O sexo vende? Talvez não

PatriotPro / SXC

-

Faz parte do senso comum pensar que sexo e violência vendem. No entanto, a ciência discorda.

Uma meta-análise dos resultados de 53 experiências diferentes envolvendo cerca de 8.500 pessoas, feitos ao longo de 44 anos, examinou se conteúdos de cariz sexual ou violento ajudam ou não a vender os produtos anunciados.

Quando analisados em conjunto, a conclusão geral desses estudos, com algumas ressalvas, é que a violência e o sexo não são o contexto ideal para uma publicidade eficaz.

Segundo Brad Bushman, coautor do estudo e professor de comunicação e psicologia na Universidade do Estado de Ohio, nos EUA, não é uma questão das pessoas não darem atenção ao sexo e à violência nos meios de comunicação. É precisamente o contrário.

“As pessoas estão tão focadas no sexo e na violência que vêem nos meios de comunicação que dão menos atenção às mensagens publicitárias que surgem nesse contexto”, afirmou.

A metodologia

A análise incluiu estudos envolvendo vários tipos de meios de comunicação, incluindo imprensa, televisão, filmes e até mesmo alguns videojogos. Os cientistas examinaram estudos em que os próprios anúncios continham sexo ou violência, e estudos nas quais apenas os meios nos quais os anúncios foram colocados continham conteúdos desse teor.

Em ambos os casos, os investigadores estudaram se o sexo e a violência afetaram a memória que as pessoas tinham da marca, as atitudes em relação a esta e a intenção das pessoas de comprar os produtos anunciados. As conclusões foram publicadas no Psychological Bulletin.

Os investigadores descobriram uma diminuição significativa de memória da publicidade que continha sexo, violência ou ambos.

No geral, as pessoas tinham atitudes menos favoráveis em relação a marcas que anunciavam através de meios violentos, por comparação com meios neutros.

Por fim, as pessoas relataram menos intenção de comprar produtos anunciados em meios com violência, sexo ou ambos, em comparação com as mesmas marcas em meios neutros.

Já sobre os anúncios que continham sexo e violência em si, os resultados não foram tão claros, sendo que a memória não era prejudicada por publicidade com esse tipo de conteúdos.

Nuances

Apesar da conclusão geral ser de que o sexo e a violência não ajudam a vender, os investigadores encontraram várias nuances nos estudos que examinaram.

Por exemplo, a memória e intenção de compra foram ambas melhores quando o conteúdo do anúncio e o conteúdo do meio de comunicação eram semelhantes. Ou seja, anúncios violentos funcionavam melhor quando eram inseridos em programas violentos.

Até certo ponto, anúncios sexuais não mudaram a atitude e intenção de compra das marcas globalmente. No entanto, quanto maior o nível de conteúdo sexual nos anúncios, mais negativas eram as atitudes das pessoas em relação à marca e menos propensas eram de dizer que comprariam o produto.

As pessoas mais velhas foram menos propensas a dizer que comprariam produtos apresentados em anúncios violentos ou sexuais em comparação com as mais jovens.

A memória da marca foi mais prejudicada em homens do que mulheres quando a propaganda vinha em mídias ou anúncios com imagens sexuais ou violentas.

“Isso encaixa-se na teoria evolutiva que sugere que os machos dão mais atenção à violência e ao sexo do que as mulheres”, disse Robert Lull, coautor do estudo, também da Universidade do Estado de Ohio. “Como dão mais atenção a estes conteúdos, são menos propensos a lembrar os anúncios”.

É como se a publicidade não “se destacasse” para ser lembrada posteriormente.

Outra descoberta interessante foi que as atitudes negativas em relação a marcas com anúncios violentos ou sexuais têm diminuído nas últimas décadas. Uma explicação possível é que as pessoas começaram a tornar-se insensíveis a sexo e violência.

“Os espectadores estão tão acostumados a ver esses conteúdos que não respondem com tanto impacto nos dias que correm”, considera Bushman.

ZAP / Hype

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. …Não se perfilando como gatilhos porém, emoções e afectos serão factor da cresecente indiferença ao “sexo fora de contexto” comercial!

