Para os chimpanzés, matar é um acto natural

Um grande estudo internacional chegou à conclusão que o acto de matar é um comportamento natural para os chimpanzés, causado pela competição entre si e não pela interferência humana como se pensava.

Além dos seres humanos, os chimpanzés são os únicos primatas a atacar mortalmente outros membros de sua espécie, mas os primatologistas discordavam sobre as razões deste comportamento.

Uma das hipóteses seria que tal que acontecesse por influência do homem, ao destruir o seu habitat ou pelo facto de os alimentar, acto que aumentaria a sua agressividade.

Mas a nova investigação, publicada na revista Nature, sugere outro motivo.

Selecção natural

Nunca um estudo tinha reunido tantos dados sobre a letalidade dos incidentes entre chimpanzés.

Mais de 30 cientistas analisaram dados recolhidos após a observação de 18 grupos, num total somado de 496 anos de trabalho.

Foram registados 152 assassinatos, 58 dos quais testemunhados pelos investigadores. Os restantes foram contabilizados com base na análise de corpos ou das circunstâncias relativas à morte ou desaparecimento de um chimpanzé.

Ao comparar as taxas em diferentes locais, os cientistas descobriram que o nível de interferência humana – se tinham sido alimentados ou o seu habitat restringido – tinha pouco impacto sobre o número de assassinatos.

Sebastian Niedlich (Grabthar) / FLickr

Matar outros chimpanzés é um comportamento comum na disputa por recursos e território

Matar outros chimpanzés é um comportamento comum na disputa por recursos e território

Em vez disso, eram as características básicas de cada comunidade que faziam a diferença: o número de  machos de um grupo e a densidade populacional de uma área.

Os chimpanzés viviam em colónias bem definidas, com grupos de machos patrulhando as fronteiras de seu território. É nestes locais que os conflitos costumam ocorrer, especialmente se a patrulha encontrar um macaco de uma comunidade vizinha.

Esses parâmetros permitiram relacionar o grau de violência à selecção natural: matar concorrentes aumenta as hipóteses de um macho ter acesso a recursos, como comida e território, e isso ocorre com mais frequência quando há uma competição maior entre grupos vizinhos.

Evolução

Joan Silk, da Universidade Estadual do Arizona, nos Estados Unidos, diz no artigo publicado na Nature que estes resultados “devem enterrar definitivamente a ideia da influência humana”. A violência dos chimpanzés na natureza é “não é resultado da interferência humana“.

asu.edu

Joan Silk, investigadora da Universidade Estadual do Arizona

Joan Silk, investigadora da Universidade Estadual do Arizona

Silk afirma que a nossa percepção destes animais, nossos primos na escala evolucionária, pode ser distorcida pelo facto de querermos acreditar que só  estão presentes na origem da espécie humana comportamentos agradáveis e pacíficos, não os comportamentos desagradáveis e violentos.

“Esta descoberta não significa que os humanos estão destinados à guerra só porque os chimpanzés matam os  vizinhos”, diz Silk à BBC.

John Mitani, um ecologista comportamental da Universidade de Michigan e um dos autores do estudo, concorda.

“As taxas de assassinatos variam muito de um grupo para outro. Mesmo entre eles, os assassinatos não são algo inevitável”.

“E claro, nós somos humanos, podemos moldar o nosso comportamento de formas que os chimpanzés não conseguem”, conclui Mitani.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Já são conhecidos os nomeados aos Globos de Ouro. Netflix lidera com "O Irlandês" e "Marriage Story"

A cerimónia de entrega de prémios realiza-se a 5 de janeiro de 2020 no hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, e será apresentada por Ricky Gervais. Já são conhecidos os nomeados à 77ª edição dos Globos …

Falhas na formação de médicos levam ministra a criar grupo de trabalho

A ministra da Saúde determinou a constituição de um grupo de trabalho para criar um manual de regras e procedimentos para a avaliação das capacidades de formação de médicos no SNS, depois de falhas apontadas …

Surto de sarampo leva Samoa a fechar escolas e serviços. Ativista anti-vacinação detido

Com o objetivo de conter o surto de sarampo que já matou 60 pessoas, o governo de Samoa está a pedir à população que coloque uma bandeira vermelha em frente às casas nais as pessoas …

Poluição do ar leva Sarajevo a cancelar todos os eventos públicos

As autoridades bósnias consideram que a poluição na capital do país, Sarajevo, atingiu níveis perigosos nos últimos dias. Perante a densa nuvem de nevoeiro que paira na cidade, o governo regional decidiu cancelar todos os …

A banana colada à parede que custou 108 mil euros foi comida

A banana mais cara do mundo, presa a uma parede com fita adesiva, foi descascada e comida por um artista que visitava o stand da galeria Perrotin, na feira de arte contemporânea Art Basel, nos …

Empresas norte-americanas reforçam domínio na venda global de armas

O Instituto Internacional de Estudos de Paz de Estocolmo (SIPRI) revelou esta segunda-feira que as empresas norte-americanas aumentaram o domínio no comércio global de armas em 2018, para 59% do volume total entre as 100 …

Faltam medicamentos para doenças crónicas nas Farmácias (e ninguém sabe porquê)

Há medicamentos para doenças crónicas que estão, constantemente, em falta nas Farmácias Portuguesas. Uma situação preocupante, sobretudo para os pacientes que deles precisam, e que não tem uma explicação. A Associação Nacional de Farmácias está …

Mais de dois mil coalas mortos devido aos incêndios na Austrália

O presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país, desde o início de novembro, provocaram a morte a mais de dois mil coalas. O …

Regionalização sem referendo é “golpe de estado palaciano”

Luís Marques Mendes falou este domingo, no habitual espaço de comentário político na SIC, sobre a regionalização, os "tempos difíceis para a direita", Greta Thunberg e Joe Berardo. Houve ainda tempo para falar sobre o …

China diz que detidos em Xinjiang estão "formados" e "vivem felizes"

Um alto quadro do regime chinês afirmou, esta segunda-feira, que os membros de minorias étnicas chinesas de origem muçulmana mantidos em "centros de treino vocacional" no extremo oeste do país já se "formaram" e levam …