Open Arms sugere avião para transferir migrantes. Custa 240 euros por pessoa

Depois de a embarcação Open Arms, que está há 17 dias no mar com 134 migrantes a bordo à espera de autorização para desembarcar em Itália, ter recusado a oferta para aportar em Algeciras, o Governo espanhol informou a ONG de que o barco poderia desembarcar no porto de Mahón, na ilha de Menorca.

Menorca é o porto espanhol mais próximo da localização atual do barco, ao largo da ilha italiana de Lampedusa. Mas a tripulação do barco voltou a recusar, por considerar que as pessoas a bordo não se encontram em condições de fazer uma viagem daquela dimensão em segurança.

Neste momento, de acordo com a agência de notícias espanhola EFE, Espanha já tem aberta a possibilidade de o barco aportar em qualquer porto do país.

Foi a vice-presidente do Governo em funções, Carmen Calvo, que telefonou na tarde de sábado à presidente da região autónoma das Baleares, Francina Armengol, para lhe propor que o porto de Palma (Mallorca) ou o de Mahón (Menorca) pudessem receber o barco, já que são os que se encontram mais próximos do “Open Arms”. Armengol concordou e os portos encontram-se neste momento preparados para receber o barco.

Porém, segundo o jornal espanhol El País, a ONG espanhola Open Arms, dona do barco com o mesmo nome, respondeu ao Governo de Pedro Sánchez que não será possível viajar em segurança até qualquer porto de Espanha.

“Está a viver-se uma situação de ansiedade muito forte, com confrontos físicos, e isto influencia muito negativamente a segurança”, disse um porta-voz da ONG, citado pelo jornal. “A situação tornou-se incontrolável, pelo que não podemos afastar-nos da costa em condições de segurança com as pessoas a bordo.”

Mesmo tendo em cima da mesa as opções de ir para o porto de Algeciras, que fica a 950 milhas náuticas de distância, ou para o de Mahón, a 590 milhas, o porta-voz argumenta que “tem de se impor o porto mais próximo, que é aquele que temos a meia milha, porque não podemos movimentar-nos em condições de segurança”. O barco encontra-se a menos de um quilómetro da ilha italiana de Lampedusa.

A Open Arms sugeriu esta segunda-feira que sejam transferidos de avião para Espanha os 107 migrantes que tem a bordo. “Para dar dignidade aos resgatados, podiam transferi-los para Catania, na Sicília, e daí levá-los para Madrid. Alugar um Boeing para 200 pessoas tem um custo de 240 euros por passageiro“, disse Riccardo Gatti, chefe de missão da Open Arms em Itália, aos jornalistas presentes na doca de Lampedusa.

Já esta terça-feira, a Open Arms anunciou que recebeu autorização para desembarcar oito pessoas “a necessitar de ajuda urgente”.

No domingo, um vídeo divulgado pelo líder da ONG, Oscar Camps, mostra vários migrantes a atirarem-se ao mar, na esperança de chegar a nado à costa de Lampedusa. Os socorristas presentes a bordo atiraram-se à água e conseguiram impedi-los, trazendo-os de regresso ao barco, mas a tripulação afirma que a situação é neste momento insustentável.

Também no domingo, a tripulação do barco enviou um novo pedido ao porto de Lampedusa para que o desembarque seja autorizado devido à situação das 107 pessoas a bordo — 27 menores não acompanhados já foram autorizados a desembarcar depois de Matteo Salvini ter assinado a autorização, contrariado, e colocado todas as responsabilidades no primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Também no Mediterrâneo continua o barco “Ocean Viking”, com 365 migrantes a bordo, que continua a tentar obter dos Governos de Itália e de Malta autorização aportar nos países — embora sem sucesso. Neste barco não foram reportadas situações de crise, embora haja indicação de migrantes com problemas de saúde a bordo que precisam de cuidados médicos com urgência.

Entretanto, na segunda-feira, a Alarm Phone, uma organização independente que gere uma linha telefónica de emergência para apoiar os migrantes no Mediterrâneo, alertou para a possibilidade de um naufrágio de mais um barco com migrantes ao largo da Líbia, que teria mais de 100 pessoas a bordo, e do qual poderão ter resultado várias mortes.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Este tipo de emigração, tem sem duvida redes de trafico. Entre os passadores e as ONG’s subsidiadas por os Estados e varias Entidades, denota-se um evidente interesse financeiro em entreter este “fenómeno”. Do Estatuto de refugiado por razões bélicas, au Estatuto de refugiado por razões puramente económicas que por o que consta, são a grande maioria. É mais que tempo de ajudar SIM, e na medida do razoável, de resolver esta situação começando nos Países de Origem. Em Nome do altruísmo Humanitário, estas acções tornam-se cada vez mais suspeitas.

RESPONDER

Governo britânico cumprirá decisão do Supremo sobre suspensão do Parlamento

O Governo britânico cumprirá a decisão do Supremo Tribunal do Reino Unido sobre a legalidade ou ilegalidade da suspensão do Parlamento, uma decisão que deverá ser anunciada esta semana. A garantia foi dada este domingo à …

Bancos vendem créditos à habitação a Fundos de Investimento (e é "dramático" para muitas famílias)

Estão a chegar à DECO cada vez mais pedidos de ajuda de famílias que viram os seus créditos à habitação serem adquiridos aos Bancos por Fundos de Investimento e que estão a ser pressionadas para …

BE fará uma campanha "sem energia perdida, palavras ocas ou provocações"

Um partido que pretende ao mesmo tempo trilhar um "caminho de alternativa" e "caminhos de convergência". Assim definiu Catarina Martins a orientação do Bloco de Esquerda (BE) na campanha eleitoral. Ao discursar num almoço com agentes …

Jornalistas não podem ser condenados por violação de segredo de justiça, defende Costa

No primeiro dia da campanha eleitoral para as eleições legislativas de 06 de outubro, António Costa, primeiro-ministro e líder do PS, deu uma entrevista à CMTV e aproveitou para mostrar divergências em relação a Rui …

Défice fica nos 0,8% do PIB no primeiro semestre do ano

O défice situou-se em 0,8% do PIB no primeiro semestre deste ano, em contas nacionais, abaixo dos 2,2% registados no período homólogo, mas longe da meta para o conjunto do ano, de 0,2%. "No conjunto do …

Pelo menos sete crianças morreram após colapso de escola no Quénia

Pelo menos sete crianças morreram e 57 ficaram feridas após o colapso do edifício de uma escola em Nairobi, no Quénia, esta segunda-feira, confirmaram os serviços de socorro e as autoridades locais. "Depois do colapso do …

“Há uma mudança histórica na Madeira”

Este domingo, no seu espaço habitual de comentário, Luís Marques Mendes disse que, embora ainda não tenham sido apurados todos os resultados das eleições na Madeira, tudo aponta para que haja uma “mudança histórica” no …

O outono chegou e traz aguaceiros. Mas o calor ainda pode aparecer em outubro

O outono começou oficialmente às 8h50 desta segunda-feira. Este é o dia do equinócio, a data em que, segundo o saber popular, o dia e a noite têm a mesma duração. A data que assinala o …

Portugal não aderiu a programa da UE criado de propósito após os incêndios de 2017

No ano passado, a União Europeia criou um programa de proteção civil devido aos incêndios de 2017 em Portugal. Contudo, o país não aderiu ao mecanismo. Em 2017, Portugal viveu momentos difíceis devido aos incêndios que …

Boris responsabiliza Irão por ataque a petrolífera saudita

Boris Johnson diz que o país atribui ao Irão, "com muito alto grau de probabilidade, os ataques à gigante petrolífera saudita". O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, acusou esta segunda-feira o Irão de ser, muito provavelmente, responsável …