Os cientistas já sabem como “apagar” memórias dolorosas

Eternal Sunshine for the Spotless Mind / Momentum Pictures

-

Os cientistas descobriram que as nossas memórias não são tão permanentes como acreditávamos, o que nos coloca a um passo de consegui alterar o que nos lembramos.

Todos nós temos memórias más que são difíceis de esquecer, e que podem continuar a assombrar-nos, levando a estados de ansiedade, fobias e stress pós-traumático. Apagar ou alterar memórias parece fazer parte apenas da ficção científica – como se explorou em filmes como “Eternal Sunshine of the Spotless Mind” e “Total Recall” – mas pode estar prestes a tornar-se realidade.

Graças aos avanços na tecnologia de digitalização neurológica ao longo das últimas décadas, investigadores já descobriram como apagar, alterar ou até mesmo implantar falsas memórias – não apenas em animais, mas também em seres humanos.

Algumas substâncias que refazem as ligações no nosso cérebro para esquecermos as partes más das memórias já estão no horizonte, como mostra o documentário da PBS “Memory Hackers”.

As memórias não são permanentes

Para perceber como é que isto é possível, é preciso compreender como as memórias se formam e são mantidas vivas nos nossos cérebros.

No passado, os cientistas pensavam que as memórias eram armazenadas num local específico, como um arquivo neurológico. Hoje, já se sabe que cada memória é “trancada” em ligações por todo o cérebro.

Uma memória é formada quando as proteínas estimulam nossas células cerebrais a crescer e formar novas ligações, literalmente religando circuitos nas nossas mentes.

Quando isso acontece, a memória é armazenada na sua mente e fica lá. Ocasionalmente, refletimos sobre ela ou a revisitamos.

Visitar uma memória é amolecê-la

O que muitas pessoas não percebem é que essas memórias não são estáveis. Cada vez que revisitamos uma memória, esta se torna novamente maleável, e pode ficar mais forte e mais viva do que antes.

Este processo é conhecido como reconsolidação, e explica porque é que as nossas memórias às vezes mudam um pouco ao longo do tempo.

Por exemplo, se teve um acidente de mota, cada vez que se lembra do assunto e se chateia está a reforçar as ligações entre a memória e emoções como o medo e a tristeza. Eventualmente, apenas o pensamento de uma moto pode ser suficiente para deixá-lo estarrecido.

Pelo contrário, também uma memória traumática pode tornar-se motivo de riso anos mais tarde.

O processo de reconsolidação é muito importante precisamente porque é o ponto no qual os cientistas podem intervir nas nossas memórias.

O estudo sugere que as memórias podem ser manipuladas porque agem como se fossem feitas de vidro, existindo num estado maleável enquanto estão a ser criadas, antes de se tornarem sólidas. Quando uma memória é recordada, contudo, ela funde-se novamente e pode ser alterada antes.

Na prática

Vários estudos têm mostrado que bloquear uma substância química chamada norepinefrina, os investigadores podem “amortecer” memórias traumáticas, impedindo-as de ser associadas com emoções negativas.

Trata-se de uma substância envolvida na resposta de luta ou fuga do nosso organismo, responsável por desencadear sintomas como suor nas mãos e coração acelerado.

No final do ano passado, investigadores da Holanda conseguiram retirar o medo de aranhas de pessoas com fobia, usando um medicamento chamado propanolol para bloquear a norepinefrina.

Dois de três grupos viram uma tarântula num frasco de vidro para acionar as suas memórias de medo de aranhas, e receberam em seguida propranolol ou placebo. O terceiro grupo simplesmente recebeu propranolol.

Ao longo dos meses seguintes, os grupos que receberam placebo ou propranolol sem serem expostos a uma aranha não mostraram nenhuma mudança nos seus níveis de medo, enquanto o grupo que acionou a memória e recebeu a droga foi capaz de tocar a tarântula ao fim de alguns dias. Em três meses, o medo tinha desaparecido.

Trauma

A mesma droga também foi testada em 2007 em vítimas de trauma. Os participantes receberam ou propranolol ou um placebo diariamente durante 10 dias, e foram convidados a descrever as suas memórias do evento traumático.

Os que receberam a droga não esqueceram a experiência, mas uma semana depois foram capazes de contá-la com muito menos stress.

Nos ratos, uma técnica semelhante foi utilizada para fazer os animais “esquecerem” que um som particular era associado a um choque eléctrico, enquanto outras memórias permaneceram intactas.

Até agora, devido às implicações éticas, os investigadores ainda não tentaram explicitamente excluir uma memória totalmente em seres humanos.

No entanto, os indícios sugerem que isso é possível, com a combinação certa de medicamentos e exercícios de revisitação da lembrança.

HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Irão disponível para negociações sobre acordo nuclear nas próximas semanas

O Irão retornará às negociações sobre a retomada do acordo nuclear de 2015 nas próximas semanas, avançou o Ministério dos Negócios Estrangeiros esta terça-feira, apesar das suspeitas das potências ocidentais sobre a estratégia de Teerão …

Depois do Loon, nasce o Taara. Projeto usou lasers para transmitir 700TB de dados

Depois da morte do Projeto Loon, no início do ano, nasceu o Projeto Taara, que utilizou lasers para transmitir 700TB de dados através do rio Congo. O projeto muda, o nome é diferente, mas a missão …

Vizela - Paços de Ferreira bateu recorde de assistência na I Liga

Maior número de adeptos do campeonato também foi registado nesta jornada, no Benfica-Boavista; mas em termos de ocupação do estádio, o Vizela deixou longe toda a concorrência. Desde os anos 80 do século passado que não …

150 anos antes da viagem histórica de Colombo, um frade italiano escrevia sobre a America

Por volta do ano 1340, Galvano Fiamma registou, na sua Cronica universalis, a existência de terras a oeste da Gronelândia habitadas "por gigantes". Trata-se da primeira menção documentada do continente americano no Mediterrâneo, cerca de …

Os antigos compadres zangaram-se de vez. Trump puxa os cordelinhos nos bastidores para correr com McConnell

A relação de altos e baixos entre os dois azedou de vez depois de McConnell ter reconhecido a vitória de Joe Biden. Trump quer agora que um Republicano concorra contra McConnell pelo cargo da liderança …

Bombeiros embrulharam a maior árvore do mundo em papel de alumínio. Tudo para a proteger

O incêndio consumiu milhares de acres na Califórnia e o National Park Service viu-se obrigado a intensificar os seus esforços para proteger as jóias naturais, incluindo as maiores árvores do mundo. Os incêndios Colony e Paradise …

EUA trocaram "guerra implacável" por "diplomacia implacável" no Afeganistão, diz Biden

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, disse esta terça-feira à Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) que o país se está a concentrar na "diplomacia implacável" e no encerramento de uma era de …

Presidente de El Salvador autodenomina-se "Ditador de El Salvador"

O Presidente de El Salvador, Nayib Bukele, alterou no domingo a descrição do seu perfil no Twitter para "Ditador de El Salvador", passando depois para "Ditador mais 'cool' do mundo mundial", situação registada após os …

Ordem dos Médicos abre processo disciplinar contra Fernando Nobre

O Conselho Disciplinar Regional do Sul da Ordem dos Médicos abriu um processo contra Fernando Nobre, por causa das suas declarações numa manifestação de negacionistas em frente à Assembleia da República. A Ordem dos Médicos (OM) …

Crise da energia obriga UE a enfrentar dependência do gás natural

Os países europeus estão a tentar proteger os consumidores de energia, numa região onde, desde o início do ano, os preços do gás aumentaram 250%, resultado de uma série de forças económicas, naturais e políticas.  Na …