Nova previsão dá dois meses até o “dia zero” chegar à Cidade do Cabo

É na Cidade do Cabo que muitos veem agora o futuro do planeta: dentro de dias, a capital sul-africana vai enfrentar o “day zero”, quando as reservas se tornarão tão críticas que a água vai deixar de correr nas torneiras.

A seguir a Joanesburgo, a Cidade do Cabo, com quase quatro milhões de habitantes, é a segunda maior área urbana da África do Sul. No entanto, nem isso nem o histórico de forte precipitação no inverno – que já não se faz sentir há três anos – salvam a cidade da diminuição do nível da água para mínimos que podem muito bem vir a tornar-se trágicos.

Numa primeira previsão, os especialistas davam como 21 de abril o dia que marcaria o ponto em que as barragens caem para menos de 13,5% da sua capacidade combinada, ou seja, o “dia zero”.

Agora, os especialistas reviram os números e apontam para 12 de abril, o dia em que a água deixará de correr nas torneiras daquela capital, segundo o jornal i.

O cenário que ali se vive é dantesco, com os turistas a serem recebidos por avisos dramáticos onde se lê “Restam 67 dias de água. Poupe já“.

Se nada mudar, ou seja, se não chover, a 12 abril, de acordo com a última previsão, a Cidade do Cabo será o primeiro grande aglomerado urbano do mundo a ficar sem água.

A população está a levar a cabo grandes esforços para poupar a pouca água que ainda resta (e que já é racionada). Em hotéis, algumas torneiras foram retiradas, de forma a evitar que os hóspedes tomassem banho de imersão. As piscinas foram tapadas ou, em último caso, passaram a ser cheias com água dessalinizada ou reciclada. Os minibares já não têm água engarrafada. E os lençóis só são mudados a cada três dias.

Helen Zille, chefe do governo provincial, já emitiu, inclusive, um comunicado a proibir a população de “toma duche mais de duas vezes por semana. Temos de poupar água como se a nossa vida dependesse disso. Até porque depende”. E foi a própria que confessou, através de um vídeo colocado na sua página na internet, que toma banho apenas de três em três dias.

Em 2014, o governo do Cabo ganhou um prémio de “implementação de adaptação” da C40, a rede de megacidades comprometidas em lidar com as alterações climáticas, valendo-lhe isso um (insuficiente) lugar entre os governos com mais preocupações em matéria de sustentabilidade dos recursos,

Nesse ano, as barragens estavam cheias, depois de um ano prolífico de chuvas, e a Cidade do Cabo merecia ser recompensada pela sua gestão da água.

Três anos de seca depois, os responsáveis veem-se perante uma situação preocupante, apesar de todo o bem que pareciam ter feito. Só que com as barragens cheias e o prémio nas mãos, os responsáveis foram menosprezando a necessidade de procurar fontes alternativas de água além das seis barragens que dependem da chuva.

Segundo o New York Times, já em 2007 o Departamento de Assuntos de Água da África do Sul avisara que a cidade precisava de mais fontes de água subterrâneas, centrais de dessalinização e outros recursos para diversificar as reservas e minimizar os riscos trazidos por períodos de seca prolongados.

2017 foi o ano mais seco de que há registo na cidade sul-africana.

A única gota de esperança para os habitantes da cidade é deixada por Kevin Winter, do Future Water Institute da Universidade da Cidade do Cabo, no site da universidade, no texto “Cinco sinais de que o Dia Zero pode ser evitado”.

Como o fornecimento de água à agricultura já começou a ser cortado porque os 58 milhões de metros cúbicos estabelecidos como limite máximo, haverá mais água para as populações. A entrada em vigor em fevereiro de novas tarifas e de multas para quem desperdice água é outro dos fatores que Kevin Winter considera capazes de retardar a descida dos níveis das barragens. A estas duas somam-se os sete projetos em construção para aumentar as fontes de fornecimento: quatro centrais de dessalinização, duas unidades para trazer água de aquíferos e uma de tratamento de efluentes.

Quanto aos outros dois sinais, são mais manifestos de esperança do que marcas capazes de serem interpretadas como verdadeiros indícios de que a situação poderá inverter-se e o dia zero não chegar mesmo a acontecer.

Chuva e confiança, escreve Winter. “É ainda muito cedo para prever a precipitação regional do inverno para 2018, mas como já nos desapontamos tantas vezes temos tendência a esquecer que ainda chove no Cabo Ocidental“.

Apesar de a pouca chuva de verão poder não ser suficiente para encher as barragens (que poderão demorar até três anos para chegar à sua capacidade máxima), poderá empurrar a chegada do dia zero para mais tarde. Até à chegada da época das chuvas.

Quanto à confiança, deve-se ao facto de a situação dramática que a cidade atravessa ter feito com que governantes e cidadãos se empenhassem mais na gestão da água. “Os dias de procrastinação deram lugar a planos e projetos que lidam com a crise a curto prazo e a estratégia a longo prazo, que chega até 2022”, escreve.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Se não pararmos de comer carne, vamos acabar com o planeta

Cada cidadão deverá reduzir em 75% o seu consumo de carne de vaca, 90% de carne de porco, comer metade da quantidade de ovos e triplicar o consumo de sementes e frutos secos. Segundo um estudo …

Encontrado o mais antigo registo sobre Jerusalém

Especialistas da Autoridade de Arqueologia de Israel (AAI) encontraram uma pedra com uma inscrição de dois mil anos de idade na qual se lê "Jerusalém" em hebraico. Encontrada numa escavação subterrânea por baixo do Centro de …

NASA tem esperança que os ventos de Marte reanimem a Opportunity

Os ventos fortes, que se fazem sentir em Marte num determinado período do ano, poderão ajudar a limpar a poeira dos painéis solares do rover Opportunity, que está adormecido desde junho. De acordo com a …

Dormir muito é tão prejudicial como dormir pouco

Um novo estudo descobriu que dormir muito pode ter consequências tão prejudiciais para a saúde como dormir pouco, reduzindo igualmente as capacidades cognitivas.  Um grupo de cientistas da Universidade norte-americana de Ontario conduziu em junho de 2017 …

Cientistas desenvolveram uma retina humana em laboratório

Cientistas da Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, desenvolveram a partir do zero tecido da retina humana para aprender como é que são compostas as células que nos permitem ver o mundo a cores. Os cientistas …

Asteróide deixa cientistas perplexos com a sua superfície incomum

Cientistas receberam os primeiros dados e fotos do rover MASCOT, que pousou recentemente na superfície do asteroide Ryugu, e ficaram completamente perplexos. Os dados obtidos apontam para uma quantidade extremamente baixa de poeira na superfície do …

Ossadas contam história de criança neandertal devorada por pássaro gigante da Idade do Gelo

Arqueólogos descobriram os restos humanos mais antigos já encontrados na Polónia. Análises posteriores revelaram pertencerem a uma criança neandertal que terá sido devorada por um pássaro gigante. Apesar de as ossadas terem sido recuperadas há já …

Cientistas descobrem de que são feitos os exoplanetas semelhantes à Terra

Investigadores da Universidade de Zurique analisaram a composição e estrutura de exoplanetas distantes usando ferramentas estatísticas. A sua análise indica se um planeta é parecido com a Terra, se é composto por rocha pura ou …

10% dos homens são daltónicos

Um em cada 10 homens sofre de daltonismo, uma perturbação caracterizada pela incapacidade de diferenciar todas ou algumas cores. O daltonismo, também conhecido como discromatopsia ou discromopsia, é uma perturbação da perceção visual caracterizada pela incapacidade …

O fundador da Ethereum prevê uma crise financeira até 2021

Vitalik Buterin, fundador da Ethereum, não é um entendido em economia global, mas prevê uma crise financeira até 2021. Vitalik Buterin, o prodígio de programação de apenas 24 anos que inventou a plataforma Ethereum aos 19 anos, …