Países apelam à sustentabilidade, mas lucram com os responsáveis pelas alterações climáticas

O Reino Unido, a Noruega e o Canadá são três dos países que mais se congratulam pelo seu contributo na pegada ecológica. Contudo, por trás de todas as iniciativas, ainda existem ações que estão a contribuir de forma negativa para as alterações climáticas.

Em Oslo, na Noruega, os postes de eletricidade e os transportes públicos são alimentados por energias renováveis. Para economizar energia, as luzes inteligentes diminuem quando não há ninguém por perto. Nesta cidade, no que diz respeito à mobilidade, dois terços dos novos carros são elétricos.

A capital norueguesa, tal como o resto do país, orgulha-se das suas credenciais verdes. Só existe um problema: muitas das inovações ambientais de que o estado tanto se orgulha são financiadas pelo dinheiro proveniente da venda do petróleo. O país, além de ter uma ampla visão do futuro sustentável, também é um grande exportador de combustíveis fósseis – e pretende manter o negócio.

No entanto, há outros exemplos de países que apregoam a sustentabilidade e, ao mesmo tempo, lucram com o que está a causar as mudanças climáticas.

No caso do Reino Unido, o país irá receber uma conferência do clima ainda este ano, mas ainda assim está a pensar em abrir uma nova mina de carvão. Também no Canadá, o Governo está a injetar dinheiro num projeto de um oleoduto.

Estes são apenas três exemplos de muitos países que produzem combustíveis fósseis, apesar de se comprometerem a combater as mudanças climáticas. Contudo o Canadá, a Noruega e o Reino Unido destacam-se pelo seu posicionamento como “campeões do clima”.

O objetivo do Acordo de Paris é limitar o aumento da temperatura média global a níveis bem abaixo dos 2ºC. Para isso, o mundo precisa de cortar a produção de combustíveis fósseis em cerca de 6% por ano entre 2020 e 2030. Ainda assim, as projeções atuais mostram um aumento anual de 2%.

Tanto o Reino Unido, como a Noruega ou o Canadá estabeleceram metas ambiciosas neste sentido. Londres e Toronto prometeram reduzir as suas emissões para zero carbono líquido até 2050. Já Oslo comprometeu-se a tornar o país neutro em carbono até 2030.

Andrew Grant, diretor de pesquisa do clima, energia e indústria do Carbon Tracker, aponta que muitos produtores dependem economicamente das receitas de combustíveis fósseis e, apesar de saberem que o mundo irá precisar de se livrar deles em breve, ninguém quer ser o primeiro a sair.

“No Oriente Médio é porque o custo é muito baixo, no Canadá falam sobre o histórico de direitos humanos, na Noruega destacam a baixa intensidade de carbono da sua produção, no Reino Unido é porque têm campos maduros de infraestrutura, nos EUA estavam até a dizer que iam exportar moléculas”, revelou à CNN, enumerando algumas das justificações de vários países para continuarem com este tipo de ações.

A produção de combustíveis fósseis é cara, mas muitos governos argumentam que parar agora seria um desperdício de dinheiro, geralmente público, já gasto em projetos e explorações existentes.

Talvez por essa razão o Reino Unido, a Noruega e o Canadá estejam a planear continuar a produzir combustíveis fósseis, investindo em novos projetos e explorações.

De acordo com o Regulador de Energia do Canadá, a produção de petróleo bruto do país deve continuar a aumentar até 2039. As reservas de petróleo do Canadá são de aproximadamente 168 bilhões de barris, segundo dados do governo.

Por seu lado, a Autoridade de Petróleo e Gás do Reino Unido estima que, no final de 2019, as reservas de petróleo do Reino Unido estavam em 5,2 bilhões de barris, o suficiente para continuar a produção durante mais duas décadas.

O Reino Unido como um todo produziu o equivalente a 454 milhões de toneladas de CO2 em 2019, os últimos números disponíveis. O seu plano é reduzir esse volume para 193 milhões de toneladas de CO2, anualmente, até 2033.

Os números são apenas estimativas, mas ilustram um grande problema: os planos nacionais para reduzir as emissões não somam o total global necessário. O mesmo acontece noutros países.

  Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Vamos pôr este artigo do lado positivo… Se os países em questão pararem de produzir petróleo o que acontecerá? Vai acabar o investimento em energias renováveis… Ora este investimento é maiorietariamente responsável pela “revolucão” tecnológica que se tem vindo a assistir no mundo nos ultimos anos no que diz respeito a energias renováveis! Tem que vir de algum lado correcto? Vamos a outro exercicio: Os países do artigo ocupam os seguintes lugares na tabela de países produtores de petróleo – Canadá 5., Noruega 13., Reino Unido 19., mas no entanto são dos maiores investidores em energias renováveis. Um exemplo simples e prático: O uso e abuso de Coca-Cola faz mal à saúde… Então vamos acabar com a marca RC cola que procura desenvolver uma bebida ecológica (apesar de continuar a ser uma bebida não recomendada)! Será que essa accão irá acabar com o uso e abuso de Coca-cola no mundo? Ou terá o efeito contrário, visto que não haverá mais opcões no mercado? A industria petrolifera funciona de igual forma, sendo por exemplo a Noruega a RC Cola que representa 2% do mercado global de produtores de petróleo, mas contribui com o dinheiro do petróleo para mais de 30% dos investimentos em energias renováveis no mundo!! Este é o lado positivo que o artigo deveria mencionar!

RESPONDER

Na Roménia, quem não foi vacinado é sujeito a um recolhimento obrigatório durante a noite

A Roménia proibiu as pessoas que não foram ainda vacinadas contra a covid-19 de saírem de casa entre as 22h e as cinco da manhã. Durante este horário, os habitantes que não apresentarem um certificado de …

Tribunal de Contas alerta para risco de incumprimento do PRR

O Tribunal de Contas (TdC) alerta, esta terça-feira, para o risco de incumprimento do Programa de Recuperação e de Resiliência (PRR). "No período compreendido entre 2014 e 2020, o PT2020 registou sempre baixas taxas de execução, …

Sporting e FC Porto trocaram jogadores por 11 milhões de euros

Sporting CP e FC Porto trocaram jogadores entre si, pagando 11 milhões de euros cada. Marco Cruz rumou a Alvalade, enquanto Rodrigo Fernandes transferiu-se para o Dragão. Em comunicado enviado à CMVM, o Sporting CP divulgou …

José Sena Goulão / Lusa

PSD e CDS marcham ao ritmo de uma crise política — e já se fala em eleições internas

O cenário de crise política serviu de tónico para PSD e CDS começarem a estudar a escolha das suas lideranças face a legislativas antecipadas. Especulam-se eleições internas, tanto para sociais-democratas como para centristas. A dois dias …

Pescadores indonésios podem ter encontrado a mitológica "Ilha do Ouro"

Pescadores indonésios encontraram um tesouro que pode revelar a localização da mitológica "Ilha do Ouro", cujos governantes acumularam riquezas lendárias. O Império Serivijaia foi um antigo império malaio da ilha de Sumatra, no sudeste asiático, com …

Otamendi e Vertonghen disputam a bola com Lewandowski

UEFA: como é que o Benfica travou o Bayern durante 70 minutos?

Agressividade, coragem e pressão alta: a análise do painel da UEFA à derrota do Benfica contra o campeão alemão. O jogo acabou com uma derrota clara, por 0-4, mas durante a maioria do duelo o Benfica …

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, em conferência de imprensa

À 25.ª hora, não se esperam golpes de magia. O fim do que restava da geringonça está praticamente consumado

A corda já não estica: nem para o lado do Governo, nem para a outrora enamorada esquerda. Todos batem o pé na reta finalíssima e a vigésima quinta hora não parece trazer novidades. "Tudo tem um …

Segundo mandado de detenção de Rendeiro poderá ser anulado

O ex-líder do Banco Privado Português (BPP) tem dois mandados de captura internacional, sendo que um deles pode vir a ser anulado. Segundo o jornal online Observador, foi o próprio Ministério Público (MP) que pediu ao …

Novo estudo mostra de que forma a covid-19 pode danificar as células cerebrais

O estudo é a primeiro a demonstrar de que forma o vírus SARS-CoV-2 pode atingir diretamente as células do cérebro. Os investigadores descobriram que as células vasculares que compõem a barreira hematoencefálica podem ser destruídas pelo …

E se o Orçamento chumbar? Costa não se demite - e o Governo ainda pode aprovar “diplomas fundamentais”

O primeiro-ministro já esclareceu que não tenciona demitir-se em caso de chumbo do Orçamento do Estado 2022, mas a sua governação ficará limitada. Na possibilidade de haver um chumbo do Orçamento do Estado, Marcelo Rebelo de …