Os vikings podem ter devido o seu sucesso aos seus acampamentos

(dr) Christian Cooijmans

De acordo com um novo estudo, os vikings podem dever o seu sucesso a algo inesperado para muitos: os seus acampamentos.

Durante muitos anos, arqueólogos e historiadores forneceram uma visão cada vez mais informada do mundo dinâmico dos vikings, destruindo os clichés de um povo louco e caprichoso preocupado com barbas e derramamento de sangue.

Uma abordagem particular para compreender a atividade viking tem sido estudar os acampamentos que montaram ao longo das costas e rios da Europa Ocidental, permitindo-lhes substituir os seus navios por uma posição fixa em terra sempre que o frio, fadiga, fome ou outras condições os forçassem.

Frequentemente chamados de “acampamentos de inverno” ou longphuirt, mais de 100 desses locais foram testemunhados em todo o arquipélago atlântico e no continente europeu durante o século IX.

Mais recentemente, potenciais acampamentos viking também foram identificados perto de Zutphen, na Holanda, bem como no Vale Coquet, na Nortúmbria.

Mas onde estes acampamentos costumam ser considerados pelas suas funções estratégicas mais amplas, muito menos tempo foi gasto no seu planeamento e operação.

Um novo estudo, a juntar essas diferentes evidências, revela agora uma imagem muito mais intrincada da logística do acampamento, desafiando as noções de vikings simplesmente à espera do inverno e a pilhar.

Paraísos seguros

Dois acampamentos viking nunca seriam iguais e poderiam durar de apenas algumas horas a muitos meses ou até mesmo anos.

Estabelecidos em ambientes hostis, muitos usaram ilhas, pântanos e outras posições naturalmente defendidas em seu benefício. Outros ocuparam estruturas anteriores feitas pelo homem: por exemplo, o palácio carolíngio em Nijmegen foi confiscado por vikings em 880, apenas para que os seus novos ocupantes o incendiassem no ano seguinte.

Onde necessário, os vikings também teriam construído as suas próprias muralhas, como visto em Repton, onde a igreja da abadia de St. Wystan parece ter sido incorporada a uma nova muralha.

Mas a proteção contra ataques teria sido apenas metade da batalha, já que a segurança contínua de qualquer stock local de alimentos, gado e não-combatentes teria sido tão importante para a sustentabilidade de qualquer acampamento.

Local para comer

Como qualquer força armada, os grupos viking precisavam de fontes estáveis e confiáveis de comida e água para manter os seus acampamentos viáveis. Sob o espectro crescente da fome e da desnutrição, diversificaram os seus métodos de obtenção de provisões, tanto quanto possível.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Além da caça, pesca e recolha de alimentos ao redor dos acampamentos, existem evidências de que eles próprios faziam plantações e cuidavam do gado.

De forma menos inesperada, os vikings também obtinham o seu alimento através da violência — ou da ameaça de violência. Os acampados fora de Paris em 885-886, por exemplo, foram vistos a levar colheitas e rebanhos, enquanto outros recebiam grandes quantidades de farinha, gado, vinho e sidra como parte do pagamento de tributos regionais.

De volta ao acampamento, esse alimento precisaria de ser preparado para consumo e armazenamento.

Pedras de quern — usadas para transformar grãos em farinha — foram recuperadas de bases viking em Inglaterra e na Irlanda, e um acampamento em Péran, na Bretanha, produziu vários caldeirões de ferro e outros recipientes para cozinhar.

Registos escritos também descrevem vikings a fazer banquetes com carne e vinho dentro dos limites dos seus acampamentos.

Comércio

Além das noções básicas de proteção e alimentação, os vikings tinham uma ampla gama de atividades em campos, com abrigos, estábulos e oficinas; navios a serem consertados; e armas, ornamentos e outros bens a serem fabricados. Para apoiar esses esforços contínuos, um fluxo constante de recursos — incluindo madeira, pedra e metais (preciosos) — teria que chegar aos campos.

Locais como estes podem não ter ficado completamente fora dos limites para estranhos e podem até ter fornecido oportunidades valiosas de comércio. Os Anais de São Bertin do século IX, por exemplo, descrevem como os vikings procuravam “manter um mercado” numa ilha no rio Loire (hoje França).

Pouco depois, os Anais de Fulda também mencionam soldados francos a pôr os pés dentro de um acampamento viking no rio Mosa (hoje Holanda) — não para lutar, mas para negociar. Vestígios físicos desse comércio — incluindo moedas, barras de prata e pesos comerciais — foram encontrados em sítios arqueológicos como Torksey e Woodstown.

Além de oferecer aos vikings mais uma forma de obter os seus suprimentos, ocasiões como essa podem ter permitido que bens anteriormente roubados ou extorquidos voltassem a circular.

Ao todo, os acampamentos viking não estavam de forma alguma dormentes ou desorganizados, e também serviam como postos de comando, arsenais, tesouros, celeiros, prisões, oficinas, mercados, portos e casas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Hospedando comunidades diversas e dinâmicas de dezenas, centenas, ou às vezes até milhares de pessoas, alguns forneceram suporte a grupos viking regionais muito além do período de um único inverno.

Manter acampamentos como esses em funcionamento não seria uma façanha pequena, contando com níveis de planeamento e disciplina não comummente associados à atividade viking. Como resultado, o sucesso dos acampamentos fornece uma visão chave sobre um fenómeno viking mais amplo que não era nem arbitrário nem sem objetivo quando atingiu o continente europeu.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.