O que acontece ao seu cérebro quando o namoro acaba?

Quando o amor da sua vida o manda dar uma volta, é normal enlouquecer um pouco. Aliás, é inevitável: acabar um namoro ativa sistemas neurais em conflito dentro do seu cérebro.

O que acontece ao certo? De acordo com a neurociência, é como se estivesse a apaixonar-se novamente, só que ao contrário.Não importa se estava num relacionamento há seis meses ou quatro anos – o fim de um namoro lança o cérebro de volta à obsessão do início do romance.

Tudo o que se lembra dessa pessoa – uma fotografia, lugares onde costumavam ir juntos, pensamentos aleatórios – desencadeia a atividade na região de “recompensa” do cérebro, dentro do núcleo caudado e da área tegmental ventral. Estas são as mesmas partes que se acendem quando os casais olham para fotos de um novo amor, e as mesmas que respondem a drogas como a cocaína e a nicotina.

Ativar os neurónios de recompensa causa inundações do neurotransmissor dopamina no cérebro. A dopamina ativa circuitos que criam um desejo por “mais”, um desejo que lhe dá motivação, incentivando-o a comportamentos que o ajudarão a obter o que quer – neste caso, o seu/a sua ex. É por isso que às vezes decide ligar-lhe quando bebe demasiado.

Em resumo, a obsessão inicial do romance que desaparece num relacionamento de longo prazo volta à tona depois de um rompimento e, tal como alguém mergulhado no vício de drogas, tudo dentro da sua cabeça grita para que sacie a sua vontade.

A dor é real

Lucy Brown, neurocientista da Albert Einstein College of Medicine (EUA), estudou as respostas românticas no cérebro e explica que o fim de um namoro é mais extremo do que outras formas de rejeição social devido aos laços que o romance cria em partes mais primitivas do cérebro.

“Outros tipos de rejeição social são muito mais cognitivos”, afirma. “A rejeição romântica é um fator de mudança de vida, e envolve sistemas que estão ao mesmo nível que sentir fome ou sede”.

Assim, não é de admirar que doa. Aliás, essa dor é real. Dois estudos que analisaram a atividade cerebral de pessoas que levaram uma tampa descobriram que as regiões de recompensa não foram os únicos sistemas ativados no cérebro.

Os cientistas também viram atividade em regiões que controlam a angústia e a resposta à dor física. Especificamente, as partes do cérebro que recolhem sensações de dor do mundo exterior estavam calmas, mas os sistemas que controlam a forma como o corpo reage à dor estavam enlouquecidos.

Uma vez que o cérebro controla o corpo, ativar esses sistemas pode desencadear uma cascata de efeitos: por exemplo, a libertação de hormonas de stress que por sua vez afetam o coração, o sistema digestivo e até o mesmo sistema imunitário.

Em alguns casos extremos, o stress pode enfraquecer o coração, criando uma condição chamada de síndrome de Takotsubo ou do coração partido, que pode levar à morte. Felizmente, esse tipo de respostas extremas é raro.

Ainda assim, a dor de uma rejeição romântica pode durar um longo período de tempo. Apesar de variar de uma pessoa para outra, Lucy Brown diz que os sentimentos de dor geralmente desaparecem ao fim de seis meses a dois anos.

A dor é natural porque o rompimento afeta um sistema básico que nos permite manter ligações significativas com outras pessoas.

“É um sistema para tentar manter-nos juntos”, explica a investigadora. Afinal, a sobrevivência da espécie depende de evitarmos separações.

Contudo, até hoje, todos os estudos sobre rompimentos observaram a atividade cerebral apenas de quem leva a tampa: a ciência ainda não faz ideia do que se passa no cérebro de alguém que escolhe acabar um namoro.

A lógica sugere que deva haver algum mecanismo que pode erodir lentamente e enfraquecer ligações no cérebro, alterando os sentimentos que o amante tem pela outra pessoa. Um dia, o apego romântico desaparece, e o indivíduo decide terminar.

O que eu posso fazer para esquecer o meu ex?

Há indícios de que, imediatamente depois do fim de um namoro, o seu cérebro trabalha arduamente para o ajudar a seguir em frente. Os mesmos mecanismos de coração partido que o inundam de dor e desejo também aumentam a atividade em regiões do córtex frontal que inibem impulsos e redirecionam comportamentos.

Em suma, o seu cérebro está a tentar regular as suas emoções mistas, impedindo-o de cometer as loucuras que se sente tentado.

Ao longo do tempo, a atividade cerebral de obsessão romântica vai embora. Até lá, Brown sugere que tente cooperar com o seu cérebro e se esforce por mudar a sua atitude.

“Quando o pensamento do seu amado surgir, em vez de pensar em quão boa a relação foi, pense sobre as coisas más que a fizeram chegar ao fim“, diz Brown. Talvez assim fique mais fácil superar o fim.

ZAP / Hype

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cientistas mediram o período de tempo mais curto de sempre

Uma equipa de físicos e metrologista da Universidade Goethe de Frankfurt, na Alemanha, anunciou que conseguiu medir o menor período de tempo já determinado - são 247 zeptosegundos, segundo os cientistas. O processo físico cuja …

Viagens expresso no Sistema Solar. Nave espacial pode chegar a Titã em apenas 2 anos

Uma equipa de cientistas está a trabalhar num propulsor de nave espacial que, segundo eles, poderia alcançar a misteriosa lua de Saturno, Titã, em menos da metade do tempo que o satélite Cassini demoraria. Apesar de …

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …