O rover Yutu-2 descobriu misteriosas esferas de vidro na Lua

1

CNSA / Wikimedia

O rover Yutu-2 na Lua

A missão Yutu-2 da China fez outra descoberta fascinante no outro lado da Lua. A brilhar no meio do pó cinzento e seco, a câmara panorâmica do rover encontrou duas pequenas esferas intactas de vidro translúcido.

As esferas podem registar informações sobre a história da Lua, incluindo a composição do seu manto e eventos de impacto, segundo a Science Alert.

O Yutu-2 não conseguiu obter dados de composição, mas estes mármores lunares naturais poderiam ser alvos importantes de investigação no futuro.

O vidro não é invulgar na Lua. O material forma-se quando o material silicatado é submetido a altas temperaturas, e ambos os ingredientes estão prontamente disponíveis na Lua.

No passado lunar, o vulcanismo favorecia a formação de vidro vulcânico, e o impacto de objetos mais pequenos, tais como meteoritos, também geram calor intenso, resultando na formação de vidro.

Este segundo fator pode estar por detrás das esferas observadas por Yutu-2, segundo uma equipa de cientistas liderada pelo geólogo planetário Zhiyong Xiao, da Universidade de Sun Yat-sen, e da Academia Chinesa de Ciências.

No entanto, é difícil saber ao certo, porque a maior parte do vidro encontrado na Lua até à data parece diferente das esferas descobertas por Yutu-2. Há muitas esferas lá em cima, mas tendem a ser de tamanho inferior a um milímetro.

Aqui na Terra, são criadas esferas de vidro tão pequenas durante um impacto, e geram um calor tão intenso, que a crosta derrete e pulveriza para o ar. O material fundido endurece e cai novamente como minúsculas esferas ou gotas de vidro.

As esferas de Yutu-2 são muito maiores, com 15 a 25 milímetros de diâmetro, mas já foram encontradas bolas de vidro de até 40 milímetros de diâmetro do lado mais próximo da Lua, durante a missão Apollo 16. Foram seguidas até uma cratera próxima, e pensa-se que são também esferas de impacto.

Mas existem diferenças entre as duas descobertas. Como Xiao e os restantes investigadores explicam, as esferas do lado mais distante da Lua parecem ser translúcidas ou semi-transparentes, e têm um brilho vítreo.

Para além das duas que parecem ser translúcidas, encontraram mais quatro esferas com um brilho semelhante, mas a sua translucidez não pôde ser confirmada.

Estas esferas foram encontradas perto de crateras de impacto frescas, o que pode querer dizer que se formaram durante o impacto de meteoritos lunares, embora seja possível que já estivessem presentes, enterradas abaixo da superfície e que tenham sido meramente postas ao descoberto pelo impacto.

Contudo, a equipa acredita que a explicação mais provável é que se formaram a partir de vidro vulcânico chamado anorthosite, que voltou a derreter no impacto, transformando-se em gotas redondos translúcidas.

“A peculiar morfologia, geometria e contexto local das esferas de vidro são consistentes com o facto de serem vidros de impacto anorthosítico”, escrevem os investigadores num estudo, publicado na Science Direct em fevereiro.

Isto pode fazer dos objetos o equivalente lunar de formações terrestres chamadas tektites — objetos vítreos do tamanho de seixos que se formam quando o material terrestre se derrete, se borrifa no ar, e endurece, formando uma bola à medida que cai, como uma versão maior daquelas pequenas esferas.

Não podemos ter a certeza sem estudar a sua composição, mas se forem tektites lunares, podem ser bastante comuns na superfície lunar. Isto oferece algumas possibilidades tentadoras para futuras pesquisas, sublinha a equipa de investigação.

“Como primeira descoberta de esfera de vidro macroscópicos e translúcidos na Lua, este estudo prevê que tais esferas devem ser abundantes em todo o altiplano lunar, fornecendo alvos de amostragem promissores para revelar a história inicial do impacto da Lua”, concluem os investigadores.

  Alice Carqueja, ZAP //

1 Comment

  1. Mas, segundo me foi dito, essa foi uma descrição de um dos astronautas quando aterraram lá a primeira vez!
    não entendo a admiração!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.