/

O edifício mais antigo do mundo ainda em funcionamento “mora” em Roma

2

O Panteão de Roma, o edifício mais antigo desta cidade italiana, continua a ser utilizado nos dias de hoje, cerca de 2.000 anos depois da sua construção.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Edificado em meados de 125 a.C sob a ordem do imperador Publius Aelius Hadrianus, o edifício é utilizado como uma igreja católica romana desde o século VII, sendo mesmo o edifício mais antigo do mundo ainda em funcionamento.

“Qualquer pessoa que pise no Panteão [romano] sente imediatamente o peso esmagador da história humana, mas também a incrível leveza da criatividade humana”, disse à emissora norte-americana CNN John Ochsendorf, professor de arquitetura do MIT, nos Estados Unidos, e antigo diretor da Academia Americana em Roma.

“Chegamos a este grande espaço, olhamos para cima e vemos o céu ou uma nuvem a passar. E pensamos: ‘Como é que puderam ter construído isto há quase dois milénios?”.

O edifício que conhecemos atualmente, construído sob a ordem de Publius Aelius Hadrianus, é, na verdade, a terceira tentativa da criação desta estrutura.

O primeiro Panteão romano foi consumido por um incêndio volta de 80 d.C, sendo reconstruido pouco tempo depois, por volta de 110 d.C, mas acabou por ser atingido por um raio que causou um novo incêndio que o voltou a destruir.

O destino cruel da estrutura alimentou rumores de que o Panteão estivesse amaldiçoado.

Apesar de ser uma obra arquitetónica icónica do Império Romano, os especialistas não têm a certeza sobre o seu propósito original e o facto de existirem poucas menções à sua construção em textos antigos deixa os historiadores no “escuro”.

Panteão significa “todos os deus” e acredita-se que fosse um local de adoração, uma espécie de templo, dedicado às divindades romanas, mas a historiadora Lynne Lancaster recorda que os edifícios romanos eram, por norma, estruturas multi-funcionais.

Por isso, é realmente difícil dizer o que aconteceu ao Panteão“.

A emissora norte-americana recorda que as lendas sustentam que foi no Panteão onde o fundador de Roma, Romulus, ascendeu ao céu. Outros acreditam que este edifício era utilizado pelo imperador romano para comunicar com os deus.

O seu propósito original continua envolvo em mistério, mas a estrutura foi, segundo os especialistas, uma demonstração de poder, um “símbolo importante do poder imperial”, considerou Luca Mercuri, o atual diretor do Panteão romano.

A arquitetura romana da época incorporava riqueza, força e dignidade. Séculos depois da sua construção, arquitetos neoclássicos referenciariam a combinação do pórtico e da cúpula do Panteão romano para dotar os seus edifícios com os mesmos valores, desde o Capitólio dos Estados Unidos, em Washington, até à Somerset House, na cidade de Londres.

  ZAP //

2 Comments

  1. Em 125 a. C., Adriano estava muito longe de nascer e nem sequer o Império Romano existia. Visto de longe, um período de 250 anos parece curto mas, para dar uma escala, há 250 anos o primeiro ministro (Secretário de Estado do Reino) chamava-se Sebastião José de Carvalho e Melo.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.