Oceanos. Guterres pede desculpa aos mais novos, Marcelo diz para não confiarem

ZAP // André Kosters, Manuel de Almeida / Lusa; Anders Nyberg / UNO

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu hoje desculpa às novas gerações pela falta de atenção dada pelas gerações mais velhas e decisores políticos aos oceanos, sublinhando que ainda se está a caminhar lentamente para reverter o problema.

O secretário-geral das Nações Unidas discursava na sessão de encerramento do Fórum da Juventude e Inovação da UNOC, Conferência dos Oceanos da ONU 2022, que decorre na praia do Carcavelos, em Cascais.

“Eu quero pedir desculpa, em nome da minha geração, à vossa geração, relativamente ao estado do oceano, ao estado da biodiversidade e ao estado das alterações climáticas”, afirmou António Guterres, falando para uma plateia de jovens.

O responsável admitiu que a sua geração foi responsável politicamente pela degradação das condições dos oceanos, por ter sido lenta, ou mesmo “sem vontade de reconhecer que as condições se estavam a deteriorar no mar”.

“Mesmo hoje, estamos a caminhar lentamente no sentido de reverter a tendência e reabilitar os oceanos, salvar a biodiversidade e parar as alterações climáticas”, acrescentou.

Rodrigo Antunes / Lusa

António Guterres, o ator Jason Momoa e Marcelo Rebelo de Sousa na Conferência dos Oceanos em Carcavelos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por sua vez, avisou os jovens para não confiarem nos decisores e lutarem por si contra as alterações climáticos e pelos oceanos, embora admitindo que há exceções e deixando elogios ao secretário-geral das Nações Unidas.

“Têm de lutar por vocês, não confiem nos decisores, há exceções, há alguns serão sempre os vossos maiores aliados, mas não a maioria”, disse, apontando o secretário-geral das Nações Unidas como uma das vozes “muito vocal e muito forte” neste campo.

O Presidente da República deixou, por isso, um conselho aos cerca de 150 jovens de 30 países que participaram neste Fórum: “A única forma de ser mais forte é lutar por isso e não acreditar que alguém lute por vocês”.

O chefe de estado deixou ainda um convite, frisando que costuma nadar em praias como a de Carcavelos duas ou três vezes por semana. “Enquanto o secretário-geral da ONU dá entrevistas, convido-os a ir ao banho comigo”, desafiou.

Além do secretário-geral das Nações Unidas e do Presidente da República, estão presentes na conferência a ministra da Energia do Quénia, Monica Juma, país que coorganiza a Conferência dos Oceanos com Portugal, o ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, e o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.