Os gatos andaram a conquistar o mundo com os Vikings

Marc d'Entremont / Flickr

Milhares de anos antes dos gatos invadirem os nossos lares (e os nossos corações), estes animais andaram a conquistar o mundo na companhia de agricultores, de marinheiros e até de Vikings.

A conclusão é de um grupo de cientistas que apresentou, na semana passada, no Simpósio Internacional de Arqueologia Biomolecular, em Oxford, a sua mais recente investigação.

A equipa analisou o ADN de 209 gatos que viveram entre 15 mil e 3.700 anos atrás, ou seja, mesmo antes do aparecimento da agricultura até ao século XVIII, explica o Science Alert.

Preservados em mais de 30 locais arqueológicos espalhados pela Europa, Médio Oriente e África, foram estes animais que permitiram aos cientistas juntar as peças da sua história que, até agora, era praticamente desconhecida.

“Não conhecemos a história dos gatos antigos. Não conhecemos a sua origem, não sabemos como a sua dispersão aconteceu”, explicou Eva-Maria Geigl, uma geneticista evolucionária do Instituto Jacques Monod, em França, que participou na pesquisa divulgada na Nature.

Os cientistas perceberam que estes felinos vivenciaram duas ondas de expansão no início da sua história.

Quando os investigadores analisaram o ADN mitocondrial – informação genética que passa apenas da progenitora -, descobriram que gatos selvagens do Médio Oriente e gatos do Mediterrâneo partilhavam uma linhagem similar.

Segundo o estudo, isto sugere que os gatos selvagens podem ter-se espalhado para as comunidades agrícolas por serem atraídos pelos ratos que, por sua vez, eram atraídos pelos cereais.

Posteriormente, milhares de anos mais tarde, a investigação sugere que há uma ligação entre o ADN dos gatos provenientes do antigo Egito e dos da Eurásia e de África, escreve o Live Science.

Esta segunda onda de expansão foi atribuída aos desbravadores dos mares como, por exemplo, marinheiros e Vikings, e exatamente pelo mesmo motivo da vaga anterior.

A ideia dos investigadores é que estas pessoas gostavam da presença dos gatos nos seus navios exatamente para controlar a presença inesperada de roedores.

“Eu nem sabia que existiam gatos vikings”, declarou Pontus Skoglund, geneticista populacional da Universidade de Harvard, nos EUA, que ficou a conhecer o estudo.

O estudo está ainda numa fase muito inicial e pretende, para já, mapear a história desta espécie que, comparativamente com a dos cães, está muito atrasada.

ZAP / Hypescience

PARTILHAR

RESPONDER

As bactérias formam comunidades na nossa língua (e uma imagem revela como)

Cientistas norte-americanos descobriram que as bactérias que vivem na nossa língua têm uma organização complexa e altamente estruturada. Os micro-organismos estão em toda a parte - até no interior da nossa boca. Um novo estudo revela …

Como sobreviver ao isolamento? Astronautas explicam

Em todo o mundo, cidades e até países inteiros estão em quarentena como forma de travar a propagação do novo coronavírus, Covid-19. Alguns astronautas deixaram conselhos sobre como sobreviver ao isolamento. Para alguns, o auto isolamento …

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …