Nova previsão dá dois meses até o “dia zero” chegar à Cidade do Cabo

É na Cidade do Cabo que muitos veem agora o futuro do planeta: dentro de dias, a capital sul-africana vai enfrentar o “day zero”, quando as reservas se tornarão tão críticas que a água vai deixar de correr nas torneiras.

A seguir a Joanesburgo, a Cidade do Cabo, com quase quatro milhões de habitantes, é a segunda maior área urbana da África do Sul. No entanto, nem isso nem o histórico de forte precipitação no inverno – que já não se faz sentir há três anos – salvam a cidade da diminuição do nível da água para mínimos que podem muito bem vir a tornar-se trágicos.

Numa primeira previsão, os especialistas davam como 21 de abril o dia que marcaria o ponto em que as barragens caem para menos de 13,5% da sua capacidade combinada, ou seja, o “dia zero”.

Agora, os especialistas reviram os números e apontam para 12 de abril, o dia em que a água deixará de correr nas torneiras daquela capital, segundo o jornal i.

O cenário que ali se vive é dantesco, com os turistas a serem recebidos por avisos dramáticos onde se lê “Restam 67 dias de água. Poupe já“.

Se nada mudar, ou seja, se não chover, a 12 abril, de acordo com a última previsão, a Cidade do Cabo será o primeiro grande aglomerado urbano do mundo a ficar sem água.

A população está a levar a cabo grandes esforços para poupar a pouca água que ainda resta (e que já é racionada). Em hotéis, algumas torneiras foram retiradas, de forma a evitar que os hóspedes tomassem banho de imersão. As piscinas foram tapadas ou, em último caso, passaram a ser cheias com água dessalinizada ou reciclada. Os minibares já não têm água engarrafada. E os lençóis só são mudados a cada três dias.

Helen Zille, chefe do governo provincial, já emitiu, inclusive, um comunicado a proibir a população de “toma duche mais de duas vezes por semana. Temos de poupar água como se a nossa vida dependesse disso. Até porque depende”. E foi a própria que confessou, através de um vídeo colocado na sua página na internet, que toma banho apenas de três em três dias.

Em 2014, o governo do Cabo ganhou um prémio de “implementação de adaptação” da C40, a rede de megacidades comprometidas em lidar com as alterações climáticas, valendo-lhe isso um (insuficiente) lugar entre os governos com mais preocupações em matéria de sustentabilidade dos recursos,

Nesse ano, as barragens estavam cheias, depois de um ano prolífico de chuvas, e a Cidade do Cabo merecia ser recompensada pela sua gestão da água.

Três anos de seca depois, os responsáveis veem-se perante uma situação preocupante, apesar de todo o bem que pareciam ter feito. Só que com as barragens cheias e o prémio nas mãos, os responsáveis foram menosprezando a necessidade de procurar fontes alternativas de água além das seis barragens que dependem da chuva.

Segundo o New York Times, já em 2007 o Departamento de Assuntos de Água da África do Sul avisara que a cidade precisava de mais fontes de água subterrâneas, centrais de dessalinização e outros recursos para diversificar as reservas e minimizar os riscos trazidos por períodos de seca prolongados.

2017 foi o ano mais seco de que há registo na cidade sul-africana.

A única gota de esperança para os habitantes da cidade é deixada por Kevin Winter, do Future Water Institute da Universidade da Cidade do Cabo, no site da universidade, no texto “Cinco sinais de que o Dia Zero pode ser evitado”.

Como o fornecimento de água à agricultura já começou a ser cortado porque os 58 milhões de metros cúbicos estabelecidos como limite máximo, haverá mais água para as populações. A entrada em vigor em fevereiro de novas tarifas e de multas para quem desperdice água é outro dos fatores que Kevin Winter considera capazes de retardar a descida dos níveis das barragens. A estas duas somam-se os sete projetos em construção para aumentar as fontes de fornecimento: quatro centrais de dessalinização, duas unidades para trazer água de aquíferos e uma de tratamento de efluentes.

Quanto aos outros dois sinais, são mais manifestos de esperança do que marcas capazes de serem interpretadas como verdadeiros indícios de que a situação poderá inverter-se e o dia zero não chegar mesmo a acontecer.

Chuva e confiança, escreve Winter. “É ainda muito cedo para prever a precipitação regional do inverno para 2018, mas como já nos desapontamos tantas vezes temos tendência a esquecer que ainda chove no Cabo Ocidental“.

Apesar de a pouca chuva de verão poder não ser suficiente para encher as barragens (que poderão demorar até três anos para chegar à sua capacidade máxima), poderá empurrar a chegada do dia zero para mais tarde. Até à chegada da época das chuvas.

Quanto à confiança, deve-se ao facto de a situação dramática que a cidade atravessa ter feito com que governantes e cidadãos se empenhassem mais na gestão da água. “Os dias de procrastinação deram lugar a planos e projetos que lidam com a crise a curto prazo e a estratégia a longo prazo, que chega até 2022”, escreve.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Consumo moderado de álcool pode estar associado a um maior risco de cancro

Um novo estudo sugere que até mesmo o consumo leve ou moderado de álcool pode estar associado a um maior risco de cancro. No entanto, as conclusões não são consensuais na comunidade científica. Nem só o …

Fim da guerra comercial à vista. Estados Unidos e China chegam a acordo

Falta apenas a assinatura do presidente dos Estados Unidos para que o entendimento possa pôr um ponto final na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. De acordo com a Bloomberg, os negociadores …

Recuperados seis dos oito corpos das vítimas de erupção de vulcão na Nova Zelândia

Uma equipa militar neozelandesa recuperou esta sexta-feira seis dos oito corpos dos turistas que permaneciam desaparecidos após a erupção, na segunda-feira, do vulcão Whakaari, numa ilha desabitada da Nova Zelândia. A operação, que envolveu oito membros …

Plantas também "gritam" quando estão sob stress

À semelhança do que acontece com o Homem, algumas plantas também podem "gritar" quando enfrentam situações de stress, como a falta de água ou o corte do seu caule, concluíram cientistas da Universidade de Tel …

ESA declara guerra ao lixo espacial com um robô de quatro braços

https://vimeo.com/379011028 A Agência Espacial Europeia (ESA) acaba de assinar um contrato com a startup suíça ClearSpace para levar a cabo tarefas de limpeza de lixo orbital. Em comunicado, a agência espacial aponta que a empresa vai …

O "Asteróide do Apocalipse" está a cuspir rochas para o Espaço

A sonda OSIRIS-REx da NASA chegou ao Bennu, o "Asteróide do Apocalipse", em dezembro de 2018 e, apenas uma semana depois, descobriu algo incomum: o asteróide estava a lançar partículas para o Espaço. A câmara de …

Projeções dão vitória esmagadora de Boris Johnson

O partido Conservador venceu as eleições legislativas no Reino Unido com uma maioria absoluta de 368 deputados, segundo uma sondagem comum divulgada hoje pelas três estações televisivas britânicas BBC, ITV e Sky, segundo a qual …

Encontrada a obra de arte mais antiga da Humanidade

Um grupo de arqueólogos da universidade australiana de Griffith descobriu numa caverna na Indonésia a pintura rupestre de caça mais antiga do mundo, com cerca de 44 mil anos. A investigação, publicada na revista Nature, descreve …

Há uma petição para tornar o "Baby Yoda" num emoji

Mais de 18.500 pessoas assinaram uma petição online, na qual pedem à Apple que transforme o "Baby Yoda", uma das personagens da série The Mandalorian da plataforma de streaming Disney +, num emoji. A petição, …

Milagres e crucificação. Novo videojogo permite encarnar a pele de Jesus Cristo

Um novo videojogo permite aos jogadores viverem a vida de Jesus Cristo. Neste polémico jogo, poderá realizar alguns dos milagres mais célebres da bíblia e até combater contra Satanás. "I Am Jesus Christ" é um novo …