Número de suicídios nos EUA aumentou depois da morte de Robin Williams

Chad J. McNeeley, U.S. Navy / Wikimedia

O ator Robin Williams

Uma nova pesquisa sugere que o número de suicídios nos Estados Unidos aumentou logo a seguir à morte do famoso ator norte-americano, em 2014.

De acordo com o estudo, publicado esta semana na revista científica PLOS One, nos cinco meses depois da morte de Robin Williams, em agosto de 2014, houve mais 10% de casos de suicídio nos EUA do que era esperado.

Os investigadores da Universidade de Columbia que analisaram os efeitos da morte do ator recolheram dados mensais de suicídios registados pelo Centro de Controlo de Doenças e Prevenção dos EUA (CDC) entre 1999 e dezembro de 2015, para verificar se houve alguma subida inesperada num determinado período.

A equipa percebeu que 18.690 pessoas cometeram suicídio entre agosto e dezembro desse ano, quando eram esperados apenas 16.849 casos, com base nesta série histórica. Ou seja, houve mais 1.841 suicídios do que o previsto.

O potencial risco de as pessoas copiarem o comportamento das celebridades que se suicidam já é conhecido das autoridades de saúde pública. Não é possível dizer com certeza se a morte do ator foi o que provocou este aumento, mas os factos parecem ter alguma ligação.

Exposição excessiva nos media

Especialistas dizem que a cobertura “irresponsável” de suicídios pelos media pode ter grande influência no aumento de casos entre a população em geral.

Na altura, várias organizações de apoio a pessoas com depressão alertaram para o grande número de reportagens que davam mais detalhes sobre a forma como o ator morreu, uma violação das diretrizes para a cobertura deste tipo de casos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e vários códigos de imprensa aconselham os órgãos de comunicação a não entrar em muitos detalhes sobre os métodos usados por pessoas que se suicidam. Investigadores dizem que várias “evidências substanciais” mostram que os media violaram essas regras.

Nas semanas que se seguiram à morte do ator, houve um “drástico” aumento nas referências a suicídio e morte em reportagens, bem como mais publicações num fórum online sobre suicídio que foi controlado pelos cientistas.

David Fink, da Universidade de Columbia e um dos autores do estudo, diz que esta pesquisa reforça a tese de que as taxas de suicídio aumentam quando uma celebridade o faz, especialmente quando a história é amplamente noticiada pelos media.

“Quando as pessoas veem uma pessoa que conhecem, podem acabar por se identificar com essa experiência. E adquirem a habilidade de agir. É aí que a imprensa entra“, diz Fink.

“Quanto mais pessoas ficarem a saber de detalhes específicos, haverá, potencialmente, mais casos de identificação (com a decisão de se suicidar)”, acrescenta.

Os investigadores admitem que existe a possibilidade de outro evento ter influenciado este aumento das taxas de suicídio, mas afirmam que é algo “improvável”.

A influência das celebridades

No ano passado, a Netflix inseriu mensagens de alerta na série “13 Reasons Why”, que aborda o tema do suicídio entre adolescentes, devido ao receio de que os espetadores mais jovens fossem influenciados pelo comportamento da personagem principal.

“Este estudo traz sinais científicos de que a divulgação irresponsável ou a transmissão detalhada de cenas de suicídio podem ter um efeito devastador”, diz Lorna Fraser, do Samaritanos, uma ONG de aconselhamento sobre suicídio.

“No caso das celebridades, a possibilidade de alguém vulnerável fazer uma ligação afetiva e se identificar com essa decisão é ainda maior. Em alguns casos, podem até interpretar a morte da celebridade como um sinal de que devem tirar a própria vida”.

A influência das celebridades – positivas ou negativas – não deve ser subestimada, diz Robert Music, diretor do Jo’s Cervical Cancer Trust, entidade de apoio a quem tem cancro do colo do útero.

Exemplo disso foi a morte da atriz britânica, Jade Goody, diagnosticada com esse tipo de cancro em 2009, que levou mais 400 mil mulheres do que era esperado a fazerem exames para detetar se tinham o mesmo problema. Goody falou publicamente sobre a doença e a importância dos exames de prevenção.

ZAP // BBC

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. um episodio de suicidioo, seja no Funchal, EUA, China, Arabia Saudita…. Africa…. se relatado pela imprensa, provoca, imediatamente um aumento nítido de repetições. Os talibans da liberdade de imprensa, quando irresponsáveis, deviam ser declarados responsáveis directos por morte prematuras.

        • Eu estava, obviamente, a brincar – que é o melhor a fazer quando algum tonto acha que os media/liberdade de impressa são os culpados pela estupidez humana!..
          E, o suicido resolve muita coisa!…
          Por exemplo, se toda a escumalha do “Estado Islâmico” se suicidar, resolveria logo um grande problema do Médio Oriente!!

RESPONDER

Pessoas que espalham ódio na Internet tendem a ser psicopatas

Os utilizadores da Internet que publicam comentários de ódio sobre outras pessoas tendem a ter traços psicopáticos. Por outro lado, os cientistas não encontraram uma correlação entre essa prática e narcisismo ou maquiavelismo. Estes utilizadores são …

Polícia britânica tingiu de negro uma lagoa azul para afastar visitantes

A Polícia britânica decidiu tingir de negro uma lagoa azul muito procurada na região de Derbyshire, visando assim afastar os visitantes e fazer com que estes cumpram o isolamento social exigido pelas autoridades para travar …

A maior cascata do Equador desapareceu repentinamente

A maior cascata do Equador, com cerca de 150 metros, desapareceu repentinamente por causa de uma dolina. Investigadores ainda não sabem se esta apareceu por causas naturais ou humanas. Em fevereiro, a cascata de San Rafael, …

Aprovada descida de 3% na eletricidade no mercado regulado

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) aprovou uma descida do preço da tarifa aplicada no mercado regulado de cinco euros por megawatt/hora (MWh). Contas feitas, trata-se de uma redução de aproximadamente 3% no total …

Turquemenistão proibiu o uso da palavra "coronavírus"

Enquanto o mundo luta para conter a propagação da pandemia de covid-19, no Turquemenistão os cidadãos podem ser presos só por dizerem a palavra "coronavírus". De acordo com a rádio NPR, que cita a organização não …

EDP oferece desconto de 20% a profissionais e organizações de saúde

Face à pandemia de covid-19, a EDP vai oferecer um desconto de 20% na fatura da eletricidade a profissionais e organizações de saúde, anunciou esta quarta-feira a empresa liderada por António Mexia em comunicado. “A …

Bill Gates deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia

Num artigo publicado no jornal norte-americano Washington Post, o fundador da Microsoft, Bill Gates, deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia de covid-19, que já fez 43 mil mortes em todo o …

Comissão de Trabalhadores da TAP pede nacionalização da companhia

A Comissão de Trabalhadores (CT) da TAP reforçou esta quarta-feira o apelo para que a transportadora “se torne 100% pública”, depois de a empresa ter anunciado o lay-off da maioria dos trabalhadores, segundo um comunicado. No …

"Posso ir?" Há uma app que lhe diz como estão as filas nos supermercados

A comunidade tecnológica tech4COVID19 criou uma aplicação móvel que permite aos seus utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados. A app, sob o nome "Posso ir?", pretende orientar os utilizadores nas idas aos …

Conte pede à Alemanha mais solidariedade europeia. “Se somos uma União, está na hora de o provarmos”

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, fez esta quarta-feira um apelo solene à Alemanha para que haja mais solidariedade europeia no combate à pandemia da covid-19, que está a afetar severamente o seu país. “Se somos uma …