Obras derretidas e jóias desbaratadas por ignorância ou necessidade

epSos.de / Flickr

-

Noventa por cento dos portugueses é incapaz de avaliar jóias, que em momentos de crise são vendidas ao desbarato, frequentemente a quem também desconhece o valor de ouro ou pedras preciosas, alerta o presidente do Instituto Gemológico Português.

A ignorância, explicou José Baptista à Agência Lusa, começa nos donos de jóias e segue depois para avaliadores, que, “não fazendo por mal” mas porque “entraram no negócio sem um mínimo de conhecimentos e de competência”, enganam os clientes e se enganam a eles.

“Com o aumento do preço do ouro tomei consciência de que elevada percentagem de peças, algumas património nacional, foram derretidas”. Porque a maior parte das pessoas que compra “está ali para aproveitar o ouro e pagar ao preço de o derreter, de sucata”, justifica o responsável.

O Instituto promove no sábado em Lisboa uma sessão gratuita de avaliação de joias chamada “Quanto vale o anel da sua avó?” e organiza na sede cursos de formação na área da ourivesaria.

Destas sessões muitas pessoas saem “de boca aberta“, umas por pensar que tinham uma fortuna e não têm nada e outras a pensar que tinham “uma ninharia” e têm afinal peças de “50 mil euros”.

Mas o ideal, diz José Baptista, seria acabar com casos de peças valendo “quatro ou cinco mil euros” que são vendidas a “300 ou 400”.

É que, diz José Baptista, se quem analisa uma jóia e desconhece estar perante um rubi, a sua proveniência ou época, pode “honestamente” subavaliá-la.

“Eu sei porque conheço alguns (ourives) e não é por mal. Mas dói-me muito saber do património que se perde, algum que devia estar nos museus”, diz o responsável, que aconselha a quem quer vender que procure “gente competente”, “porque a há”, e escute várias opiniões.

Mas também há os “indivíduos que se metem no negócio por ganância“, os “mercados paralelos”, a venda porta a porta, os burlões, as técnicas apuradas de falsificação, que tudo conjugado com a crise descamba em “situações dramáticas”.

E a ignorância acima de tudo. José Baptista fez a experiência colocando em avaliação uma pulseira de 1930 de ouro e platina, com rubis e diamantes. Estava avaliada em quatro mil euros e ofereceram no máximo 300.

E burlas ao contrário também as há. Ou tentativas. “Há quem compre e depois volte cá mas já com uma jóia falsa”, diz o José Baptista que também é professor avaliador da Casa da Moeda e ourives.

Portugal não tem pedras preciosas ,mas tem grandes profissionais, lapidadores por exemplo que estão “desempregados ou noutros países”. E tem ourivesarias sem jóias bonitas e de qualidade. E tem uma indústria falida quando “não há outra que possa dar tanto dinheiro”. E tem uma crise que leva as pessoas a desfazerem-se de jóias a preços irrisórios, compradas por outras pessoas que são capazes de “derreter” por ignorância património nacional, diz.

Mas tem lupas, tem polariscópios e microscópios, tem aparelhos de fluorescência e refratómetros. E não tem por isso motivos para que alguém desconheça ainda quanto vale o brinco da mãe, a pulseira do pai, o broche da tia ou o anel da avó.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Não são só os humanos. Até os cães-guia podem vir a ser substituídos por robôs

A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) não ameaça apenas automatizar o trabalho dos humanos. Os cães-guia, que ajudam pessoas com deficiência visual a navegar com segurança pelo mundo, podem ser os seus próximos alvos. Uma equipa …

Laboratório investigado em Madrid depois de vídeo mostrar maus tratos a animais

Um laboratório em Madrid, Espanha, está a ser investigado por alegados maus tratos a animais, depois de uma inspeção confirmar as suspeitas de abuso filmadas por um antigo funcionário. O vídeo divulgado pela Cruelty Free International …

Equipa realiza primeiro transplante de traqueia do mundo. Pode reverter danos causados pela covid-19

Uma equipa de cirurgiões realizou o primeiro transplante de traqueia humana do mundo. A cirurgia foi feita numa mulher com graves danos no órgão, revelou o Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque. A recetora do transplante …

Em 2020, os mais velhos renderam-se aos "animais de estimação pandémicos"

Uma nova investigação revelou que as famílias com crianças não foram as únicas a aderir à tendência dos "animais de estimação pandémicos" em 2020. Os mais velhos também não resistiram. Segundo a National Poll on Healthy …

Tramado por uma turfeira. Homem confessa assassinato, mas corpo encontrado tinha 1600 anos

O que tinha tudo para ser um casamento feliz, acabou em tragédia. Num estranho caso em que uma simples planta ditou o desfecho de uma investigação criminal. Em 1959, a retratista e entusiasta de viagens Malika …

"Projeto Bernanke". Google terá usado programa secreto para dar vantagem ao seu sistema de anúncios

A Google terá usado durante anos um programa secreto que usava dados de lances anteriores na bolsa de publicidade digital da empresa para dar ao seu próprio sistema de compra de anúncios uma vantagem sobre …

Para "proteger a verdade histórica", Rússia divulga documentos que revelam atrocidades nazis em Stalingrado

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou documentos desclassificados que detalham atrocidades cometidas por soldados e oficiais nazis durante a II Guerra Mundial. A divulgação destes documentos, que foram publicados no site do Ministério da Defesa …

Espanha. Funcionários públicos podem trabalhar três dias em casa sem perder direitos

O Governo espanhol e os sindicatos de funcionalismo público chegaram, esta segunda-feira, a um acordo que prevê que os trabalhadores da Administração Pública podem trabalhar três dias por semana em casa com os mesmos direitos …

Rara coleção de um dos primeiros fotógrafos da História vai a leilão nos EUA

Quase 200 imagens de um dos primeiros fotógrafos da história, William Henry Fox Talbot, vão a leilão, em Nova Iorque, já este mês. A coleção de William Henry Fox Talbot será parte do leilão "50 obras-primas …

Em greve de fome, Navalny é ameaçado ser alimentado à força. Ativistas falam em tortura

O opositor russo Alexei Navalny afirmou hoje na rede social Twitter que as autoridades penitenciárias estão a ameaçar alimentá-lo à força para quebrar a greve de fome que mantém na prisão desde 31 de março. “Ele …