Obras derretidas e jóias desbaratadas por ignorância ou necessidade

epSos.de / Flickr

-

Noventa por cento dos portugueses é incapaz de avaliar jóias, que em momentos de crise são vendidas ao desbarato, frequentemente a quem também desconhece o valor de ouro ou pedras preciosas, alerta o presidente do Instituto Gemológico Português.

A ignorância, explicou José Baptista à Agência Lusa, começa nos donos de jóias e segue depois para avaliadores, que, “não fazendo por mal” mas porque “entraram no negócio sem um mínimo de conhecimentos e de competência”, enganam os clientes e se enganam a eles.

“Com o aumento do preço do ouro tomei consciência de que elevada percentagem de peças, algumas património nacional, foram derretidas”. Porque a maior parte das pessoas que compra “está ali para aproveitar o ouro e pagar ao preço de o derreter, de sucata”, justifica o responsável.

O Instituto promove no sábado em Lisboa uma sessão gratuita de avaliação de joias chamada “Quanto vale o anel da sua avó?” e organiza na sede cursos de formação na área da ourivesaria.

Destas sessões muitas pessoas saem “de boca aberta“, umas por pensar que tinham uma fortuna e não têm nada e outras a pensar que tinham “uma ninharia” e têm afinal peças de “50 mil euros”.

Mas o ideal, diz José Baptista, seria acabar com casos de peças valendo “quatro ou cinco mil euros” que são vendidas a “300 ou 400”.

É que, diz José Baptista, se quem analisa uma jóia e desconhece estar perante um rubi, a sua proveniência ou época, pode “honestamente” subavaliá-la.

“Eu sei porque conheço alguns (ourives) e não é por mal. Mas dói-me muito saber do património que se perde, algum que devia estar nos museus”, diz o responsável, que aconselha a quem quer vender que procure “gente competente”, “porque a há”, e escute várias opiniões.

Mas também há os “indivíduos que se metem no negócio por ganância“, os “mercados paralelos”, a venda porta a porta, os burlões, as técnicas apuradas de falsificação, que tudo conjugado com a crise descamba em “situações dramáticas”.

E a ignorância acima de tudo. José Baptista fez a experiência colocando em avaliação uma pulseira de 1930 de ouro e platina, com rubis e diamantes. Estava avaliada em quatro mil euros e ofereceram no máximo 300.

E burlas ao contrário também as há. Ou tentativas. “Há quem compre e depois volte cá mas já com uma jóia falsa”, diz o José Baptista que também é professor avaliador da Casa da Moeda e ourives.

Portugal não tem pedras preciosas ,mas tem grandes profissionais, lapidadores por exemplo que estão “desempregados ou noutros países”. E tem ourivesarias sem jóias bonitas e de qualidade. E tem uma indústria falida quando “não há outra que possa dar tanto dinheiro”. E tem uma crise que leva as pessoas a desfazerem-se de jóias a preços irrisórios, compradas por outras pessoas que são capazes de “derreter” por ignorância património nacional, diz.

Mas tem lupas, tem polariscópios e microscópios, tem aparelhos de fluorescência e refratómetros. E não tem por isso motivos para que alguém desconheça ainda quanto vale o brinco da mãe, a pulseira do pai, o broche da tia ou o anel da avó.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Turismo fez subir o custo de vida dos portugueses. Salários continuam estagnados

O crescimento do turismo em Portugal fez crescer o custo de vida dos portugueses, especialmente nos que vivem nas grandes cidades, apesar de estes continuarem com os salários estagnados, escreve o Jornal de Notícias. Entre 2013 …

Contrato público. Amazon apresenta queixa em tribunal contra Trump

A Amazon revela que os "insistentes ataques públicos e de bastidores" de Donald Trump contra Jeff Bezos causaram "pressão" que levou à perda de contrato público com o Departamento de Defesa.  A Amazon apresentou uma queixa …

Empurrões, insultos e (talvez) um murro: Sérgio Conceição e Pedro Ribeiro perderam as estribeiras no túnel do Jamor

Os treinadores de FC Porto e Belenenses, Sérgio Conceição e Pedro Ribeiro, desentenderam-se no túnel de acesso ao relvado do Estádio Nacional, ao intervalo do jogo em que as duas equipas empataram a uma bola. …

Acordo entre Rússia e Ucrânia para cessar-fogo até ao final do ano

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, chegaram na segunda-feira à noite a um acordo de cessar-fogo que deverá ter efeito até ao final do ano de 2019. "As partes …

Nova Zelândia abre investigação. Erupção do Whakaari já fez pelo menos 13 mortos

Pelo menos cinco pessoas morreram e oito continuam desaparecidas, na sequência da erupção do vulcão Whakaari, na Nova Zelândia. As autoridades afirmam que há poucas chances de terem sobrevivido. "Diria com forte convicção de que ninguém …

Falhas no acesso a remédios não são exclusivo do SNS. No resto da Europa também há, diz ministra

A ministra da Saúde afirmou que as falhas no acesso a medicamentos não são "um exclusivo nacional", estando em discussão entre os Estados-membros uma "estratégia global para o acesso ao medicamento". A ministra da Saúde afirmou …

Canal Panda e jogar sem medo. A receita de Lage para vencer os russos do Zenit

O Benfica joga esta terça-feira com o Zenit de São Petersburgo, na sexta e última jornada do grupo G da Liga dos Campeões. Os encarnados precisam de vencer por dois (ou mais) golos para garantir …

Polícia de Hong Kong desativa bombas artesanais escondidas em escola

As autoridades de Hong Kong desativaram duas bombas artesanais numa escola esta terça-feira. Os engenhos foram descobertos por um guarda e desconhece-se se estão associados à crise política que se vive no país. A líder de …

Tancos. Carlos Alexandre quer ouvir António Costa presencialmente

O juiz Carlos Alexandre quer ouvir o primeiro-ministro, António Costa, presencialmente durante a fase de instrução do processo de Tancos, recusando assim que o seu testemunho seja feito apenas por escrito. De acordo com a …

Orçamento de 2020 sem verba para pré-reformas na Função Pública

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e Administração Pública, esclareceu que a proposta do Orçamento do Estado para o próximo ano não deverá reservar qualquer verba para financiar pré-reformas na função pública. Segundo o Diário …