vivem em Roma e muitos dos quais têm família.

É a estes funcionários que o Papa parece querer proteger, uma vez a maioria destas funções não foram listados no decreto papal.

Assim, além dos cardeais, outros clérigos terão os salários reduzidos entre 3% e 8%. Os aumentos salariais previstos para todos, exceto os três níveis salariais mais baixos, serão suspensos até março de 2023. 

Num prefácio de sete pontos no decreto, onde se explica por que esta ação é necessária, o Papa Francisco disse que a pandemia “afetou negativamente todas as fontes de rendimento da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano”. Embora ambos tenham atualmente “capitalização adequada”, o chefe da Igreja Católica sente o dever de garantir “sustentabilidade e equilíbrio entre receitas e despesas” no atual clima económico.

Um importante prelado do Vaticano disse que se acredita que esta é a primeira vez que um Papa toma tal atitude.

A principal autoridade económica do Vaticano disse, no início deste mês, que a Santa Sé, o órgão administrativo central da Igreja Católica em todo o mundo, pode ter que usar 40 milhões de euros em reservas pelo segundo ano consecutivo. Espera-se um défice de cerca de 50 milhões de euros este ano. As receitas são esperadas em cerca de 213 milhões de euros em 2021, uma queda de 30% em relação a 2020.

A Cidade do Vaticano, incluindo os Museus do Vaticano e o Banco do Vaticano, tem um orçamento separado, embora as receitas de ambos sejam frequentemente transferidas para a Santa Sé para ajudar a compensar os défices. A receita da Santa Sé provém de doações, gestão imobiliária e investimentos.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Jerónimo acusa Governo de "falta de vontade" para responder à crise

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu que o Governo "tem meios" e só não responde aos problemas concretos causados pela crise sanitária, por lhe "faltar a vontade", dando como exemplo a questão das …

Marcelo Rebelo de Sousa inicia visita oficial à Guiné-Bissau, 32 anos depois de Mário Soares

Marcelo Rebelo de Sousa inicia esta segunda-feira à tarde a sua primeira visita oficial à Guiné-Bissau enquanto Presidente da República, com um programa intenso, que inclui encontros institucionais, com a comunidade portuguesa e uma homenagem …

Rui Pinto gera discórdia no inquérito ao Novo Banco. PSD levanta dúvidas sobre presença do hacker

No centro da discórdia está Rui Pinto, já que os partidos não conseguem chegar a um consenso sobre a convocatória do hacker para a comissão de inquérito ao Novo Banco. A sua presença será discutida …

Pesca da sardinha reabre hoje após quase sete meses

A pesca da sardinha reabre hoje, após quase sete meses de interdição, com um limite de 10.000 toneladas que deverá ser revisto em junho. No entanto, num diploma publicado em Diário da República no dia 6 …

Cortes do Estado em contratos levaram ao encerramento de 20 colégios

Desde que o Estado começou a cortar nos contratos com os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo já 20 colégios fecharam portas. Em 2016, o Estado começou a implementar cortes graduais nos contratos de associação com …

Portugal vai ser o país europeu com menor percentagem de população ativa

De acordo com as novas projeções, em 2050, Portugal terá 1,6 pessoas em idade ativa por cada idoso, sendo que atualmente conta com 2,9. As projeções do Eurostat, divulgadas pelo Jornal de Notícias, indicam que em …

"Sentimento anti-Modi." Pandemia deixa primeiro-ministro indiano debaixo de fogo

A segunda vaga de covid-19 na Índia tem alfinetado Narendra Modi. Restam saber quais serão as consequências políticas para o primeiro-ministro indiano. Narendra Modi chegou ao poder em 2014, cheio de promessas de crescimento e prosperidade …

"Um dia feliz". Britânicos voltam em força (e até o calor se antecipou)

Turistas de quase toda a Europa podem, a partir desta segunda-feira, entrar em Portugal, no regresso do turismo internacional. É "um dia feliz" para o turismo nacional, sobretudo devido ao regresso dos britânicos que trazem …

FC Porto avança por Beto e já há valores em cima da mesa

O negócio entre o FC Porto e o Portimonense pelo avançado Beto já estará numa fase bastante avançada. Apesar de os três grandes terem demonstrado grande interesse em Beto, segundo avança o jornal O Jogo, são …

Odemira não é um caso único. Em Santarém, há situações "em tudo semelhantes"

O SEF tem investigado em Santarém situações "em tudo semelhantes às investigadas em Odemira e no Alentejo" por auxílio à imigração ilegal e tráfico de pessoas. Odemira tem estado recentemente no centro de toda a atenção …