Número de suicídios nos EUA aumentou depois da morte de Robin Williams

Chad J. McNeeley, U.S. Navy / Wikimedia

O ator Robin Williams

Uma nova pesquisa sugere que o número de suicídios nos Estados Unidos aumentou logo a seguir à morte do famoso ator norte-americano, em 2014.

De acordo com o estudo, publicado esta semana na revista científica PLOS One, nos cinco meses depois da morte de Robin Williams, em agosto de 2014, houve mais 10% de casos de suicídio nos EUA do que era esperado.

Os investigadores da Universidade de Columbia que analisaram os efeitos da morte do ator recolheram dados mensais de suicídios registados pelo Centro de Controlo de Doenças e Prevenção dos EUA (CDC) entre 1999 e dezembro de 2015, para verificar se houve alguma subida inesperada num determinado período.

A equipa percebeu que 18.690 pessoas cometeram suicídio entre agosto e dezembro desse ano, quando eram esperados apenas 16.849 casos, com base nesta série histórica. Ou seja, houve mais 1.841 suicídios do que o previsto.

O potencial risco de as pessoas copiarem o comportamento das celebridades que se suicidam já é conhecido das autoridades de saúde pública. Não é possível dizer com certeza se a morte do ator foi o que provocou este aumento, mas os factos parecem ter alguma ligação.

Exposição excessiva nos media

Especialistas dizem que a cobertura “irresponsável” de suicídios pelos media pode ter grande influência no aumento de casos entre a população em geral.

Na altura, várias organizações de apoio a pessoas com depressão alertaram para o grande número de reportagens que davam mais detalhes sobre a forma como o ator morreu, uma violação das diretrizes para a cobertura deste tipo de casos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e vários códigos de imprensa aconselham os órgãos de comunicação a não entrar em muitos detalhes sobre os métodos usados por pessoas que se suicidam. Investigadores dizem que várias “evidências substanciais” mostram que os media violaram essas regras.

Nas semanas que se seguiram à morte do ator, houve um “drástico” aumento nas referências a suicídio e morte em reportagens, bem como mais publicações num fórum online sobre suicídio que foi controlado pelos cientistas.

David Fink, da Universidade de Columbia e um dos autores do estudo, diz que esta pesquisa reforça a tese de que as taxas de suicídio aumentam quando uma celebridade o faz, especialmente quando a história é amplamente noticiada pelos media.

“Quando as pessoas veem uma pessoa que conhecem, podem acabar por se identificar com essa experiência. E adquirem a habilidade de agir. É aí que a imprensa entra“, diz Fink.

“Quanto mais pessoas ficarem a saber de detalhes específicos, haverá, potencialmente, mais casos de identificação (com a decisão de se suicidar)”, acrescenta.

Os investigadores admitem que existe a possibilidade de outro evento ter influenciado este aumento das taxas de suicídio, mas afirmam que é algo “improvável”.

A influência das celebridades

No ano passado, a Netflix inseriu mensagens de alerta na série “13 Reasons Why”, que aborda o tema do suicídio entre adolescentes, devido ao receio de que os espetadores mais jovens fossem influenciados pelo comportamento da personagem principal.

“Este estudo traz sinais científicos de que a divulgação irresponsável ou a transmissão detalhada de cenas de suicídio podem ter um efeito devastador”, diz Lorna Fraser, do Samaritanos, uma ONG de aconselhamento sobre suicídio.

“No caso das celebridades, a possibilidade de alguém vulnerável fazer uma ligação afetiva e se identificar com essa decisão é ainda maior. Em alguns casos, podem até interpretar a morte da celebridade como um sinal de que devem tirar a própria vida”.

A influência das celebridades – positivas ou negativas – não deve ser subestimada, diz Robert Music, diretor do Jo’s Cervical Cancer Trust, entidade de apoio a quem tem cancro do colo do útero.

Exemplo disso foi a morte da atriz britânica, Jade Goody, diagnosticada com esse tipo de cancro em 2009, que levou mais 400 mil mulheres do que era esperado a fazerem exames para detetar se tinham o mesmo problema. Goody falou publicamente sobre a doença e a importância dos exames de prevenção.

ZAP // BBC

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. um episodio de suicidioo, seja no Funchal, EUA, China, Arabia Saudita…. Africa…. se relatado pela imprensa, provoca, imediatamente um aumento nítido de repetições. Os talibans da liberdade de imprensa, quando irresponsáveis, deviam ser declarados responsáveis directos por morte prematuras.

        • Eu estava, obviamente, a brincar – que é o melhor a fazer quando algum tonto acha que os media/liberdade de impressa são os culpados pela estupidez humana!..
          E, o suicido resolve muita coisa!…
          Por exemplo, se toda a escumalha do “Estado Islâmico” se suicidar, resolveria logo um grande problema do Médio Oriente!!

RESPONDER

Morreu Rogério "Pipi", histórico jogador do Benfica

O ex-futebolista internacional português, que se evidenciou ao serviço do Benfica nas décadas de 40 e 50 do século passado, morreu este domingo, um dia depois de completar 97 anos. "Foi com profunda tristeza e pesar …

Milhares de manifestantes voltam às ruas de Hong Kong

A polícia de Hong Kong deteve, este domingo, onze pessoas e apreendeu várias armas, incluindo uma pistola, pouco antes do início de uma manifestação convocada para a cidade, para a qual se espera uma forte …

Irão e Estados Unidos trocam prisioneiros

Irão e Estados Unidos realizaram, este sábado, uma troca de prisioneiros que envolveu a troca de um investigador sino-americano por um cientista iraniano detido pelos EUA, num avanço diplomático que surge após meses de tensão …

Coreia do Norte anuncia "teste muito importante" em local de lançamento de mísseis

A Coreia do Norte anunciou ter realizado um "teste muito importante" no local de lançamento de mísseis de longo alcance, defendendo que terá um efeito fundamental na futura posição estratégica do país. A Agência Central de …

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …