Cientistas propõem que indústria da moda pague “royalties” pelo padrão leopardo

Cientistas de Oxford, no Reino Unido, propõem que a indústria da moda comece a pagar royalties pelo uso do padrão que imita a pele de leopardo, para tentar ajudar a reverter o declínio deste felino.

“O padrão leopardo é uma das tendências mais duradouras da moda. Mas, infelizmente, os próprios leopardos desapareceram de mais de 75% da sua distribuição histórica e já se encontram extintos em pelo menos uma dúzia de países e regiões”, afirmou, em comunicado, Caroline Good, da Unidade de Pesquisa em Conservação da Vida Selvagem da Universidade de Oxford (WildCRU) e responsável por esta pesquisa.

A investigadora explicou que a equipa decidiu então “quantificar o interesse do padrão leopardo na indústria da moda, analisando os meios de comunicação tradicionais, a atividade no Google e publicações de Instagram”.

“Descobrimos que, embora haja 2,9 milhões de posts no Instagram com a hashtag #leopardprint e 80 mil artigos de notícias em Inglês num período de 15 anos, há muitas poucas provas de que este interesse leve à discussão de questões em torno da perda de biodiversidade e da crise de extinção. Por exemplo, nos media tradicionais, menos de 2% das referências ao padrão leopardo estavam associadas ao estado de conservação do animal”, declarou na mesma nota.

“Há uma clara desconexão entre o interesse contínuo na moda do padrão leopardo e a falta de interesse – ou preocupação – com o próprio animal”, lamentou ainda Good, uma das autoras do estudo publicado, a 15 de fevereiro, na revista científica Journal for Nature Conservation.

Porém, os investigadores dizem que, embora este desinteresse apresente desafios, também pode trazer oportunidades para a conservação do leopardo (Panthera pardus).

“Neste artigo, revisitamos a nossa ideia de implementar uma espécie de royalties para o uso do simbolismo de animais em economias culturais prósperas, o que poderia revolucionar o financiamento da conservação. Seria um grande desafio que envolveria compromissos de muitas partes, mas acreditamos que é uma ideia que vale a pena explorar”, disse, por sua vez, David Macdonald, diretor do WildCRU e co-autor do estudo publicado em 2017.

A equipa sugere que, com a grande quantidade de produtos com padrão leopardo vendidos em todo o mundo anualmente, mesmo o menor royalty pago por cada um deles como uma troca de benefício mútuo poderia ter um grande impacto no financiamento para a conservação deste animal.

“Esperamos que este estudo seja do interesse de ONGs conservacionistas que procuram campanhas de marketing inovadoras, bem como de marcas de moda com fins lucrativos e revendedores que se querem envolver com consumidores que exigem responsabilidade social. Esta é uma solução potencial de longo prazo para financiar a conservação do leopardo que poderia ser implementada em todo o mundo”, conclui Macdonald.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Matheus: "Não sei o que se passa em Barcelona, nem me trataram como jogador"

Matheus Fernandes tinha contrato com os catalães até 2025 mas, em junho, soube que ia sair do clube... por e-mail. Já assinou pelo Palmeiras mas não esquece o que aconteceu em Espanha. Tinha sido um dos …

Quem são os 91 portugueses nos Jogos Olímpicos (e as 4 medalhas que vão conquistar)

Participação portuguesa em Tóquio arranca neste sábado. Serão 91 atletas espalhados por 17 modalidades. Associated Press fez previsão para todas as especialidades presentes nos Jogos Olímpicos. Portugal teve 17 atletas na cerimónia de abertura dos Jogos …

Encontrada "impressão digital" do megatsunami provocado pelo asteróide que matou os dinossauros

Cientistas encontraram uma "impressão digital" no centro do Luisiana, nos Estados Unidos, do megatsunami provocado pelo asteróide que levou à extinção dos dinossauros. A devastação causada pelo asteróide que exterminou os dinossauros há 66 milhões de …

De que forma é o universo? Astrofísicos acreditam que pode ser um donut 3D gigante

Um novo estudo pode vir mudar a percepção de que o universo é infinito. Será que o universo é infinito? Qual será a forma do cosmos? Já há séculos que estas perguntas andam nas mentes dos …

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …