/

Oceanos cada vez mais ácidos podem corroer a pele e os dentes dos tubarões

3

As alterações climáticas estão a tornar os oceanos cada vez mais ácidos, o que pode danificar a pele dos tubarões. O aumento da acidez corrói os dentículos dos tubarões – escamas microscópicas semelhantes a dentes que cobrem a pele – o que pode prejudicar a natação.

À medida que os níveis de dióxido de carbono na atmosfera aumentam, os oceanos vão ficar mais ácidos, causando um problema maior para os tubarões no futuro.

Lutz Auerswald, do Departamento de Agricultura, Florestas e Pescas do governo sul-africano, e os seus colegas decidiram testar os efeitos de diferentes níveis de CO2 aquático nos 80 shysharks de papagaio-do-mar (Haploblepharus edwardsii), um tipo de tubarão-gato pequeno que vive em águas rasas, capturado num porto local.

Esta espécie já está bem adaptada às águas ácidas, que geralmente são ambientes arriscados para animais aquáticos, porque uma quantidade maior de CO2 pode entrar no sangue, impedindo que o oxigénio atinja os tecidos. Este tubarão contorna o problema, tornando o seu sangue mais alcalino, o que pode impedir os tubarões de terem complicações de saúde.

A equipa colocou os tubarões em tanques com um pH 8 – o atual nível global de oceanos e mares – ou um pH mais ácido 7,3 porque contem mais CO2. Após nove semanas nas condições mais ácidas, os tubarões ainda conseguiam usar as mesmas táticas para manter o sangue mais alcalino, mas isso acontecia à custa dos dentículos. Esse nível de pH foi suficiente para dissolver parte do mineral. É isso que torna as descobertas, publicadas este mês na revista científica Scientific Reports, tão surpreendentes, segundo Auerswald.

Os dentes de tubarão são feitos do mesmo material que os seus dentículos, por isso essa corrosão também pode prejudicar a alimentação do tubarão. Como os dentículos são encontrados em todos os tubarões, também outras espécies provavelmente serão afetadas. O grande tubarão branco, por exemplo, depende dos seus dentículos até 12% da sua velocidade de natação. Se estiverem desgastados, os tubarões podem não conseguir caçar com a mesma eficácia e ficar mais suscetíveis a lesões.

Embora não esteja previsto que os oceanos caiam para pH 7,3 até o ano 2300, morar perto das costas oeste e sul da África do Sul torna o tubarão mais suscetível a águas ácidas. A mudança climática provavelmente aumentará a ressurgência, um evento natural que aproxima a água ácida da superfície do oceano onde os tubarões são encontrados.

ZAP // Smithsonian /

3 Comments

  1. A grande explosão de vida no planeta deu-se nos oceanos no período Cambriano à cerca de 540 milhões de anos com CO2 a mais 4000 ppm, os primeiros tubarões aparecem no Devoniano à 400 milhões de anos com CO2 a mais de 2000 ppm; os tubarões passam o Triássico, o Jurássico e o Cretáceo com valores de CO2 de mais de 1000 ppm e agora uns iluminados dizem que os tubarões com o CO2 a 400 ppm correm o risco de ficarem sem dentes porque os oceanos vão acidificar… Onde é que fica a verdadeira ciência no meio disto tudo?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE