Os cientistas querem redefinir o segundo com mais precisão

Cientistas querem redefinir o segundo para torná-lo mais preciso. Embora pareça algo sem grande importância, pode ter várias aplicações práticas.

Todos precisamos de saber as horas. Desde que o inventor holandês do século XVII, Christiaan Huygens, fez o primeiro relógio de pêndulo, as pessoas têm pensado em boas razões para medir o tempo com mais precisão.

Saber o tempo certo é importante em muitos casos, desde a operar uma ferrovia até fazer negociações de milissegundos no mercado de ações. Agora, para a maioria de nós, os nossos relógios estão a comparar-se a um sinal de relógios atómicos, como aqueles a bordo dos satélites de GPS.

Mas um estudo publicado esta semana na revista Nature pode significar que esses sinais ficarão muito mais precisos, ao abrir caminho para nos permitir redefinir o segundo com mais precisão. Os relógios atómicos poderiam tornar-se tão precisos que poderíamos começar a medir ondas gravitacionais até então impercetíveis.

O relógio atómico foi construído pela primeira vez por Louis Essen e foi usado para redefinir o segundo em 1967, uma definição que permaneceu a mesma desde então.

Ele funciona contando a frequência de variação de uma propriedade quântica chamada spin nos eletrões dos átomos de césio. Um segundo é oficialmente definido “a duração de 9.192.631.770 períodos da radiação correspondente à transição entre os dois níveis hiperfinos do estado fundamental do átomo de césio-133″.

Se podemos medir o tempo e a frequência com precisão, então há todos os outros tipos de coisas que também podemos medir com precisão. Por exemplo, medir a frequência de rotação de certos átomos e moléculas pode dizer-nos a força do seu campo magnético. Portanto, se podemos encontrar a frequência com precisão, também encontramos a intensidade do campo com precisão. Os sensores de campo magnético mais pequenos funcionam desta maneira.

Mas podemos fazer relógios melhores que nos permitam medir a frequência ou o tempo com ainda mais precisão? A resposta pode passar por aumentar a frequência.

Os cientistas estão a pensar se a definição internacional do segundo poderia ser redefinida para torná-lo mais preciso. Mas para conseguir isto, os diferentes relógios óticos que usaríamos para contar o tempo com precisão precisam de ser confiáveis para ler ao mesmo tempo, mesmo estando em laboratórios diferentes a milhares de quilómetros de distância. Até agora, esses testes de longa distância não têm corrido muito bem.

Relógios melhores

Agora, usando uma nova maneira de ligar os relógios com lasers ultrarrápidos, os investigadores mostraram que diferentes tipos de relógios atómicos óticos podem ser colocados a alguns quilómetros de distância e ainda estarem bastante sincronizados. Eles conseguiram resultados cerca de cem vezes mais precisos do que os obtidos antes com relógios diferentes ou grandes distâncias.

Os autores do novo estudo compararam vários relógios baseados em diferentes tipos de átomos – itérbio, alumínio e estrôncio no seu caso. O relógio de estrôncio estava situado na Universidade do Colorado e os outros dois no US National Institute of Standards and Technology, ao fundo da rua.

O estudo conectou os relógios com um feixe de laser através do ar ao longo de 1,5 km de um prédio a outro, e essa ligação mostrou-se tão boa quanto uma fibra ótica sob a estrada, apesar da turbulência do ar.

Mas por que precisamos de relógios tão precisos? Embora os átomos do relógio devam ser exatamente os mesmos onde quer que o relógio esteja e quem quer que olhe para ele, pequenas diferenças úteis podem surgir quando as medições do tempo são tão precisas.

De acordo com a Teoria da Relatividade de Einstein, a gravidade distorce o espaço-tempo e podemos medir essa distorção. Relógios óticos já foram usados para detetar a diferença no campo gravitacional da Terra movendo-se apenas um centímetro de altura.

Com relógios mais precisos, talvez fosse possível sentir o aumento do stress da crosta terrestre e prever erupções vulcânicas. Ondas gravitacionais produzidas por fusões de buracos negros distantes foram vistas – talvez agora sejamos capazes de detetar ondas muito mais fracas de eventos menos cataclísmicos usando um par de satélites com relógios óticos.

  ZAP // The Conversation

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

E depois do adeus? Medina vai voltar ao trabalho como economista, mas sempre atento

Carlos Moedas tomou posse esta segunda-feira e Fernando Medina despediu-se da liderança do município com "tristeza pessoal", mas com "sentimento de missão cumprida". O futuro traça-se no exercício da sua profissão de formação. Esta segunda-feira, Fernando …

Sentido de voto do PAN "está em aberto" e depende do Governo

O sentido de voto do PAN na proposta Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) está em aberto. Tudo depende do Governo. A porta-voz do PAN – Pessoas-Animais-Natureza, Inês de Sousa Real disse esta segunda-feira “estar …

Afinal, a lua afecta ou não o nosso sono? Novo estudo dá mais pistas

A influência do ciclo lunar no sono já é uma hipótese há muito estudada e um novo estudo sugere que o seu efeito é diferente entre homens e mulheres. Há vários factores que tendem a deixar-nos …

O secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa

O maior susto do atual Governo? Em clima de tensão orçamental, Costa convoca reunião extraordinária no PS

As negociações decisivas para a aprovação do Orçamento do Estado decorrem esta semana, mas António Costa decidiu convocar um dos órgãos mais restritos do PS para uma reunião que não fazia parte do calendário. A …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Agenda de Marcelo mantém-se, mas pode ser cancelada se OE2022 chumbar

Para já, Marcelo Rebelo de Sousa vai manter a agenda. No entanto, o Presidente da República já avisou o staff em Belém que tudo pode ser cancelado se o Orçamento do Estado para 2022 for …

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins

Dia N, de negociações. Bloco de Esquerda reúne-se com Governo e tem "abertura" para negociar

António Costa tem duas provas de fogo esta terça-feira: o primeiro-ministro lidera a delegação do Governo que vai encontrar-se em separado com o Bloco de Esquerda e com o PCP. Depois de na segunda-feira ter enviado …

Nos próximos cem anos, o gelo do Ártico pode desaparecer e, com ele, os ursos polares

Cientistas esperam que o chamado "gelo de verão" venha a desaparecer por volta do ano de 2100 e com ele muitas das espécies que habitam na região do Ártico. O gelo que preenche o mar …

Num momento único, astrónomos viram uma anã branca a "ligar e desligar"

Pela primeira vez, uma equipa de astrónomos usou o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) para ver uma anã branca a desligar e ligar abruptamente.  Em astronomia, uma anã branca é um remanescente estelar composto principalmente por …

Pela primeira vez, o Princípio da Equivalência de Einstein foi verificado em quasares

Investigadores conseguiram medir o desvio para o vermelho gravitacional em quasares e assim estender o teste a regiões muito distantes de onde a luz foi emitida quando o nosso Universo era jovem. De acordo com a …

Cogumelos laminados

O consumo de cogumelos pode diminuir o risco de depressão

Além de reduzirem o risco de cancro e morte prematura, os cogumelos podem beneficiar a saúde mental de uma pessoa. Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Penn State, nos Estados Unidos, analisou dados …