Restrições na Nova Zelândia obrigam primeira-ministra a cancelar o próprio casamento

worldeconomicforum / Flickr

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, disse hoje que teve de cancelar o seu próprio casamento devido às restrições impostas pelo seu Governo para impedir a disseminação da pandemia de covid-19.

“O meu casamento não vai acontecer. Não sou diferente de milhares de outros neozelandeses afetados pela pandemia. O mais desanimador é não poder estar com um ente querido quando este está doente”, disse a chefe de Governo, durante uma conferência de impressa.

O Governo de Jacinda Ardern vai impor, a partir da meia-noite (hora local) de hoje, regras mais rígidas sobre o uso de máscara, bem como a limitação de pessoas em eventos, devido ao aparecimento de um surto de nove casos da variante Ómicron após um casamento.

Bares, restaurantes e eventos como casamentos terão uma afluência máxima de 100 pessoas (25 se não for exigido o certificado covid), o que obrigou a própria primeira-ministra a cancelar a sua festa de matrimónio.

Nesta altura, 94% dos neozelandeses com mais de 12 anos já receberam duas doses de vacinas contra a covid-19, enquanto 56% receberam uma terceira dose de reforço.

A Nova Zelândia – que manterá as fronteiras encerradas para viajantes estrangeiros até abril de 2022 – foi um dos países que agiu mais cedo e com mais medidas para travar a pandemia, tendo conseguido manter o número total de infeções em cerca de 15.550 e as mortes em 52.

No entanto, em outubro, o país abandonou a estratégia de “zero casos”, devido ao aumento da vacinação, e adotou um sistema de “semáforos”, que consiste em vários níveis de alerta e restrições que podem ser aplicados por zonas geográficas.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE