Cientistas descobrem “oceano oculto” repleto de peixes desconhecidos

Investigadores norte-americanos encontraram uma nova zona, a “rarifótica”, situada entre os 130 e os 300 metros de profundidade, e propuseram uma nova divisão das zonas de luz nos oceanos.

Cientistas do Instituto de Investigação norte-americano Smithsonian acabam de definir a recém-baptizada zona rarifótica, uma nova zona de luminosidade reduzida nos oceanos, compreendida entre os 130 e os 300 metros de profundidade.

Esta nova zona fica abaixo da zona mesofótica, compreendida entre os 40 e os 150 metros de profundidade, na qual a luz média penetra – as águas ideais para os recifes de corais tropicais.

A zona rarifótica está repleta de peixes previamente desconhecidos, que constituem todo um ecossistema recém descoberto. Aliás, a nova zona foi identificada a partir da fauna encontrada durante 80 mergulhos realizados com um submersível num recife de coral em Curaçao.

Segundo o ScienceAlert, esta investigação foi realizada com o objetivo de estudar o declínio da saúde do ecossistema associado ao aquecimento da água.

A existência de peixes, até agora desconhecidos, na zona rarifótica levou à hipótese de que a zona possa ser um refúgio para peixes de recife mais rasos, que fogem do aquecimento das águas e da deterioração dos corais, causadas pelas mudanças climáticas.

Segundo o Smithsonian Tropical Research Institute (STRI), durante os mergulhos, os cientistas registaram cerca de 4 500 peixes rarifóticos, de 71 espécies diferentes. Além disso, descobriram que um em cada cinco exemplares encontrados são novas espécies, levando os cientistas a acreditar na existência de uma nova zona de vida oceânica.

“Até agora, meu favorito é o Haptoclinus dropi“, comenta Ross Robertson, biólogo marinho do STRI e co-autor do estudo publicado este mês na Scientific Reports.

Além disso, muitas das novas espécies encontradas são mais próximas das espécies encontradas nas zonas bem iluminadas dos recifes de coral do que de espécies próprias de águas mais profundas, com menos luz.

Os autores do estudo desafiam a crença anterior de que, após a zona mesofótica, os ecossistemas se transferem imediatamente para os do mar profundo, e propõem uma nova divisão das zonas de luminosidade no oceano.

Assim, o oceano contempla uma zona altifótica de luz abundante, entre os zero e os 40 metros de profundidade; uma zona mesofótica de média luminosidade, entre os 40 e os 150 metros de profundidade, a nova zona rarifótica, entre os 130 e os 300 metros e a zona afótica, totalmente sem luz, abaixo dos 300 metros de profundidade.

“Estima-se que 95% do espaço habitável do nosso planeta esteja no oceano, mas apenas uma fração desse espaço foi explorada”, explicou a investigadora e principal autora do estudo, Carole Baldwin, do Smithsonian National Museum of Natural History.

Baldwin refere ainda que os recifes situados abaixo da zona mesofótica estão muito pouco estudados e que o novo estudo contraria a teoria convencional de que dos ecossistemas mesofóticos se passa diretamente para o oceano profundo.

“O que o nosso estudo revela é a existência uma zona biológica de transição, até agora não reconhecida, que inclui espécies de recife e de zonas profundas, a zona rarifótica”, conclui Carole Baldwin.

PARTILHAR

RESPONDER

Físico diz que Marte é o único planeta para onde humanos podem fugir

Segundo o físico Brian Cox, o Planeta Vermelho pode ser a única opção caso os humanos tenham de abandonar o planeta Terra. O cientista diz que "não podemos ficar aqui para sempre". O professor e apresentador …

Décadas de estudos sobre "genes da depressão" podem estar errados

A ideia de um "gene da depressão" capturou a imaginação de cientistas durante décadas. Nos últimos 20 anos, centenas de estudos sugeriram que pessoas com a variação de determinados genes têm um maior risco de …

Formação da Lua trouxe água para o planeta Terra

A formação da Lua trouxe para a Terra condritos carbonosos, que são fonte provável da água no nosso planeta e de elementos altamente voláteis, como carbono, nitrogénio, hidrogénio e enxofre. A Terra é o único planeta …

Greve na limpeza vai parar Hospital de São João no Porto

Os trabalhadores da limpeza do Hospital de São João, no Porto, entraram em greve este sábado. As desinfeções em ambulatório ou a limpeza de consultórios e da urgência não estão a ser feitas. Na …

Há um enorme buraco na atmosfera de Marte (e a água está a escapar)

Uma vez a cada dois anos, um gigantesco buraco abres-e na atmosfera marciana, deixando escapar para o Espaço uma parte das escassas reservas de água do Planeta Vermelho. O estranho mecanismo meteorológico, nunca visto na Terra, …

Musk vai construir um túnel de alta velocidade em Las Vegas

A Boring Company conseguiu um contrato de 48,7 milhões de dólares para construir um sistema subterrâneo, chamado LVCC Loop, em Las Vegas. A empresa Boring Company, de Elon Musk, foi a escolhida para construir um túnel …

Cientistas podem ter descoberto a verdadeira origem da canábis

A origem da canábis é um mistério, mas a análise de pólen antigo sugere que a planta evoluiu cerca de três quilómetros acima do nível do mar no planalto tibetano. Documentos que datam da Idade Média …

Sporting vs FC Porto | Um ano depois, a Taça para os leões

O Sporting venceu o FC Porto, mais uma vez nas grandes penalidades, e arrecadou a 17ª Taça de Portugal. Num jogo muito disputado no Estádio do Jamor, que terminou empatado 1-1 no tempo regulamentar, o Porto …

Marcelo pede aos portugueses para votarem. "Ficar em casa é um erro enorme"

O Presidente da República pediu hoje aos portugueses que façam o "pequeno sacrifício" de votar nas eleições para o Parlamento Europeu e não deixem "nas mãos de 20% ou de 25% a decisão que é …

Uma cidade inteira dos EUA está refém de cibercriminosos

A cidade de Baltimore, nos Estados Unidos, está sob ataque. Mas a ameaça não vem de pessoas armadas com pistolas e bombas. Há duas semanas, cibercriminosos usaram ransomware - um tipo de software nocivo que restringe …