  2. Eh pá, sem ter que pensar muito dá logo para concluir que este estudo é ridículo porque a premissa está errada.

    É claro que o sexo e a violência “vendem”. Tal pode ser concluído pelo facto de as notícias que têm qualquer um dos dois imediatamente captam a nossa atenção. Os filmes de holywood que têm qualquer um dos dois têm mais sucesso. A indústria porno é muito bem sucedida. Tudo isto prova que nós humanos temos um elevado interesse por estes assuntos e por isso, eles “vendem” e bem!

    Agora, é parvo pensar que se metermos estes conteúdos num anúncio de detergente, ele vai vender melhor. Mas se o anúncio aparecer a seguir ao telejornal que continha estes conteúdos, como eles captaram as pessoas, elas vão lá estar para ver o anúncio.

  3. desconfio que foi mais um desses estudos tendenciosos feito com grupos etários específicos,para dar esses resultados,como por exemplo idosos que tem menos testosterona,logo a violência e o sexo tem menos impacto ao nível do subconsciente

RESPONDER

Fernando Nobre, fundador da AMI, alvo de processo disciplinar da Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) abriu um processo disciplinar ao médico Fernando Nobre, na sequência de uma queixa sobre declarações que prestou numa manifestação de negacionistas da pandemia de covid-19 realizada junto à Assembleia da …

Sem que precise de falar, novo teste pode diagnosticar demência precocemente

Num novo estudo, investigadores relataram grande precisão a identificar pessoas com a doença de Alzheimer através de um novo teste em que o paciente nem precisa de falar. O nosso sistema de memória visual tem uma …

Portugal a dois pontos de atingir 85% da vacinação completa

Mais de 8,5 milhões de pessoas já têm a vacinação completa contra a covid-19, o que faz com que Portugal esteja a dois pontos percentuais de atingir a meta de 85% da população totalmente vacinada. Segundo …

Encontrada parte da matéria perdida do Universo

As galáxias podem receber e trocar matéria com o seu ambiente externo graças aos ventos galácticos criados por explosões estelares. Devido ao instrumento MUSE do VLT (Very Large Telescope) do ESO, uma equipa internacional liderada …

A Lilium testou o seu táxi voador de quinta geração — com direito a vídeo e som

Empresa alemã quer tornar-se uma referência do transporte aéreo de nova geração, pelo que se tem esforçado por responder a todos os pedidos e solicitações de melhorias enviadas por possíveis compradores. O modelo eVTOL da empresa …

Irão disponível para negociações sobre acordo nuclear nas próximas semanas

O Irão retornará às negociações sobre a retomada do acordo nuclear de 2015 nas próximas semanas, avançou o Ministério dos Negócios Estrangeiros esta terça-feira, apesar das suspeitas das potências ocidentais sobre a estratégia de Teerão …

Depois do Loon, nasce o Taara. Projeto usou lasers para transmitir 700TB de dados

Depois da morte do Projeto Loon, no início do ano, nasceu o Projeto Taara, que utilizou lasers para transmitir 700TB de dados através do rio Congo. O projeto muda, o nome é diferente, mas a missão …

Vizela - Paços de Ferreira bateu recorde de assistência na I Liga

Maior número de adeptos do campeonato também foi registado nesta jornada, no Benfica-Boavista; mas em termos de ocupação do estádio, o Vizela deixou longe toda a concorrência. Desde os anos 80 do século passado que não …

150 anos antes da viagem histórica de Colombo, um frade italiano escrevia sobre a America

Por volta do ano 1340, Galvano Fiamma registou, na sua Cronica universalis, a existência de terras a oeste da Gronelândia habitadas "por gigantes". Trata-se da primeira menção documentada do continente americano no Mediterrâneo, cerca de …

Os antigos compadres zangaram-se de vez. Trump puxa os cordelinhos nos bastidores para correr com McConnell

A relação de altos e baixos entre os dois azedou de vez depois de McConnell ter reconhecido a vitória de Joe Biden. Trump quer agora que um Republicano concorra contra McConnell pelo cargo da liderança …