Pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo “correu mal”

Mário Cruz / Lusa

O presidente do Partido Social Democrata (PSD), Rui Rio

O líder social-democrata, Rui Rio, entende que a Direção Geral da Saúde “não está a responder devidamente” aos novos focos de pandemia na área metropolitana da capital.

O presidente do PSD, Rui Rio, disse este sábado, em Coimbra, que a ação do Governo no controlo da pandemia da covid-19 “correu mal” nas últimas semanas na região de Lisboa e Vale do Tejo. “Olhando aos resultados da ação governativa em Lisboa e Vale do Tejo nas últimas duas, três semanas, naturalmente, são dados objetivos que correu mal“, frisou o líder social-democrata, no final da reunião do Conselho Estratégico Nacional do partido.

Aos jornalistas, o dirigente considerou natural que existam críticas ao Governo “sob a forma ao retardador que foi a resposta pública à evolução da pandemia em Lisboa e Vale do Tejo”, quando já existia experiência a lidar com a pandemia.

Instado a dizer o que faria de diferente se liderasse o Governo, Rio não quis referir medidas, mas disse que teria de “introduzir a dinâmica que a Direção-Geral da Saúde (DGS) precisa e de estar também mais atento para responder mais depressa”.

“Sabia o que tinha de fazer do ponto de vista da postura relativamente ao problema e aos serviços”, salientou, adiantando que a DGS “não está a responder devidamente“.

Questionado pelos jornalistas, o presidente do PSD referiu ainda que “compreende a colaboração” do Presidente da República com o Governo, embora desde o início do mandato não tenha “estado sempre de acordo” com Marcelo Rebelo de Sousa.

Quanto ao Orçamento Suplementar apresentado pelo Governo, Rui Rio disse que, depois de o PSD ter deixado passar o documento na generalidade, “provavelmente”, também será aprovado “na votação final global por uma questão de interesse nacional”.

Era gravíssimo se o Orçamento Suplementar chumbasse e o país ficasse sem meios financeiros para responder aquilo que é necessário”, referiu o dirigente.

O PSD prefere, no entanto, deixar passar o documento a ” castrar o país, que ficava sem meios financeiros”, mesmo que “tenha algumas coisas” que o PSD poderia “fazer diferente” se estivesse no Governo, acrescentou Rui Rio. “Só numa situação limite é que faríamos uma coisa dessas”, sublinhou.

A reunião de hoje do Conselho Estratégico Nacional foi a primeira realizada sob a liderança de Joaquim Miranda Sarmento, o ‘homem forte’ do PSD para as finanças públicas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Rui Rio se fosse o senhor no governo corria bem? Pode garantir? O governo fez muita coisa mal mas uma grande parte dos cidadãos também está a contribuir para que o vírus alastre mais, ninguém, pode garantir que fazia melhor ou pior, só populistas podem dizer que com eles esta situação não iria acontecer, qualquer pessoa responsável sabe que nem Portugal nem País nenhum na Europa e no Mundo que tenha médicos especialistas nem hospitais que cheguem para socorrer a uma situação tão grave, e o senhor sabe melhor que o cidadão comum, deveria sim o senhor e todos os responsáveis políticos era transmitir mensagens para o cidadão cumprir os conselhos dados pelos vários especialistas e organismos responsáveis, tanto Nacionais como internacionais.

RESPONDER

Dez empresas e três pessoas acusadas no caso do vulcão na Nova Zelândia que fez 22 mortes

Dez empresas e três pessoas foram acusados de não cumprirem obrigações de segurança quando um vulcão na Nova Zelândia entrou em erupção em 2019, matando 22 pessoas, anunciou hoje a agência responsável pelas normas de …

Taxa de desemprego desce em setembro para os 7,9%

A taxa de desemprego recuou em setembro para 7,9%, menos 0,2 pontos do que em agosto e mais 1,4 pontos que no mesmo mês de 2019, segundo dados esta segunda-feira anunciados pelo Instituto Nacional de …

Multinacionais com mais respeito pelos direitos humanos e ambiente? Suíços dizem não

A Suíça rejeitou este domingo, em referendo, uma iniciativa que queria impor obrigações legais mais rígidas às empresas, no que se refere ao respeito pelos direitos humanos e padrões ambientais, segundo projeções adiantadas por instituto …

Brasil. Forças alternativas a Bolsonaro e Lula conquistam metade das capitais estaduais

Na segunda volta das municipais brasileiras, disputadas em 57 dos 5565 municípios do país e envolvendo mais de 38 milhões de eleitores, os políticos apoiados pelo Presidente Jair Bolsonaro e os candidatos do Partido dos …

Surto de gripe aviária no Reino Unido origina o abate de 10 mil perus

Mais de 10 mil perus vão ser abatidos no Reino Unido, devido a um surto de gripe aviária detetado numa quinta na cidade de Yorshire, no norte do país, anunciou este domingo o Governo britânico. Segundo …

Portugal com mais 78 mortos e 3.262 novos casos

Portugal contabiliza esta segunda-feira mais 78 mortos relacionados com a covid-19 e 3.262 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da pandemia, Portugal já registou 4.505 …

Ministra da Saúde timorense ordena apagar referências a uso de preservativos em cartazes

A ministra da Saúde timorense ordenou retirar a recomendação de uso de preservativo em cartazes distribuídos pelo país para marcar o Dia Mundial de Luta contra a SIDA, por oposição “moral” ao que considera ser …

Messi marcou na goleada do Barça e homenageou Maradona

O Barcelona regressou neste domingo às vitórias na Liga espanhola de futebol e subiu ao sétimo lugar da prova, ao golear por 4-0 na recepção ao Osasuna, em jogo da 11.ª jornada, marcado por homenagens …

Austrália exige pedido de desculpa à China após publicação de imagem no Twitter

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, exigiu esta segunda-feira um pedido de desculpas da China por causa de uma publicação na rede social Twitter divulgado por um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês. "O Governo chinês …

MP analisa donativos de comunidade chinesa às vítimas de Pedrógão

Os donativos de 91 mil euros feitos pela comunidade chinesa em Portugal à Câmara de Pedrógão Grande, visando ajudar as vítimas dos incêndios de 2017, estão a ser analisados e o Ministério Público de Figueiró …