Cientistas foram ouvir pássaros em 200 mil sítios diferentes e tiraram uma triste conclusão

2

Vídeo ZAP com o apoio de: Chip7 – 50 lojas de informática próximo de si

Uma equipa de investigadores foi ouvir pássaros a cantar em 200 mil sítios diferentes ao longo de vários anos — e percebeu que estão a ficar mais silenciosos.

Imagine ouvir a sua peça orquestral favorita tocada num local de classe mundial — e apenas as secções de sopro e percussão aparecem. Quer estejamos cientes ou não, esta paisagem sonora escassa é semelhante ao que vivemos frequentemente quando vamos aos nossos parques ou reservas naturais favoritas.

Os sons produzidos pelo mundo natural estão a mudar, o que significa que os benefícios que ganhamos por estar na natureza provavelmente também mudarão.

Há um reconhecimento crescente do valor de passar tempo na natureza para a saúde e o bem-estar humanos. Ao mesmo tempo, vivemos uma crise ambiental global, com declínios contínuos e generalizados da biodiversidade. Isto significa que a qualidade das nossas interações com a natureza também tendem a diminuir.

Embora todos os nossos sentidos possam contribuir para as nossas experiências da natureza, o som é particularmente importante: os sons da natureza têm o poder de melhorar o humor, diminuir a dor e reduzir o stresse.

Um novo estudo, publicado na revista Nature Communications, explora como a perda de biodiversidade a longo prazo, bem como as mudanças nos habitats das espécies em resposta às alterações climáticas, estão a alterar rapidamente as paisagens sonoras do mundo natural.

Gravações de paisagens sonoras anteriores não estão disponíveis na maioria dos lugares. Os cientistas precisavam de encontrar uma maneira de reconstruir paisagens sonoras históricas para que pudessem rastrear como é que mudaram ao longo do tempo.

Para fazer isto, usaram dados anuais de monitorização de aves recolhidos através de pesquisas de aves em mais de 200.000 locais na Europa e América do Norte. Estas pesquisas geraram listas de quais espécies e quantos indivíduos foram contados em cada local a cada ano.

Depois, traduziram estes dados em paisagens sonoras combinando-os com gravações de sons para espécies individuais descarregadas do Xeno-canto, um banco de dados online de cantos de pássaros.

Primeiro, os autores cortaram todos os arquivos de som descarregados para 25 segundos. Depois, começaram com um arquivo de som vazio de cinco minutos, inseriram o mesmo número de arquivos de som para uma espécie conforme havia indivíduos contados.

Isto significa que se houvesse cinco indivíduos de uma determinada espécie contados no levantamento, inseriam cinco arquivos de som de 25 segundos daquela espécie.

Colocando em camadas o número apropriado de arquivos de som para cada espécie, os cientistas foram capazes de construir uma paisagem sonora composta para cada local que representava como seria estar ao lado de um observador enquanto eles completavam a sua contagem anual de pássaros.

Tendo construído paisagens sonoras para cada local em cada ano, usou-se marcadores acústicos para medir as suas características. Esses marcadores quantificam como é que a energia acústica dentro de cada paisagem sonora é distribuída nas frequências e no tempo, permitindo medir como é que a diversidade e a intensidade acústica mudaram.

Os resultados revelam uma queda clara e contínua na diversidade acústica e na intensidade das paisagens sonoras na Europa e na América do Norte nos últimos 25 anos, sugerindo que a banda sonora da nossa primavera está a tornar-se mais silenciosa e menos variada.

Em geral, os cientistas descobriram que os locais que sentiram os maiores declínios no número de espécies ou no número total de indivíduos contados também apresentam maiores declínios na diversidade e intensidade acústica.

  ZAP // The Conversation

2 Comments

  1. Não é preciso ser cientista para ver que isto de que fala o artigo está a mudar e vai mudar muito rapidamente. Falemos de Portugal. Chegou a haver 400 mil caçador que matavam tudo o que mexia. Ainda não acabaram com a caça e continuam a formar novas vedas privadas. Os humanos invadem tudo quanto é sitio. As camaras municipais promovem passadiços por todo o aldo em zonas que à muito pouco tempo era muito difícil penetra. Os chamados jardins que por aí há, feitos à imagem duns garotos a quem chamam arquitetos paisagísticos, como se a natureza precisasse de arquitetos, não têm sequer arvoredo para chamar as aves. Só dei estes exemplos, etc..etc..etc… já não falando das toxinas, secas e afins.

    • Não se preocupe excessivamente: os tais garotos vão falecer. Quem escreveu este comentário também, Quem comenta este comentário também.
      A “humanidade”, que seja realmente uma só quer não, irá desaparecer, quer mereça quer não. E o tempo de vida é aquilo que é, e viver como um vegetal inútil, para além de embaraçoso é penoso.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.