Os sinais de vida em Marte podem ter sido “apagados” por ácidos

ATG Medialab / ESA

Fluidos ácidos podem ter destruído há muito as evidências de vida biológica passada dentro da argila marciana – possivelmente explicando, assim, por que é tão difícil encontrar evidências de vida antiga no Planeta Vermelho.

Em pouco mais de uma década, amostras de solo marciano recolhidas pelo rover Mars Perseverance deverão regressar à Terra após serem recuperadas pelos primeiros humanos a pisar Marte. Os cientistas estão animados, mas podem ter de moderar as suas expetativas.

Um novo estudo revela que fluidos ácidos – que antes fluíam na superfície do planeta vermelho – podem ter destruído as evidências biológicas escondidas nas argilas ricas em ferro de Marte.

Para chegar a essa conclusão, investigadores da Cornell University e do Centro de Astrobiologia de Espanha realizaram simulações que envolviam argila e aminoácidos. “Sabemos que fluidos ácidos fluíram na superfície de Marte no passado, alterando as argilas e a sua capacidade de proteger os orgânicos”, explicou Alberto G. Fairén, em comunicado divulgado pelo Phys.

Os cientistas explicam que a estrutura interna da argila é organizada em camadas, nas quais normalmente encontraríamos evidências bem preservadas de vida biológica, como lipídios, ácidos nucléicos, peptídeos e outros biopolímeros.

No laboratório, a equipa simulou as condições da superfície marciana tentando preservar um aminoácido chamado glicina num pedaço de argila que tinha sido previamente exposto a fluidos ácidos. “Usamos glicina porque poderia degradar-se rapidamente sob as condições ambientais do planeta”, explicou Fairén. “É um informador perfeito para nos dizer o que estava a acontecer dentro das nossas experiências.”

Os investigadores expuseram a argila infundida com glicina à radiação ultravioleta semelhante à de Marte e os resultados mostram fotodegradação substancial das moléculas de glicina embutidas na argila. Assim, a exposição a fluidos ácidos apagou o espaço entre as camadas, transformando-o em sílica gelatinosa.

“Quando as argilas são expostas a fluidos ácidos, as camadas rompem-se e a matéria orgânica não pode ser preservada. São destruídas”, disse Fairén. “Os nossos resultados neste artigo explicam por que a busca por compostos orgânicos em Marte é tão difícil.”

O rover Perseverance da NASA foi lançado em 30 de julho e deve pousar na cratera Jezero de Marte em fevereiro. O rover colherá amostras de solo do Planeta Vermelho, que serão enviadas de volta para a Terra até 2030. Embora a missão ainda seja importante para potenciais futuros colonos de Marte, as descobertas do novo estudo podem ser um retrocesso na nossa capacidade de detetar a presença de qualquer vida antiga em Marte.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Scientific Reports.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …

Novo estudo diz que Remdesivir não tem "impacto significativo" nos doentes com covid-19

Ao contrário do que se pensava, o medicamento antiviral remdesivir não reduz as mortes entre os pacientes com covid-19, sobretudo quando comparado com o tratamento padrão, de acordo com os resultados de um estudo internacional. Em …