Os cientistas já sabem como “apagar” memórias dolorosas

Eternal Sunshine for the Spotless Mind / Momentum Pictures

-

Os cientistas descobriram que as nossas memórias não são tão permanentes como acreditávamos, o que nos coloca a um passo de consegui alterar o que nos lembramos.

Todos nós temos memórias más que são difíceis de esquecer, e que podem continuar a assombrar-nos, levando a estados de ansiedade, fobias e stress pós-traumático. Apagar ou alterar memórias parece fazer parte apenas da ficção científica – como se explorou em filmes como “Eternal Sunshine of the Spotless Mind” e “Total Recall” – mas pode estar prestes a tornar-se realidade.

Graças aos avanços na tecnologia de digitalização neurológica ao longo das últimas décadas, investigadores já descobriram como apagar, alterar ou até mesmo implantar falsas memórias – não apenas em animais, mas também em seres humanos.

Algumas substâncias que refazem as ligações no nosso cérebro para esquecermos as partes más das memórias já estão no horizonte, como mostra o documentário da PBS “Memory Hackers”.

As memórias não são permanentes

Para perceber como é que isto é possível, é preciso compreender como as memórias se formam e são mantidas vivas nos nossos cérebros.

No passado, os cientistas pensavam que as memórias eram armazenadas num local específico, como um arquivo neurológico. Hoje, já se sabe que cada memória é “trancada” em ligações por todo o cérebro.

Uma memória é formada quando as proteínas estimulam nossas células cerebrais a crescer e formar novas ligações, literalmente religando circuitos nas nossas mentes.

Quando isso acontece, a memória é armazenada na sua mente e fica lá. Ocasionalmente, refletimos sobre ela ou a revisitamos.

Visitar uma memória é amolecê-la

O que muitas pessoas não percebem é que essas memórias não são estáveis. Cada vez que revisitamos uma memória, esta se torna novamente maleável, e pode ficar mais forte e mais viva do que antes.

Este processo é conhecido como reconsolidação, e explica porque é que as nossas memórias às vezes mudam um pouco ao longo do tempo.

Por exemplo, se teve um acidente de mota, cada vez que se lembra do assunto e se chateia está a reforçar as ligações entre a memória e emoções como o medo e a tristeza. Eventualmente, apenas o pensamento de uma moto pode ser suficiente para deixá-lo estarrecido.

Pelo contrário, também uma memória traumática pode tornar-se motivo de riso anos mais tarde.

O processo de reconsolidação é muito importante precisamente porque é o ponto no qual os cientistas podem intervir nas nossas memórias.

O estudo sugere que as memórias podem ser manipuladas porque agem como se fossem feitas de vidro, existindo num estado maleável enquanto estão a ser criadas, antes de se tornarem sólidas. Quando uma memória é recordada, contudo, ela funde-se novamente e pode ser alterada antes.

Na prática

Vários estudos têm mostrado que bloquear uma substância química chamada norepinefrina, os investigadores podem “amortecer” memórias traumáticas, impedindo-as de ser associadas com emoções negativas.

Trata-se de uma substância envolvida na resposta de luta ou fuga do nosso organismo, responsável por desencadear sintomas como suor nas mãos e coração acelerado.

No final do ano passado, investigadores da Holanda conseguiram retirar o medo de aranhas de pessoas com fobia, usando um medicamento chamado propanolol para bloquear a norepinefrina.

Dois de três grupos viram uma tarântula num frasco de vidro para acionar as suas memórias de medo de aranhas, e receberam em seguida propranolol ou placebo. O terceiro grupo simplesmente recebeu propranolol.

Ao longo dos meses seguintes, os grupos que receberam placebo ou propranolol sem serem expostos a uma aranha não mostraram nenhuma mudança nos seus níveis de medo, enquanto o grupo que acionou a memória e recebeu a droga foi capaz de tocar a tarântula ao fim de alguns dias. Em três meses, o medo tinha desaparecido.

Trauma

A mesma droga também foi testada em 2007 em vítimas de trauma. Os participantes receberam ou propranolol ou um placebo diariamente durante 10 dias, e foram convidados a descrever as suas memórias do evento traumático.

Os que receberam a droga não esqueceram a experiência, mas uma semana depois foram capazes de contá-la com muito menos stress.

Nos ratos, uma técnica semelhante foi utilizada para fazer os animais “esquecerem” que um som particular era associado a um choque eléctrico, enquanto outras memórias permaneceram intactas.

Até agora, devido às implicações éticas, os investigadores ainda não tentaram explicitamente excluir uma memória totalmente em seres humanos.

No entanto, os indícios sugerem que isso é possível, com a combinação certa de medicamentos e exercícios de revisitação da lembrança.

HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Rios ocultos de água quente estão a derreter o gelo da Antártida

O gelo antártico está a ser desestabilizado por rios ocultos e invertidos de água quente que correm por baixo das plataformas, derretendo-as. Os cientistas conhecem estes canais basais nas plataformas de gelo há vários anos, mas …

Enorme impacto cósmico pode ter assolado a Terra há 12.800 anos

Uma equipa de cientistas descobriu excesso de platina em material sedimentar extraído de depósitos de turfa localizados em Wonderkrater, Limpopo, na África do Sul, revelou uma nova investigação. De acordo com um novo estudo, cujos resultados …

Astronauta capta o colossal "Olho do Sahara" a partir da EEI

A Agência Espacial Europeia publicou neste domingo uma fotografia da colossal estrutura de Richat, uma formação geológica enigmática no centro da Mauritânia, conhecida como o "Olho do Sahara". A estrutura, que tem cerca de 40 quilómetros …

NASA revela novos fatos espaciais que os astronautas vão levar para a Lua (e são pura ficção científica)

A NASA apresentou na terça-feira, na sua sede, em Washington, Estados Unidos, os novos fatos espaciais que os astronautas da missão Artemis vão usar em 2024, quando voltarem à Lua. Fatos feitos em modelos 3D, à …

Panama Papers. Mossack Fonseca não gostou do filme e processou Netflix por difamação

A dupla de sócios do escritório de advogados Mossack Fonseca, envolvido no caso “Panama Papers”, moveu um processo em tribunal por difamação contra a Netflix. A plataforma anuncia a estreia, para esta sexta-feira, do filme “Laundromat: …

Porsche e Boeing unem-se em projeto de táxi aéreo premium

A Porsche e a Boeing estão a unir esforços para explorar o mercado de mobilidade área urbana. Aproveitando os seus pontos fortes, as duas empresas prometem desenvolver um táxi aéreo para o futuro. Numa verdadeira fusão …

Fotografia com pombos? Na Tailândia, há "profissionais" contratados para assustá-los

A área de uma das portas da cidade, Tha Pae, parte do que resta da muralha vermelha que protegia a cidade antiga em Chiang Mai, na Tailândia, é uma das maiores atrações turísticas locais. Os turistas …

Sky News lança canal sem qualquer notícia sobre o Brexit

O canal Sky News Brexit-Free foi esta quarta-feira para o ar às 17h horas, sendo que os seus programas serão transmitidos até às 22h, de segunda a sexta-feira. O grupo de televisão britânico Sky vai lançou …

Vacina contra o cancro da mama pode estar disponível dentro de 8 anos

Investigadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o cancro ovário e da mama que poderá estar disponível comercialmente dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes …

Busca pelo avião de Amelia Earhart só encontrou chapéus, detritos de um naufrágio e uma lata de refrigerante

A mais recente busca pelos restos do avião de Amelia Earhart, a famosa aviadora americana que desapareceu sobre o Pacífico em 1937, terminou sem resultados. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a investigação …