O oceano está a passar por uma mudança como não se via há 10 mil anos

Mudanças na circulação oceânica podem ter causado uma mudança nos ecossistemas do Oceano Atlântico, não observada nos últimos 10.000 anos, revelou uma nova análise dos fósseis do fundo do mar.

Esta é a surpreendente conclusão de um novo estudo publicado, este mês, na revista Geophysical Research Letters.  O clima tem estado bastante estável nos últimos 12.000 anos desde o final da última Era Glacial, um período conhecido como Holoceno. Pensa-se que essa estabilidade é o que permitiu à civilização humana realmente avançar.

No oceano, as principais correntes também eram consideradas relativamente estáveis durante o Holoceno. Estas correntes possuem ciclos naturais, que afetam onde os organismos marinhos podem ser encontrados, incluindo plâncton, peixes, aves marinhas e baleias.

No entanto, as alterações climáticas no oceano estão a tornar-se visíveis. Os recifes de coral tropicais estão a ficar brancos, os oceanos a tornar-se mais ácidos à medida que absorvem carbono da atmosfera, e espécies como a cavala estão a mover-se em direção aos polos. Mas ainda parece haver uma visão predominante de que pouco aconteceu no oceano até agora. Nas nossas cabeças, os grandes impactos estão confinados para o futuro.

Para desafiar este ponto de vista, foi necessário procurar lugares onde os fósseis do fundo do mar não apenas cobriam a era industrial, mas também onde se estendiam há milhares de anos. Os investigadores encontraram no fundo do mar, ao sul da Islândia, uma grande corrente marítima que faz com que os sedimentos se acumulem em grandes quantidades.

Para conseguir amostras dos fósseis, os cientistas recolheram testemunhos do sedimento. O sedimento mais profundo contém os fósseis mais antigos, enquanto o sedimento de superfície contém fósseis que foram depositados nos últimos anos.

Uma das maneiras mais simples de descobrir como era o oceano no passado é contar as diferentes espécies de plâncton fóssil que podem ser encontradas em tais sedimentos. Diferentes espécies gostam de viver em diferentes condições.

Um estudo recente mostrou que as distribuições modernas de foraminíferos são diferentes do início da era industrial. As alterações climáticas já estão claramente a causar impacto.

Da mesma forma, a visão de que as correntes oceânicas modernas são como as dos últimos dois mil anos foi desafiada por um outro estudo de 2018, que mostrou que a circulação estava mais fraca nos últimos 1.500 anos.

Os efeitos da circulação incomum podem ser encontrados no Atlântico Norte. Logo ao sul da Islândia, uma redução no número de espécies de plâncton de água fria e um aumento no número de espécies de água quente mostram que as águas quentes substituíram as águas frias e ricas em nutrientes.

Mais a norte, outras evidências fósseis mostram que mais água quente está a chegar ao Ártico desde o Atlântico, provavelmente contribuindo para a fusão do gelo do mar.

Mais a oeste, uma desaceleração na circulação significa que as águas não estão a aquecer tanto quanto seria de esperar, enquanto no extremo oeste, as quentes correntes do Golfo parecem estar deslocar-se para o norte, o que terá consequências profundas para os importantes bancos de pesca da região.

Ainda não sabemos o que causou estas transformações na circulação oceânica. Mas parece que o oceano é mais sensível às alterações climáticas modernas do que se pensava anteriormente, e teremos que nos adaptar.

PARTILHAR

29 COMENTÁRIOS

  1. Se não estou enganado, já li e ouvi em noticiários cientistas relatando descobertas de fosseis da chamada mega fauna, que incluem o tigre dente de sabre, o mamute, o tatu gigante, a preguiça gigante, entre muitos outros, e que estes teriam sido extintos a aproximadamente a 10.000 anos. Agora que está havendo esta mudança nos mares, será certo nos perguntarmos:
    -“Somos os próximos”?

    • A adaptação a essas mudanças nos tempos atuais é muito fácil. Não é preciso se mudar para achar comida nem se proteger do frio ou calor mutantes. Vida que segue.

