Número de mortos do sismo no Haiti sobe para mais de 1200

Ralph Tedy Erol / EPA

Efeitos do tremor de terra de 14 de agosto em Los Cayos, Haiti

O balanço provisório do sismo de magnitude 7,2 que atingiu o sudoeste do Haiti, no sábado, aumentou para 1297 mortos e mais de 5700 feridos, segundo os serviços de proteção civil do país.

Além das pessoas dadas como desaparecidas, “muitas outras estão sob os escombros“, sublinhou a Proteção Civil, em comunicado, precisando que perto de 3200 feridos foram internados em diversos hospitais.

Milhares de pessoas ficaram desalojadas no sudoeste do país, onde prosseguiram no domingo, entre habitantes e equipas de resgate, os esforços para encontrar sobreviventes por entre os escombros, com meios limitados e ainda sob o efeito de réplicas do forte sismo de 7,2 na escala de Richter.

Maquinaria pesada, vários camiões e retroescavadoras estavam ocupados a deslocar placas de betão dos edifícios destruídos na cidade de Cayes, perto do epicentro do sismo, a cerca de 160 quilómetros da capital haitiana, Port-au-Prince, constatou a agência France-Presse no local.

O terramoto, que também foi sentido na República Dominicana (com a qual o Haiti divide a ilha de Hispaniola) e em Cuba, e que já faz parte dos dez sismos mais letais dos últimos 25 anos na América Latina, ocorreu às 08h29 locais, a cerca de 12 quilómetros da cidade de Saint-Louis-du-Sud, situada a 160 quilómetros da capital haitiana, Port-au-Prince, com epicentro a 10 quilómetros de profundidade, segundo dados do Instituto Norte-Americano de Geofísica (USGS). Perto de 30 mil casas ficaram destruídas ou danificadas.

As operações de resgate das vítimas poderão, entretanto, ver-se comprometidas pela aproximação da tempestade tropical Grace, com um risco de chuvas torrenciais e de inundações rápidas, segundo o serviço nacional de meteorologia dos Estados Unidos. É esperada a sua chegada na noite desta segunda para terça-feira e o país foi colocado sob vigilância reforçada.

Profissionais e medicamentos foram já encaminhados pelo Ministério da Saúde para a península sudoeste, mas a logística de emergência está também em perigo devido à insegurança que mina o Haiti desde há meses.

Em pouco mais de dois quilómetros, a única estrada que liga a capital à metade sul do país atravessa o bairro pobre de Martissant, sob controlo de gangues armados desde o início de junho, o que impede a livre circulação.

Os raros hospitais existentes nas regiões afetadas estão com dificuldade em fornecer os cuidados de emergência aos feridos.

Instalados em bancos, enroscados em cadeiras ou estendidos no chão sobre lençóis, os feridos aguardavam hoje ser atendidos no hospital da cidade costeira de Cayes.

Muitos países, entre os quais os Estados Unidos, a República Dominicana, o México e o Equador já ofereceram ajuda, com o envio de pessoal, rações de emergência e equipamentos médicos.

O primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry, que decretou o estado de emergência nos quatro departamentos afetados pela catástrofe, já agradeceu à comunidade internacional.

“Queremos dar uma resposta mais adaptada do que em 2010, após o tremor de terra. Todas as ajudas vindas do exterior devem ser coordenadas pela direção da Proteção Civil”, disse o chefe do Governo, exortando os seus concidadãos “à unidade nacional”.

“Esqueçamos as nossas querelas”, pediu Henry, que dirige o país mais pobre do continente americano numa situação de emergência à qual há que acrescentar a crise política, agravada pelo assassínio do Presidente, Jovenel Moïse, a 7 de julho, bem como os efeitos da pandemia de covid-19.

O país guarda na memória o sismo de 12 de janeiro de 2010, com magnitude 7, que destruiu a capital e várias cidades de província. Mais de 220 mil pessoas morreram e mais de 300 mil ficaram feridas na catástrofe que deixou desalojados mais de 1,5 milhões de haitianos, colocando as autoridades e a comunidade internacional perante o colossal desafio de reconstrução de um país sem registo de propriedade de terras ou regras de construção.

Sem conseguir superar esse desafio de reconstrução, o Haiti, que é também regularmente atingido por furacões, mergulhou em dez anos numa crise sociopolítica aguda.

  // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Um país tão pobre que poderia viver do turismo tal como a vizinha republica dominicana. Algo de errado existe nestes governos de países tão pobres. Ainda por cima, estranhamente , multiplicam-se exageradamente. Mesmo não existindo empregos, alimentos ou casas para todos eles…continuam-se a multiplicar exageradamente.

    Outra coisa inexplicável é o que acontece agora no Afeganistão. como é que os terroristas tem dinheiro para comprar armas? Alguém os está a financiar Tendo em conta que os países árabes não produzem armas então devem ser os países ricos, USA, França, russia que lhes estão a vender armas e existe algum milionário que os está a financiar. Parece uma guerra um pouco hipócrita.

RESPONDER

Até 2030, o plástico irá emitir mais gases de efeito de estufa do que o carvão

Um novo relatório mostra que, até 2030, os plásticos irão emitir mais gases de efeito de estufa do que o carvão, caso a indústria norte-americana mantenha os planos futuros. O aumento contínuo da produção de plástico …

Titã pode estar condenada a chocar contra Saturno

A maior lua de Saturno, Titã, tem um enorme efeito na inclinação do planeta, e o seu afastamento do planeta pode derrubá-lo e condenar a própria Titã. A cada ano que passa, Titã afasta-se 11 centímetros …

É um cenário de filme de ficção científica - mas será possível a Lua colidir contra a Terra?

Está sempre aparentemente calma no céu, mas será que a Lua pode algum dia vir a chocar com a Terra? Há simulações que ajudam a ter uma ideia do que aconteceria neste cenário. Um novo filme …

O segredo da Coreia do Sul para combater a covid-19? Tecnologia de ponta e toque humano

O sucesso da Coreia do Sul a combater a pandemia de covid-19 não assentou apenas no recurso à tecnologia de ponta — também envolveu o tradicional toque humano. De acordo com um recente relatório da Câmara …

Governo: voto contra do Bloco é "definitivo". Marcelo diz que chumbo provoca dissolução

O Governo afirmou este domingo que entendeu o anúncio de voto contra por parte do BE como “uma posição definitiva”, remetendo eventuais novas negociações com este partido para a fase da especialidade do Orçamento do …

Soldados do exército chinês alinhados.

Chinesas querem "empregos de homem" — mas o sistema educacional corta-lhes as asas

Várias escolas, academia e universidades chinesas impõe cotas que limitam o acesso de estudantes do sexo feminino. Mulheres têm de tirar notas mais altas do que os homens para entrar. Um pouco por todo o mundo …

"A Escola de Atenas", quadro de Rafael Sanzio.

Ideias da filosofia grega podem ter-nos conduzido às alterações climáticas

Algumas das ideias defendidas por antigos filósofos gregos podem ter conduzido a civilização rumo às alterações climáticas. Incêndios florestais causados por ventos crescentes e um calor sem precedentes cercaram Atenas, Grécia, no verão passado, cobrindo os …

Vizela 0-1 Benfica | Milagre de São Rafa no último suspiro

A ressaca pós-goleada frente ao Bayern, na Liga dos Campeões, foi difícil para o Benfica. Os comandados de Jorge Jesus sentiram muitas dificuldades frente a um Vizela que sabia que o seu adversário iria patentear …

Otoniel, o camponês paramilitar (e criminoso mais procurado da Colômbia) foi capturado

O governo da Colômbia anunciou este sábado a captura do narcotraficante mais procurado do país, Dairo Antonio Úsuga (com a alcunha de 'Otoniel'), por quem os Estados Unidos ofereciam uma recompensa de cinco milhões de …

"Tratam as doentes como histéricas". O longo caminho da Medicina até levar a sério a dor feminina está a custar vidas

Muitos dos avanços na medicina tiveram apenas metade da população em conta. Para além da falta de representação das mulheres nos estudos médicos, a dor e os relatos das pacientes são muitas vezes desvalorizados nas …