Google lança novas ferramentas para tentar chegar a todos os tons de pele

Google

Novo mecanismo criado pela Google para reproduzir mais fielmente todos os tons de pele

Em parceria com Ellis Monk, a Google desenvolveu uma escala de tons que visam representar com mais precisão as cores humanas. O objetivo é que seja usada internamente, mas não só.

A Google anunciou esta semana um conjunto de iniciativas com o objetivo de criar uma experiência mais inclusivas dos seus produtos para as pessoas em todo o espectro de tons de pele.

Durante uma conferência da empresa, esta revelou uma nova escala de 10 tons de pele humanos representativos que as pessoas podem combinar com os seus ou com os mostrados em fotografias.

O sistema foi desenvolvido por Ellis Monk, um professor da Universidade de Harvard conhecido pela sua investigação sobre tom de pele e colorismo.

Num estudo liderado pelo Google e que visava avaliar a ferramenta, um conjunto diversificado de participantes descobriu que a nova Escala de Tom de Pele de Monk é representativa de um maior número de tons de pele, pelo que a empresa está também a divulgar o conjunto de cores e informações para que outros possam adotar a escala ou até sugerir melhorias.

A Google prevê que a escala possa fornecer um método padronizado para as pessoas da indústria tecnológica construírem e testarem produtos num conjunto alargado de tons de pele humana, fornecendo uma forma uniforme de discutir que tons de cores são ou não bem servidas por um determinado produto. “Trata-se de criar uma conversa da indústria”, apontou Tulsee Doshi, chefe de produto de IA (Inteligência Artificial) responsável no Google.

A nova escala será utilizada internamente na Google para avaliar ferramentas de pesquisa, algoritmos de deteção facial e outros sistemas automatizados para assegurar que funcionam bem numa vasta gama de tons de pele humana, explicou a mesmo responsável.

Historicamente, uma série de tecnologias dos sistemas de IA (incluindo algumas do Google), assim como as câmaras fotográficas têm tido opções defeituosas por terem um melhor desempenho no tratamento de imagens de pessoas brancas do que de pessoas de cor.

A Google procurará também garantir que os resultados de pesquisa para termos relacionadas com tons de pele neutros, tais como “bebé giro“, não sejam tendenciosos em relação a cores particulares, diz Doshi.

“Estamos a tentar identificar quando as consultas são homogéneas, mostrando apenas um pequeno número de tons de pele e realmente melhorar a diversidade dos resultados“, diz ela.

A empresa está também a lançar novos filtros para o Google Photos como parte do seu atual sistema de Real Tone, que foi concebido para ajudar a gerar fotos de alta qualidade para uma vasta gama de tons de pele.

Uma escala de tons de pele padronizada poderá, ao mesmo tempo, ajudar as pessoas dentro da empresa e, potencialmente, a indústria a comunicar rapidamente as questões relacionadas com a cor da pele, diz Doshi.

O Google também revelou uma ferramenta de refinamento de pesquisa de tons de pele que está a adicionar a certos resultados da Pesquisa de Imagens do Google, começando pelos relacionados com a maquilhagem, deixando as pessoas filtrarem por imagens que se pareçam com elas ou com alguém por quem estão, por exemplo, a comprar.

Essa ferramenta pode não refletir exatamente a escala do Monge: Doshi diz que a empresa continuará a aperfeiçoá-la com base no que as pessoas considerarem útil.

Desta forma, parece provável que a escala Monk seja frequentemente utilizada nos bastidores do Google (e de qualquer outra organização que a adote), em vez de ser uma ferramenta que os utilizadores diários da Internet e do telefone irão utilizar para descrever os seus próprios tons de pele.

Mas, diz Doshi, prevê que a sua utilização no desenvolvimento e teste de produtos irá melhorar os produtos do Google para uma vasta gama de utilizadores. “Fazer esse tipo de trabalho não é algo que seja necessariamente visível para o utilizador, mas é algo que apenas tornará os nossos produtos melhores”, concluiu.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE