/

Otávio testa positivo e falha o Clássico frente ao Benfica. Francisco Conceição chamado a jogo

Fernando Veludo / Lusa

O jornal Record avança esta quinta-feira que o médio do FC Porto Otávio testou positivo ao novo coronavírus, ficando por isso de fora das escolhas de Sérgio Conceição para o Clássico frente ao Benfica, disputado esta sexta-feira. 

O médio brasileiro testou positivo ao novo coronavírus, que causa a covid-19, numa segunda análise, depois de, na quarta-feira, ter tido um teste inconclusivo.

Otávio é o quinto caso de infeção pelo novo coronavírus no FC Porto nos últimos cinco dias, depois de Manafá, Carraça, Fábio Vieira e Francisco Meixedo.

Para colmatar a ausência do médio brasileiro, Sérgio Conceição recorreu à equipa B e convocou Francisco Conceição, o seu filho e um dos jogadores que mais se tem destacado ao serviço dos dragões na II Liga, segundo o jornal O Jogo.

Com apenas 18 anos, Francisco Conceição fez 15 partidas com a equipa B na presente época, tendo apontado quatro golos.

Nesta quinta-feira, a imprensa desportiva avançou também que foram detetados mais três casos positivos no Benfica. O clube da Luz não adiantou a identidade dos infetados, mas o jornal A Bola garante que não são jogadores, mas membros da estrutura técnica.

Gabriel, Franco Cervi, João Ferreira, Gonçalo Ramos, Jardel, Seferovic, Pizzi, Taarabt, Darwin e Weigl já testaram positivo e já se encontram recuperados.

Jorge Jesus terá por isso quase todo o plantel à disposição para a visita ao Dragão, à exceção de André Almeida, o único ausente por lesão.

Qualidade individual pode fazer a diferença

A qualidade individual dos futebolistas pode fazer a diferença no Clássico desta sexta-feira com o FC Porto, considerou o treinador do Benfica, Jorge Jesus, apesar de considerar que as equipas partem em pé de igualdade.

Confrontado com declarações de Sérgio Conceição, que afirmou momentos antes que não era difícil adivinhar o onze do Benfica, Jorge Jesus concordou com o técnico adversário e frisou que o conhecimento de ambas as equipas é recíproco, pelo que a partida deverá ser decidia pela “qualidade da equipa que joga melhor quando tem a bola”.

“Aquilo que pode fazer a diferença são algumas jogadas individuais de ambas as equipas, porque têm jogadores que podem criar espaço, que, coletivamente, as equipas não conseguem. E, desse ponto de vista, espero que os jogadores do Benfica, individualmente, possam ser criativos para fazer essa diferença, que eu acredito que eles têm capacidade para fazer”, analisou o técnico português, que falava no Seixal.

Jesus, de resto, colocou os rivais no mesmo plano de igualdade para o jogo da 14.ª jornada, também no que diz respeito ao tempo de preparação para o encontro de sexta-feira, apesar de os dragões terem jogado para a Taça de Portugal na ilha da Madeira e os ‘encarnados’ o terem feito na Amadora.

“Estão em pé de igualdade. A importância que demos após este jogo da Taça foi tentar recuperar a equipa com trabalho ativo, algum técnico-tático, mas sem uma intensidade que eu gostava e, se calhar, o Sérgio Conceição também gostava”, começou por frisar Jesus.

Depois, lembrou ainda que “um clássico é um clássico” e, por isso, “não tem muito a ver com os momentos das equipas que se vão defrontar”.

Conceição quer FC Porto a comprovar o “bom momento”

Por sua vez, Sérgio Conceição, que falou antes de Jorge Jesus, admitiu que, se não vencer o Benfica, em jogo da 14.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, esquecer-se-á o “bom momento” da equipa e “haverão pistolas e figas apontadas”.

“O melhor momento da época e a margem de crescimento vamos ver amanhã [sexta-feira]. Porque se não ganhamos, deixa de ser um bom momento. A hegemonia é o próximo jogo. Se não ganharmos o jogo, temos aqui umas pistolas e umas fisgas apontadas. Isto faz parte do que é o futebol. É como na vida: resultados”, referiu.

Em conferência de imprensa, o técnico desvalorizou ainda as estatísticas que, nos confrontos com os encarnados, são favoráveis aos portistas e salientou o maior desgaste do FC Porto face ao Benfica, tendo em conta o último jogo, da Taça de Portugal, em que se impôs no estádio do Marítimo por 4-2, após prolongamento.

Tivemos uma viagem, jogámos 123 minutos, chegámos de madrugada… Não podemos não ir a jogo por causa dessas situações. É o que é. Do ‘onze’ do adversário de amanhã [sexta-feira], nenhum teve muitos minutos. Estão há sete dias sem competir”.

“É natural que haja uma diferença. Nem quero, sinceramente, utilizar esse facto como justificação. Somos uma equipa de topo. Mas não vou dizer que não queria ter uma semana limpa para preparar o jogo. O prolongamento não devia ter acontecido, devíamos ter feito quatro, cinco golos”, frisou o técnico do FC Porto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Sérgio Conceição admitiu estar à espera de uma partida “competitiva e difícil” frente ao Benfica. “O que nós esperamos é um jogo dentro daquilo que, normalmente, são os clássicos. Jogos muito competitivos, difíceis para as duas equipas. Até para as três, falo da outra equipa também. São jogos muito intensos e importantes, e nós, treinadores e jogadores, percebemos essa importância. São três pontos que ganhamos e que não deixamos o adversário direto ganhar”, observou.

FC Porto e Benfica, empatados imediatamente atrás do líder Sporting, defrontam-se esta sexta-feira no primeiro Clássico de 2021, enquanto a equipa leonina recebe o Rio Ave.

O pontapé de saída está agendado para as 21 horas e terá arbitragem de Luís Godinho.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.