  2. Ótima reportagem. Obrigado por divulgar esse tipo de conteúdo científico pro grande público. Só gostaria de fazer uma consideração para futuros artigos. Sou pesquisador em Paleoceanografia usando foraminíferos e sedimentos marinhos. A tradução mais adequada de “marine sediment core” é “testemunho de sedimentos marinhos”. A palavra “núcleo” pode ser utilizada como tradução quando se trata de núcleos de gelo.

  3. No Brasil uma farta e bem estruturada campanha de vacinação anti sarampo foi um fiasco pelo não comparecimento dos cidadãos.

  4. O gato das correntes marítimas pararem ou mudarem de rumo é simples , o aumento de água doce no oceano , já por conta do derretimento das geleiras, isto faz a água ficar menos densa e por consequência muda sua corrente.

  5. Mas ainda PARECE haver….PROVAVELMENTE contribuindo para o derretimento do gelo…correntes do Golfo PARECEM estar….mas PARECE que o oceano é mais sensível. Só incertezas. Assim também são os textos do “aquecimento global”.

    • O problema do mundo de hoje é que os inteligentes estão cheios de dúvidas, e os idiotas estão cheios de certezas.

RESPONDER

"Dei-te quase tudo." PS dedica música ao Bloco, mas não vai em cantigas

"Dei-te quase tudo e quase tudo foi demais." A dedicatória do deputado socialista João Paulo Pedrosa resume a relação tensa do Governo com o Bloco de Esquerda. Sem acordo, parte das propostas no Código de …

Cristiano Ronaldo está a ser investigado em Itália por causa da covid-19

O ministro do Desporto de Itália, Vincenzo Spadafora, anunciou que está em curso uma investigação para "provar" que Cristiano Ronaldo quebrou o protocolo sanitário no âmbito da pandemia de covid-19. Em causa está o facto …

PEV vai abster-se na votação do Orçamento do Estado na generalidade

O Partido Ecologista "Os Verdes" junta-se ao PCP e ao PAN na abstenção da votação da proposta de Orçamento do Estado para 2021, cuja aprovação já está garantida. De acordo com o deputado José Luís Ferreira, …

Ovar volta a ativar Plano de Emergência Municipal

A Câmara Municipal de Ovar reativou o Plano Municipal de Emergência da Proteção Civil face ao aumento do número de casos de covid-19. Salvador Malheiro, decidiu ativar o Plano Municipal de Emergência, a partir das 00:00 …

Crocodilos africanos viveram em Espanha há seis milhões de anos

Há milhões de anos, várias espécies de crocodilos habitaram a Europa. Contudo, era improvável que crocodilos do género Crocodylus - de origem africana - tivessem vivido na bacia do Mediterrâneo. Os vestígios encontrados nas regiões …

Bernardo Silva arrasa Vieira (e Jesus e Rui Costa atiram-se ao jogador)

Na antecâmara das eleições para a presidência do Benfica, Bernardo Silva, ex-futebolista encarnado, apela a uma "mudança" e deixa duras críticas à presidência de Luís Filipe Vieira. Por outro lado, Rui Costa, que integra a …

Cristina Rodrigues deu a mão ao Governo para fazer passar o OE (mas ainda tem mais 14 reivindicações)

A dois dias da votação do Orçamento de Estado para 2021 na fase da generalidade, a deputada não-inscrita Cristina Rodrigues deu a mão ao Governo para fazer passar o documento. No entanto, ainda tem - …

Costa diz que estado de emergência é "prematuro" e põe de lado o recolhimento obrigatório

Numa altura em que o número de infetados não pára de subir em Portugal, o Governo prefere manter a situação de calamidade para dar resposta à pandemia, o que permite tomar medidas como o confinamento …

22-0: a soma de dois jogos, no mesmo dia

Com claro destaque para o que aconteceu nos Países Baixos: 13-0, vitória do Ajax. Recorde no campeonato holandês, cinco golos de um jogador, um guarda-redes a querer marcar uma grande penalidade... O que aconteceu no sábado, …

Aminoácido produzido no cérebro pode prevenir ataques epiléticos

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade da Florida descobriu que um aminoácido produzido pelo cérebro pode desempenhar um papel crucial na prevenção de um tipo de ataque epilético. As crises epiléticas do …