Nova tecnologia dá olhos humanos à inteligência artificial

A tecnologia pode resultar em inteligência artificial altamente desenvolvida, capaz de compreender instantaneamente o que vê.

Os investigadores da Universidade da Florida Central (UCF) construíram um dispositivo de inteligência artificial (IA) que replica a retina do olho.

A investigação pode resultar em IA de ponta, capaz de identificar o que vê de imediato, como por exemplo descrições automáticas de fotografias capturadas com uma câmara ou um telefone.

A tecnologia poderia também ser utilizada em robôs e veículos automáticos, segundo a Schi Tech Daily.

A tecnologia, descrita num estudo publicado na revista ACS Nano, também funciona melhor do que o olho em termos da gama de comprimentos de onda, desde a ultravioleta à luz visível e ao espectro infravermelho.

A sua capacidade de combinar três operações diferentes numa só contribui ainda mais para a sua singularidade. A tecnologia de imagem inteligente atualmente disponível, tal como a que se encontra nos automóveis com auto-condução, necessita de processamento de dados, memorização e sensores separados.

Os investigadores afirmam que, ao integrar os três procedimentos, o dispositivo concebido pela UCF é muito mais rápido do que a tecnologia existente. Com centenas de dispositivos encaixados num chip de uma polegada de largura, a tecnologia é também bastante compacta.

“Irá mudar a forma como a inteligência artificial é feita atualmente”, refere Tania Roy, investigadora principal do estudo e professora no Departamento de Ciência e Engenharia de Materiais no Centro de Tecnologia Nanocientífica da UCF.

“Hoje em dia, tudo é discreto e funciona com hardware convencional. E aqui, temos a capacidade de fazer computação in-sensor utilizando um único dispositivo numa pequena plataforma”, acrescenta a investigadora.

A tecnologia melhora o trabalho anterior da equipa de investigação que criou dispositivos semelhantes ao cérebro, que permitem à inteligência artificial trabalhar em regiões e espaços remotos.

“Tínhamos dispositivos que se comportavam como as sinapses do cérebro humano, mas mesmo assim não estávamos a alimentar-lhes diretamente a imagem”, diz Roy.

“Agora, ao adicionar-lhes a capacidade de deteção de imagem, temos dispositivos semelhantes a sinapses que atuam como ‘pixeis inteligentes’ numa câmara, ao detetar, processar e reconhecer imagens simultaneamente”, realça a docente.

Para veículos com automáticos, a versatilidade do dispositivo permitirá uma condução mais segura, inclusive à noite, realça Molla Manjurul Islam, autor principal do estudo e doutorando do Departamento de Física da UCF.

“Se estiver no seu veículo autónomo à noite e o sistema de imagem do carro funcionar apenas a um determinado comprimento de onda, digamos o comprimento de onda visível, não verá o que está à sua frente“, nota Islam. “Mas no nosso caso, com o nosso dispositivo, ele pode realmente ver tudo”.

“Não há nenhum dispositivo como este, que possa funcionar simultaneamente no alcance ultravioleta e no comprimento de onda visível, bem como no comprimento de onda infravermelho, pelo que este é o ponto de venda mais único para este dispositivo”, acrescenta ainda.

Os investigadores testaram a exatidão do dispositivo, fazendo-o sentir e reconhecer uma imagem mista de comprimento de onda — um número ultravioleta “3” e uma parte infravermelha que é a imagem do espelho do dígito, colocados lado a lado, para formar um “8” — e demonstraram que a tecnologia distinguia os padrões e os identifica como um “3” em ultravioleta e um “8” em infravermelho.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.