Quase todos os pais preferem comprar manuais escolares novos

Bindaas Madhavi / Flickr

Em média, as famílias portuguesas vão gastar cerca de 487 euros em material escolar

Quase todos os pais portugueses (97%) preferem comprar livros escolares novos a usar os manuais atribuídos pelas escolas, os emprestados ou os comprados em segunda mão, refere um estudo publicado esta quarta-feira por uma empresa de crédito pessoal.

O valor é idêntico ao de2016, segundo dados da mesma entidade (Observador Cetelem), mas revela uma subida face a 2017. No ano passado, a intenção de adquirir livros novos para a escola apresentava uma tendência de redução, sendo a opção de 93% dos pais.

O estudo, feito com base num inquérito realizado a 600 pessoas, indica, no entanto, que os encarregados de educação acabam por usar livros de várias origens para os alunos.

A opção pelos livros fornecidos pela escola (ou pelo Ministério da Educação) é uma escolha na qual apenas 8% dos encarregados de educação mostraram interesse, enquanto os livros em segunda mão ou emprestados são opções com cada vez menos interesse para os pais, tendo passado de uma média de 12% para 8%.

No ano letivo que terminou, os manuais escolares foram gratuitos para os alunos do 1.º ciclo das escolas públicas e, este ano (2018-2019) serão gratuitos até ao 6.º ano de escolaridade.

Segundo o inquérito realizado, as famílias portuguesas contam gastar, este ano, uma média de 487 euros em material escolar, mais 88 euros do que no ano passado.

A compra de livros, mochilas e cadernos para o próximo ano letivo vai custar, em média, mais 22% do que no ano passado e mais 7% do que há dois anos.

A compra dos livros escolares é feita sobretudo nos hipermercados e supermercados, onde vão 88% dos pais e encarregados de educação. Opção que, segundo o estudo, tem vindo a aumentar nos últimos anos. Em 2016, os supermercados eram a escolha de 66% dos pais.

Ainda assim, refere o estudo, o material continua a ser comprado em vários locais, sendo que “as papelarias demonstram uma estabilidade enquanto alternativa para a compra de manuais escolares”. De acordo com o inquérito realizado este ano, 81% das famílias também mostrou interesse em comprar material em livrarias.

Já a Internet revelou uma quebra considerável, tendo sido o local escolhido de compra dos livros escolares de 42% dos pais, no ano passado, mas reunindo o interesse de apenas 25% das famílias, este ano.

As despesas com a educação dos filhos levam um terço dos pais a ter uma poupança dedicada a este custo, coisa que quase metade das famílias (47%) referiu não poder ou querer fazer.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Governo disponível para retomar reuniões no Infarmed (mas nega falta de informação)

O Governo manifestou esta quinta-feira “abertura para retomar as reuniões” no Infarmed sobre o ponto de situação da epidemia de covid-19, mas rejeitou falhas na informação ao parlamento e aos partidos. Na conferência de imprensa do …

Israel e Emirados Árabes Unidos alcançam "acordo histórico" mediado pelos Estados Unidos

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou esta quinta-feira que Israel e os Emirados Árabes Unidos concordaram em estabelecer relações diplomáticas plenas, como parte de um acordo para impedir a anexação israelita de terras ocupadas pelos …

Em contingência, Câmaras de Lisboa passam a definir horários do comércio. O (pouco) que muda este sábado

A generalidade de Portugal continental continuará em situação de alerta e a Área Metropolitana de Lisboa em situação de contingência até ao final do mês devido à pandemia de covid-19, anunciou o Governo. Segundo explicou esta …

Três meses depois do anúncio, o apoio de emergência às Artes ainda não chegou

Cinquenta das 311 entidades abrangidas pela Linha de Apoio de Emergência às Artes, dotada de 1,7 milhões, ainda não tinham esta quinta-feira recebido o valor que lhes foi atribuído, três meses depois do anúncio dos …

Avaliação dos professores, "mock exams" e testes no outono. Britânicos podem "escolher" as próprias notas

O Governo britânico deu aos estudantes de liceu três alternativas diferentes para obterem o resultado das suas avaliações deste ano letivo, que foi atípico devido à pandemia de covid-19. De acordo com o jornal britânico The …

Governo reitera que não há exceções para a Festa do Avante. Críticas multiplicam-se

A ministra de Estado e da Presidência destacou que o Governo “não tem competências legais ou constitucionais” para proibir iniciativas políticas como a Festa do Avante!, mas salientou que não serão admitidas exceções às regras. Na …

Trabalhadores que estiveram em lay-off durante pelo menos 30 dias também vão ter bónus

O Conselho de Ministros aprovou um decreto-lei que clarifica que os trabalhadores que estiveram em lay-off por mais de 30 dias consecutivos, mesmo sem completar um mês civil, vão receber o complemento de estabilização. "Criado com …

Marcelo pede tolerância zero contra o racismo (e pede “sentido nacional” a Governo e oposição)

O Presidente da República recomendou esta quinta-feira aos democratas “tolerância zero” e “sensatez” para combater o racismo, ao comentar as ameaças de que foram alvo três deputadas e outros sete ativistas. “Os democratas devem ser muito …

43% das escolas no mundo sem condições de higiene para reabertura segura

Mais de 40% das escolas no mundo não têm acesso a condições básicas de higiene, como água para lavar as mãos e sabão, aumentando os riscos de reabertura no contexto da pandemia de covid-19, alertam …

Mais seis mortes, 325 novos casos e 237 recuperados

Portugal regista esta quinta-fira mais seis mortes por covid-19, 325 novos casos de infeção e mais 237 pessoas dadas como recuperadas em relação a quarta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …