O sexo vende? Talvez não

PatriotPro / SXC

-

Faz parte do senso comum pensar que sexo e violência vendem. No entanto, a ciência discorda.

Uma meta-análise dos resultados de 53 experiências diferentes envolvendo cerca de 8.500 pessoas, feitos ao longo de 44 anos, examinou se conteúdos de cariz sexual ou violento ajudam ou não a vender os produtos anunciados.

Quando analisados em conjunto, a conclusão geral desses estudos, com algumas ressalvas, é que a violência e o sexo não são o contexto ideal para uma publicidade eficaz.

Segundo Brad Bushman, coautor do estudo e professor de comunicação e psicologia na Universidade do Estado de Ohio, nos EUA, não é uma questão das pessoas não darem atenção ao sexo e à violência nos meios de comunicação. É precisamente o contrário.

“As pessoas estão tão focadas no sexo e na violência que vêem nos meios de comunicação que dão menos atenção às mensagens publicitárias que surgem nesse contexto”, afirmou.

A metodologia

A análise incluiu estudos envolvendo vários tipos de meios de comunicação, incluindo imprensa, televisão, filmes e até mesmo alguns videojogos. Os cientistas examinaram estudos em que os próprios anúncios continham sexo ou violência, e estudos nas quais apenas os meios nos quais os anúncios foram colocados continham conteúdos desse teor.

Em ambos os casos, os investigadores estudaram se o sexo e a violência afetaram a memória que as pessoas tinham da marca, as atitudes em relação a esta e a intenção das pessoas de comprar os produtos anunciados. As conclusões foram publicadas no Psychological Bulletin.

Os investigadores descobriram uma diminuição significativa de memória da publicidade que continha sexo, violência ou ambos.

No geral, as pessoas tinham atitudes menos favoráveis em relação a marcas que anunciavam através de meios violentos, por comparação com meios neutros.

Por fim, as pessoas relataram menos intenção de comprar produtos anunciados em meios com violência, sexo ou ambos, em comparação com as mesmas marcas em meios neutros.

Já sobre os anúncios que continham sexo e violência em si, os resultados não foram tão claros, sendo que a memória não era prejudicada por publicidade com esse tipo de conteúdos.

Nuances

Apesar da conclusão geral ser de que o sexo e a violência não ajudam a vender, os investigadores encontraram várias nuances nos estudos que examinaram.

Por exemplo, a memória e intenção de compra foram ambas melhores quando o conteúdo do anúncio e o conteúdo do meio de comunicação eram semelhantes. Ou seja, anúncios violentos funcionavam melhor quando eram inseridos em programas violentos.

Até certo ponto, anúncios sexuais não mudaram a atitude e intenção de compra das marcas globalmente. No entanto, quanto maior o nível de conteúdo sexual nos anúncios, mais negativas eram as atitudes das pessoas em relação à marca e menos propensas eram de dizer que comprariam o produto.

As pessoas mais velhas foram menos propensas a dizer que comprariam produtos apresentados em anúncios violentos ou sexuais em comparação com as mais jovens.

A memória da marca foi mais prejudicada em homens do que mulheres quando a propaganda vinha em mídias ou anúncios com imagens sexuais ou violentas.

“Isso encaixa-se na teoria evolutiva que sugere que os machos dão mais atenção à violência e ao sexo do que as mulheres”, disse Robert Lull, coautor do estudo, também da Universidade do Estado de Ohio. “Como dão mais atenção a estes conteúdos, são menos propensos a lembrar os anúncios”.

É como se a publicidade não “se destacasse” para ser lembrada posteriormente.

Outra descoberta interessante foi que as atitudes negativas em relação a marcas com anúncios violentos ou sexuais têm diminuído nas últimas décadas. Uma explicação possível é que as pessoas começaram a tornar-se insensíveis a sexo e violência.

“Os espectadores estão tão acostumados a ver esses conteúdos que não respondem com tanto impacto nos dias que correm”, considera Bushman.

ZAP / Hype

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. …Não se perfilando como gatilhos porém, emoções e afectos serão factor da cresecente indiferença ao “sexo fora de contexto” comercial!

  2. Eh pá, sem ter que pensar muito dá logo para concluir que este estudo é ridículo porque a premissa está errada.

    É claro que o sexo e a violência “vendem”. Tal pode ser concluído pelo facto de as notícias que têm qualquer um dos dois imediatamente captam a nossa atenção. Os filmes de holywood que têm qualquer um dos dois têm mais sucesso. A indústria porno é muito bem sucedida. Tudo isto prova que nós humanos temos um elevado interesse por estes assuntos e por isso, eles “vendem” e bem!

    Agora, é parvo pensar que se metermos estes conteúdos num anúncio de detergente, ele vai vender melhor. Mas se o anúncio aparecer a seguir ao telejornal que continha estes conteúdos, como eles captaram as pessoas, elas vão lá estar para ver o anúncio.

  3. desconfio que foi mais um desses estudos tendenciosos feito com grupos etários específicos,para dar esses resultados,como por exemplo idosos que tem menos testosterona,logo a violência e o sexo tem menos impacto ao nível do subconsciente

RESPONDER

Ventura diz que Marcelo quer flexibilização das restrições no Natal

O líder e deputado único do Chega, André Ventura, afirmou esta quinta-feira que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou a vontade de que haja alguma flexibilização das restrições à circulação no Natal. Após …

Governo do Brasil aponta início da vacinação entre janeiro e fevereiro

O ministro da Saúde do Brasil, Eduardo Pazuello, disse que o país vai começar a receber 15 milhões de doses de vacinas para a covid-19 entre janeiro e fevereiro de 2021, com mais cem milhões …

Solução para Novo Banco pode não passar por um OE retificativo, diz João Leão

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, disse que a alternativa à anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco não tem "necessariamente que passar" por um orçamento retificativo …

Plano de vacinação arranca em janeiro com três fases. 950 mil pessoas no primeiro grupo prioritário

Pessoas com mais de 50 anos com uma patologia frequente nos casos graves de covid-19, residentes e/ou internados em lares e profissionais de saúde integram o primeiro grupo prioritário para a administração da vacina de …

Segunda vaga de moratórias autorizada pela Autoridade Bancária Europeia

A Autoridade Bancária Europeia (EBA) autorizou a reabertura de moratórias de crédito, com efeitos a partir de 01 de outubro até 31 de março de 2021, dois meses após ter suspendido novas adesões. Num comunicado publicado …

Turquia alvo de críticas duras em reunião da NATO e em risco de sanções

A Turquia esteve esta quarta-feira sob um fogo de críticas na reunião virtual dos Ministros dos Negócios Estrangeiros (MNE) da NATO e, com a deceção manifestada pelos Estados Unidos, deve preparar-se para sanções económicas americanas …

O que Neymar mais quer é voltar a jogar com Messi. Só se vier a custo zero, diz o Barça

O internacional brasileiro Neymar, que alinha pelo PSG, confessou esta quarta-feira que o mais deseja é voltar a jogar com o astro argentino Lionel Messi, com quem partilhou balneário entre 2013 e 2017 no Barcelona. …

Ministro da Administração Interna e procuradora-geral da República vão ser ouvidos no Parlamento

Eduardo Cabrita será ouvido sobre o caso do cidadão ucraniano assassinado nas instalações do SEF e Lucília Gago sobre a "recente diretiva sobre os poderes hierárquicos" na magistratura do Ministério Público. A comissão de Assuntos Constitucionais …

Portugal regista mais 79 mortos e 3.772 novos casos de covid-19

Portugal contabiliza esta quinta-feira mais 79 mortos relacionados com o novo coronavírus, que provoca a covid-19, e 3.772 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

França investiga 76 mesquitas por suspeita de radicalização islâmica

A França vai investigar nos próximos dias 76 mesquitas por suspeitas de radicalização islâmica, anunciou esta quarta-feira o ministro do Interior do país, Gerald Darmanin. Trata-se de 16 templos na região de Paris e 60 no …